Faço de ti poesia

Faço de ti poesia
Quando nossos olhos se cruzam
Quando nossas mãos entrelaçam
Quando raia um novo dia

Traço no papel nossa história
Te imortalizo em meus versos
Adentro teus universos
Te guardo na memória

Perdida em teu corpo, descubro quantas sou
Atada em tuas masmorras, minh’alma alça voo
E voando em teu céu
Colho teus beijos, me embriago em teu mel

Faço de ti poesia
Quando as horas lá fora correm
E meus beijo te percorrem
Navegando em calmaria

Faço de ti poesia
Quando a entrega do corpo é urgente
Quando te ver me faz lago fervente
E nos perdemos em desejo e fantasia

Faço de ti poesia
Quando meus olhos se enchem d’água
Nos momentos de despedida
Quando a saudade inunda, deságua
Poucos momentos após a partida

Faço de ti poesia
No encontro, na partida, na distância
Guardo teus traços e nossos momentos
Te escrevo em meus sentimentos

Faço de ti poesia
E em meus versos
Te entrego meus universos
No anoitecer de mais um dia

Dica Literária: Cem escovadas antes de ir para a cama – Melissa Panarello

Lembro de estar folheando uma revista qualquer quando me deparei com uma pequena resenha sobre o livro da italiana Melissa Panarello. Eu tinha dezessete anos e pouco interesse por sexo ou erotismo – Confesso que já havia lido alguns livros considerados “quentes”, como Sidney Sheldon , D.H Lawrence ou a francesa Régine Deforges com seu “Diário Roubado” ou sua coletânea “A bicicleta azul” – Inclusive, acredito que apesar de serem livros considerados “impróprios”, não representaram um dano para a minha formação – Eu apenas lia desatentamente as cenas mais românticas/eróticas, como quem pensa “mas o que leva dois adultos a fazerem isso?” e não raro, eram as represálias de professores ou familiares que me diziam que o livro não era para a minha idade (não adiantava nada, afinal, minha mãe e eu sempre tivemos ótimas conversas e eu jamais fui proibida de ler algo). Voltando ao livro da Panarello: Eu, em meus dezessete anos, após ler a resenha na revista, comecei a procurar pelo livro. O motivo? A autora, ainda adolescente, foi expulsa do colégio onde estudava pelo fato de ter escrito a obra. Trata-se de um diário e, na conservadora cidade italiana onde vivia, causou choque e comoção. Eu precisava ler! Pela primeira vez, não estava buscando títulos entre os livros da minha mãe ou os da biblioteca, nem procurando ler as obras exigidas nos vestibulares. Eu queria ler o livro considerado erótico e chocante, escrito por uma menina apenas um ano mais velha que eu! Afinal, já nessa época, eu escrevia meus primeiros rascunhos e sonhava me tornar escritora! Como ela havia conseguido? O que eu precisaria fazer para completar uma história? A ansiedade pela leitura era enorme. E assim, após uma pequena procura e pouco antes dos meus dezoito anos, ganhei o livro e li em uma única tarde. Li outras vezes com calma. Guardei por um tempo e depois doei na biblioteca da escola em que eu estudava – Confesso que guardo curiosidade de saber se ainda está lá. Ontem, ao visitar a 9ª Festa do Livro, encontrei um exemplar na banca para “adoção”. Não peguei. A história já não me diz nada, tantas foram as leituras e releituras. Mas tirei uma foto para publicar na página junto com o resumo.

         A história é chocante por ser real. Melissa é uma menina tímida, insegura e acaba pulando várias etapas que deveriam ser de descobertas poéticas e corações partidos, caindo direto no redemoinho intenso do sexo casual e de diversos fetiches. O erotismo é latente, permanente, mas não vulgar – Melissa consegue escrever de uma forma ao mesmo tempo elegante e instigante e isso faz o leitor prender o fôlego. O filme, lançado anos depois, modificou a história e retirou a sensibilidade do texto, deixando uma pornografia sem graça – foram quase duas horas perdidas diante da televisão! Portanto, se você leitor ou leitora, se interessou pela obra, leia o livro, passe longe do filme. E depois me conte o que achou!

 

 

Vida de estudante 1 – Divisibilidade

Boa noite leitores e leitoras! Hoje vamos iniciar mais um tema aqui no blog: Dicas para quem está estudando ou para quem gosta de manter a cabeça em dia, sem esquecer tudo ou quase tudo que passou anos aprendendo no colégio.

O tema da primeira postagem é Divisibilidade – Ou seja – Como saber se um número é divisível por outro gerando um resultado exato. Bacana né? Vamos lá:

Divisibilidade por 2: Essa é fácil! Um número é divisível por 2 quando é um número par.

Divisibilidade por 3: Um número é divisível por 3 quando a soma de seus algarismos produz como resultado um número múltiplo de 3. Exemplo: 36. 3 + 6= 9. Como 9 é múltiplo de 3, sabemos que 36 é divisível por 3.

Divisibilidade por 4: Um número é divisível por 4 quando os dois últimos algarismos formam um número divisível por 4. Exemplo:840. 40 é divisível por 4, portanto, 840 é divisível por 4.

Divisibilidade por 5: Um número é divisível por 5 quando termina em 0 ou 5. Fácil né?

Divisibilidade por 6: Um número é divisível por 6 quando é divisível por 2 e 3 ao mesmo tempo.

Divisibilidade por 7. Essa é mais difícil, mas vou tentar explicar, usando como exemplo o número 315:

1º passo. Separe a casa das unidades

31 – 5

2ºpasso: Multiplique o algarismo da direita (unidade que está separada) por 2 e subtraia o resultado do algarismo da esquerda:

5 x 2= 10

31 – 10 = 21.  Se o resultado dessa operação for divisível por 7, então o número original também é! Ou seja, no exemplo o resultado foi 21 que é divisível por 7, portanto 315 é divisível por 7.

Divisibilidade por 8: Um número é divisível por 8 quando os três últimos números formam um número divisível por 8. Exemplo: 12.160. Observe os três últimos dígitos, 160, é divisível por 8,

Divisibilidade por 9: Um número é divisível por 9 quando a soma dos seus algarismos forma um número divisível por 9. Exemplo: 297. 2+9+7= 18. Como 18 é divisível por 9, 297 também é.

Divisibilidade por 10: Um número é divisível por 10 quando termina em 0. Fácil.

Divisibilidade por 11: Um número é divisível por 11 quando a diferença entre a soma dos algarismos de ordem par e a soma dos algarismos de ordem ímpar é divisível por 11.

Exemplo: 14.927

Soma dos algarismos de ordem par: 4 + 2 = 6

Soma dos algarismos de ordem ímpar: 1+ 9+ 7= 17

Diferença entre os resultados acima: 17-6= 11.

11 obviamente é divisível por 11, então 14927 é divisível por 11.

E aí, gostaram das dicas? Lembram de ter aprendido isso na escola?

(Texto adaptado do Manual Estudefácil –Concurso Oficial de promotoria/ Não tenho o ano pois as páginas estavam soltas aqui em casa)