Simba e as esfihas [Receita vegana + crônica]

Ele chegou como uma pequena bola de pelos negros e macios com uma pequena manchinha branca no peito. Minha tia logo batizou o pequeno cachorrinho com o nome do Rei Leão: Simba. Assim como eu, o cachorrinho cresceu observando o movimento intenso da cozinha – cozinhar é um dom que percorre a minha família há algumas gerações. Certa vez estávamos todos fazendo esfihas – não lembro qual a ocasião, mas iriam ser muitas esfihas, mais de cem – minha mãe tirava as assadeiras com esfihas quentinhas e cheirosas do forno e colocava em uma enorme assadeira, coberta com uma toalha, em cima da mesa. Simba, que sempre ficava ouriçado com os aromas culinários, estava quieto, deitado em um sofá velho. O tempo foi passando e a assadeira parecia nunca se encher – havia sempre um buraco onde faltavam esfihas. Em dado momento, minha mãe viu: O danadinho ia pé-ante-pé, descobria um canto e pegava uma, duas esfihas, colocando-as no chão e novamente cobrindo com aquela toalha a assadeira, num cuidado tal que, quem o visse, pensaria ser impossível tanta inteligência em um só animal. Na época, não havia celulares com câmeras – senão, valeria a pena perder mais algumas esfihas apenas para dividir com outras pessoas as brincadeiras daquele adorável e enorme cachorro, cujo tamanho assustava os desconhecidos e a doçura encantava os amigos.

Todas as vezes que começo a picar azeitonas, tomates, cebola, alho, separar temperos e outros ingredientes, lembro dessa cena – quando me tornei vegetariana, pensei que não comeria mais essas delícias – ledo engano – foi possível adaptar a antiga receita de família, deixando-a mais saudável e completamente livre de crueldade. O Simba já virou estrelinha há uns anos atrás – se estivesse por aqui, eu o deixaria repetir suas façanhas e artes todinhas, apenas para poder gravá-las.

Massa:

3 xícaras de farinha de trigo branca

3 xícaras de farinha de trigo integral

4 xícaras de fibra de trigo (se possível, misturar fibra fina e grossa)

¾ de xícara de linhaça (misturar a dourada e a marrom)

Sal

1 e ½ colher de sopa fermento biológico em pó

1 colher (café) de açúcar

3 e ½ xícaras de água

11 colheres de azeite

Preparo

Preparar o fermento com um pouco de água morna, algumas colheres da farinha e o açúcar. Deixar descansar por 10 minutos ou até dobrar de tamanho. Acrescentar os outros ingredientes e amassar até desgrudar da mão. Deixar descansar coberto com um pano de prato até dobrar de volume.

Essa quantidade rende aproximadamente 130 esfihas de tamanho festa ou 4 enrolados grandes.

Recheios sugeridos:

Proteína de soja refogada com tomate, cenoura, cebola, sal, orégano e temperos

Proteína sabor atum vegano

Escarola

Alho poro

Espinafre

FB_IMG_15200732518829973

Passaporte da Leitura: Chile

A leitura é mesmo mágica – em dois dias o Passaporte da Leitura me levou ao Chile e me trouxe de volta para contar tudo aqui no blog! Quem ainda não conhece o Projeto Passaporte da Leitura pode clicar aqui para conhecer mais!

O livro escolhido foi “O caderno de Maya” da autora chilena Isabel Allende.

Título: O caderno de Maya

Autor: Isabel Allende

País: Chile

Uma jovem fugindo da máfia de Las Vegas e do FBI. Uma ilhota nos confins do Chile e um homem solitário. Uma despedida e um caderno em branco. Juntar estes elementos em uma obra literária já é promessa de uma história atraente. Com a maestria de Isabel Allende, a personagem Maya Vidal conquista o leitor, levando-o hora ao paraíso chileno, ora a uma infância feliz e amorosa, ora ao fundo do poço das drogas, da prostituição e do crime. O livro é denso – mergulhar em suas páginas é sentir dor, medo, alegria, decepção – e também uma vontade imensa de conhecer o Chile, com sua história marcada recentemente pela ditadura e suas belezas naturais.

Maya é o exemplo de adolescente que guarda em si uma mulher forte, destemida e decidida, mas ainda não a conhece e mergulha em um poço sem fundo, numa busca incessante por algo que nem ela mesma conseguiria definir. Nini, a avó de Maya, por outro lado, é a senhora sábia que não deixa transparecer as marcas que a ditadura lhe deixou. Aliás, a obra merece ser lembrada pela construção de personagens femininas bem estruturadas, com histórias interessantes e fortes – Isabel Allende não deixou o amor romântico fora da vida das mulheres de sua obra – Ela o incluiu em seu texto de forma que a vida dessas mulheres não girasse completamente em torno do sentimento romântico. Importante também ressaltar que o livro tem alguns trechos onde a violência sexual aparece de forma explícita, o que pode disparar gatilhos em algumas pessoas.

Sem dúvidas “O Caderno de Maya” é uma obra bastante agradável e uma excelente dica de leitura.

Sobre a autora:

Isabel Allende é sobrinha do ex-presidente chileno Salvador Allende, deposto pelo golpe de estado que instaurou a ditadura de Pinochet em 1973. Apesar de ter passado anos longe do Chile, Isabel retrata seu país com maestria. Nascida em 1942, Isabel hoje vive na Califórnia. A autora coleciona êxitos literários, como o livro “A casa dos espíritos”, adaptado para o cinema.

Sobre o Chile:

O Chile é um país sul americano formado por uma área continental e também por ilhas. Seu clima é bastante diversificado – o país possui regiões de clima desértico e também partes extremamente geladas. Em relação a população, há uma mistura de etnias, principalmente entre europeus e indígenas, havendo também uma parcela da população descendente de imigrantes do oriente médio. O país passou por uma ditadura entre 1973 e 1990 – foi um período sombrio onde houve várias violações aos direitos humanos. Atualmente o IDH (índice de desenvolvimento humano) chileno é considerado muito elevado. Santiago é a capital e também a cidade mais populosa do país. O Chile tem como idioma oficial o espanhol – herança de sua colonização. Sua moeda é o peso chileno. O país não possui uma religião oficial – o estado é laico e a discriminação religiosa é proibida – entretanto a grande maioria da população se declara católica.

Devaneios e (1)

Castanha de caju na moranga

Dias atrás postei sobre o Samhain e os significados desta festividade, além de comentar um pouco sobre os alimentos tradicionais da época. Um desses alimentos é a abóbora, em especial a abóbora moranga que ficou conhecida pelas famosas lanternas feitas no Halloween e,  por isso, escolhi preparar esta receita de castanha de caju na moranga – adaptação da receita postada no blog Laboratório dos Sentidos, da Fabiana Turci (vale a pena clicar e ler a publicação original e as outras receitas também!). Essa castanha de caju na moranga é uma ótima dica para jantares especiais e combina perfeitamente com arroz integral sete grãos e uma boa salada de folhas verdes.

Ingredientes:

1 moranga pequena

2 xícaras de castanha do pará

200gs de castanha de caju crua ou torrada com sal

2 xícaras de molho de tomate caseiro

Páprica, sal, azeite, cebolinha e salsinha

1 pimenta dedo de moça fresca picada

3 dentes de alho

1 cebola picadinha.

Preparo:

Deixe a castanha do pará de molho por oito horas. Lave bem a moranga e coloque em uma panela grande para cozinhar por meia hora.  Depois de cozida, retire da panela e deixe esfriar bem e, só depois de fria, corte com cuidado um círculo na parte de cima e retire todas as sementes. Vire-a de cabeça para baixo para escorrer qualquer resquício de líquido.

Escorra as castanhas do pará e coloque-as no liquidificador. Adicione água quente até atingir uns dois dedos acima da quantidade de castanhas. Coloque um pouco de sal e bata até formar um creme. Adicione a salsinha e reserve.

Em uma panela refogue os temperos, a pimenta vermelha e as castanhas de caju, fritando levemente. Adicione o molho vermelho e, quando estiver fervendo, adicione metade do molho branco de castanhas. Espere ferver novamente e desligue o fogo.

Desvire a moranga e coloque-a em um refratário, coloque o molho branco de castanhas por dentro da moranga, espalhando bem. Em seguida coloque o molho de castanhas. Cubra com papel alumínio e leve ao forno pré-aquecido por 40 minutos. Retire e sirva.

Samhain