Ritmo e poesia

RAP é a abreviação para “Rhythm and Poetry” (ritmo e poesia). Trata-se de um gênero musical surgido na Jamaica, na década de 60 e levado para os Estados Unidos no início dos anos 70, tornando-se popular entre jovens de origem negra e latina que habitavam as periferias de Nova York.

Caracterizado por uma batida rápida, mixada por DJ ou feita com a boca  – o conhecido beatbox – e pela prevalência do texto sobre a melodia, o RAP tem como temas recorrentes a narração das dificuldades, dos sonhos e do cotidiano das famílias que habitam bairros periféricos, sendo por isso um estilo musical de protesto. Além das gravações tradicionais, o RAP é encontrado em “batalhas” de rua, onde um MC desafia o outro com rimas improvisadas sobre determinado tema que devem ser respondidas pelo outro MC. 

No Brasil o RAP só chegou no final dos anos 80 e tornou-se popular e aceito na indústria fonográfica na década de 90, com o surgimento de músicos como Racionais Mc’s, Pavilhão 9, Detentos do RAP, Planet Hemp e Gabriel, o Pensador. 

Atualmente é possível encontrar letras de RAP românticas e até mesmo algumas exaltando as belezas de determinada cidade ou estilo de vida, o que mostra uma modificação na temática das músicas, mas é importante lembrar que, por mais que você aprecie as novas temáticas, o RAP merece respeito e destaque pelas suas origens de luta e protesto.

O ritmo ainda não venceu totalmente os preconceitos da sociedade, apesar da grande importância na cultura nacional como representação da voz da população periférica com seus dilemas, medos e dificuldades.

No Estado de São Paulo, vigora a Lei 13201/2008, que institui o “Dia do Rap Nacional”. Infelizmente a mera existência de uma lei não é suficiente para acabar com os preconceitos que cercam o estilo ou com a violência policial contra a população periférica – um dos temas recorrentes nas letras. 

Querem algumas indicações de RAP nacional?

Negro Drama – Racionais MC’s

Jesus Chorou – Racionais MC’s

Poesia Acústica #3 Capricorniana

E eu não poderia deixar de mostrar um rapper aqui da baixada santista que não é nem um pouco periférico mas que arrasa no som e eu curto muito:

Paraíso – 13ML

Coração de Vagabundo (Tributo ao Chorão) -13ML

Este post faz parte do BEDA, curtam também:

Lunna Guedes

Obdulio

Roseli Pedroso

Mãe Literatura

Suzana Martins

Mariana Gouveia

Ale Helga

Minha trilha sonora: Maluma

Maluma é o nome artístico do colombiano Juan Luiz Londoño Arias, nascido em 28 de Janeiro de 1994 em Medellín. Filho de Marli Arias e Luis Londoño, Maluma utilizou a primeira sílaba dos nomes dos pais e da irmã (Manuela) para compor seu nome artístico.

Dono de um sorriso hipnotizante e de uma voz única, Maluma canta e encanta com sons vibrantes, divertidos e muito sensuais. Os temas das músicas são bastante modernos e urbanos – amor e pegação não faltam nas letras e os clipes refletem bastante essa temática, explorando toda a sensualidade do povo latino e toda a exuberante beleza da Colômbia. Confesso que sou um pouco viciada nas músicas e fã de carteirinha do cantor, espero um dia fazer uma coreografia de pole dance com alguma música dele e compartilhar por aqui para vocês verem, mas enquanto isso não acontece apresento a quem não conhece cinco das minhas músicas favoritas do cantor.

Sei que existe um preconceito em relação ao reggaeton, assim como existe preconceito musical em relação ao funk ou ao axé music, uma espécie de pensamento que coloca as pessoas em duas caixinhas distintas: As que gostam de mexer o corpo e as capazes de ler um livro, escutar uma canção dita requintada e se entreter com um filme cult. Diante disso, gostaria de salientar que essa coisa de rotular pessoas não existe e que é perfeitamente possível gostar de balançar o corpo até o chão e ler um bom livro (só não conheço ninguém que faça as duas coisas ao mesmo tempo…rs).

Felices los 4

Hawái

La Temperatura

Sin contrato

Carnaval

Este post faz parte do BEDA. Conheçam também os espaços literários de:

Lunna Guedes

Obdulio

Roseli Pedroso

Suzana Martins

Mariana Gouveia

Mãe Literatura

Ale Helga

A primeira coreografia…

Eu pensei em várias músicas que poderiam vir a ser minha primeira coreografia no Pole Dance – De Bazurto All Stars até Sinatra, passando por Glória Groove ou Maysa. Mas juro que nunca havia pensado em Feeling Good até meu professor surgir com a proposta e a música. Confesso que não conhecia o cantor Muse nem a versão escolhida pelo professor, mas estou adorando e evoluindo muito meus giros e fluidez. Quando gravar coreo colocarei aqui, enquanto isso fica o convite pra uma espiadinha no meu Instagram onde tem algumas “amostras” e pra conhecerem essa música delícia ❤

Feeling Good

Esse post faz parte do BEDA (Blog Everyday August). Acompanhem também Lunna Guedes, Roseli Pedroso, Mariana Gouveia, Obdulio Mãe LiteraturaAle HelgaSuzana Martins

Os sons da Colômbia

Nos tempos antes da pandemia, sexta feira era dia de balada, amigos e música alta… pra algumas pessoas. Confesso que apesar de ser bastante caseira, a perspectiva de poder sair sempre me deixou animada, afinal nada melhor do que ver o Sol nascer.

Como ainda não retomei os roles pós pandemia, deixo aqui algumas músicas que conheci na Colômbia, amei e que gostaria de dançar muito nas baladas brasileiras!

Essa música é muito animada! Viciante!

MALUMA! Sou fã? Muito.

Romântico ♡
Mais uma canção romântica!
Esse é o ritmo mais animado! Adoro!

Aproveitem as dicas e divirtam-se!

Esse post faz parte do BEDA, Blog Every Day April!

Participam também: Lunna Guedes, Ale Helga, Mãe Literatura, Obdulio, Mariana Gouveia

Para começar bem o dia – A música da natureza

Espetáculo com participação de 60 espécies de aves! No final, no auge da melodia (papageno-papagena/flauta mágica), a cantoria intensa em analogia sincronizada com a ópera de Mozart. Trabalho publicado no YouTube em set/2020, que levou meses de trabalho de uma equipe, que foi editado pelo compositor, produtor e escritor Volker Pannes, e resumido em apenas 3 min de vídeo! Vale a pena assistir!

Recebi o vídeo pelo WhatsApp e fiquei encantada!

Este post faz parte do BEDA (Blog Every Day August)

Alma Latina

Hoje eu caminhei 19129 passos – Culpa dos ônibus lotados que me fazem ter pavor de pegar covid-19. Voltei caminhando boa parte do percurso trabalho-casa e faço a vocês uma confissão: Estou com preguiça de digitar o resumo do último livro lido.

Mas, como não quero perder o BEDA, vou compartilhar com vocês o vídeo de uma cantora colombiana que tem uma voz deliciosa!

E vocês? Quando se trata de música latino americana, quais cantoras/cantores/bandas me indicam?

Sobre Sinatra e o adeus a um amigo.

Ano de 2009. Eu trabalhava em um Parque Cultural em São Vicente. Lugar agradável, réplica da primeira Vila do Brasil. Aos finais de semana, música ao vivo, baile frequentado pela Melhor idade. Eram meus dias favoritos pela animação e pelas canções. Vestida com o uniforme – réplica de vestimentas do século XV – eu borboleteava entre as mesas e casais que dançavam. Entre tantos músicos, um deles era meu favorito: Roberto Salvatore. Ele fazia o melhor cover do Frank Sinatra que já vi. Fisicamente não havia semelhança nenhuma, mas a voz… Que voz! E que repertório bem selecionado, variando entre o dançante e o romântico. Ao final, um pouco de música brasileira. Eu sempre pedia para ele tocar “O grande baile da saudade”, uma valsa do Francisco Petrônio. My way eu nem precisava pedir, já era parte do repertório. Lembro de ter pedido “Gentil Borboleta”, do Carlos Galhardo, canção que ele não chegou a tocar: Morreu, vítima de um câncer no ano de 2010. Foi uma perda. Na época, escrevi um poema, que deixo ao final do texto. Ele merecia palavras mais belas, mas foi o que consegui escrever de momento. Sempre lembro dele quando ouço os primeiros acordes do Sinatra.

Amigo que tão cedo partiu
Sem dar tempo de dizer até breve
Deixou em seu lugar uma saudade que meu coração nunca sentiu
Tão profunda como a palavra adeus, e tristemente constante como a brisa leve
Amigo querido, sempre lembrado
Sobre a Terra, um anjo a menos a caminhar
Tu és agora mais uma estrela no céu estrelado
Que para sempre vai brilhar
Num coral de anjos estás agora a cantar
No paraíso vivendo a eternidade
Deixando-nos eterna saudade
Espero que no céu algum dia, possamos nos reencontrar...

Se quiserem conhecer o único vídeo dele disponível na rede, é só clicar aqui.

Este post faz parte do BEDA (Blog Every Day April), visite também:

Mariana Gouveia Claudia LeonardiRoseli PedrosoObdulioAle HelgaLunna Guedes – Adriana Aneli

Blogagem coletiva Março: Minha Playlist

O ano de 2021 chegou como um novo ano-rascunho. Sinto como se o ano anterior continuasse em uma confusão de dias estranhos. Março me surpreendeu e já está chegando ao final. Entre um copo de água e outro, percebo que chegou o momento de escrever a blogagem coletiva do mês e o tema “Minha Playlist” me agrada. A música é uma constante por aqui e a playlist é infinita. Não gosto da ideia de selecionar “as dez músicas mais tocadas” ou as “preferidas”. Por outro lado, não posso incluir aqui um infinito número de canções. Estipularei dez aleatórias entre as mais ouvidas nos últimos dias. Divirtam-se.

Rammstein é uma das minhas bandas favoritas – Adoro fazer yoga pela manhã ouvindo uma playlist deles. Ano passado criei uma coreografia de Chair Dance com a música Diamant – uma das canções da banda que mais gosto.
Algumas vezes é bom confiar nas indicações do Youtube. Essa cantora apareceu por acaso quando eu estava ouvindo algumas músicas francesas no youtube. Foi paixão instantânea.
Outra música delícia. Será que quando essa pandemia passar eu crio uma coreo para ela no Pole Dance? Ou crio algo no chair dance aqui em casa, com pandemia mesmo?
Eu sei que essa música não é da Iza. Mas não consigo deixar de ouvir a versão gravada por ela. Uma das minhas vozes brasileiras preferidas da “nova geração”.
Estou preparada para eventuais criticas e estranhamentos – Esse Rap romântico e levinho destoa bastante das outras músicas da playlist, mas está entre as minhas favoritas.
Vocês podem ter mil críticas ao filme/livro 50 Tons de Cinza. Mas é impossível não se apaixonar pela trilha sonora. Boa pra dançar, para ouvir enquanto lê, para descansar em ócio criativo.

Mais uma música aleatória, essa indicada por uma colega de trabalho. Está na playlist desde o ano retrasado.
Uma canção do nosso grande Chico Buarque, na voz impecável da Letícia Sabatela.
Essa letra… Emicida é um cantor que merece ser ouvido.
Outra indicação do youtube! Que voz potente e que ritmo delicioso (Além de ser um cantor sexy pra caramba, mas esse é um outro departamento que não tem nada a ver com a música).

Gostaram da minha playlist? Comentem!

Outras playlists para conhecer: Roseli Mariana GouveiaObdulio Lunna

Ah! Hoje é domingo, dia de falar mal do Bolsonaro, ops, quer dizer, dia de análise das notícias da semana. O texto dessa semana estará publicado no Instagram e no meu Facebook daqui alguns minutos – Visitem! Hoje é aniversário do genocida e tem um espacinho especial para deixarem sus melhores piores votos por lá!

Diamant – Minha coreografia no Chair Dance

No final do mês de Agosto, escrevi um post intitulado “para se movimentar” aqui no blog comentando sobre minha rotina de atividades físicas na quarentena e o quanto tem sido gratificante me dedicar a algo que amo e havia perdido na correria da vida: A dança.

Domingo passado, gravei um pequeno vídeo com a coreografia que criei, utilizando um pouco das técnicas de burlesco e chair dance que aprendi na internet. Ficou lindo, mas fiquei em dúvida: Postar ou não? Coloquei no youtube (meu canal só tem 8 inscritos, então era quase certeza ser pouco visualizado), ontem acabei publicando no Instagram algumas fotos – Na verdade prints de momentos da dança – tratadas com um app para parecer cartoons. Houve vários comentários e interações que eu não esperava – Afinal, eu não sou profissional na dança! Mas os comentários me deram coragem para mostrar a coreografia para vocês aqui no blog. A música é uma canção da banda alemã Rammstein, que me agrada imensamente e, como não poderia deixar de ser, eu escrevi uma poesia sobre o dançar. Espero que gostem!

Quando dança
A alma alcança
O êxtase dos céus
E a sedução do mundo
Mistério profundo
Quando dança
O corpo aprende
Que o movimento prende
O olhar que assiste
Enquanto insiste
Em libertar energia
Produzindo fantasia.
Quando dança
O corpo é alma
Luz, leveza, encanto
É pureza e sedução
É sussurro e acalanto
É paz e explosão

E, para quem ficou curioso para ver as fotos, é só espiar no Instagram @poetisa_darlene

Uma canção de boas energias ♡

Faz um bom tempo que não escrevo sobre esse assunto aqui no blog, mas acredito que quem me acompanha desde o início sabe que me defino como neo-paga/wiccana. É verdade que ando afastada, me dedicando mais ao mundo real que ao espiritual, porém hoje tive vontade de compartilhar essa linda canção da minha religião com vocês. Espero que gostem e cantem bem alto!

Este post faz parte do BEDA: Blog Every Day August. Participam tamém

Mariana GouveiaDrica AdrianaObduliono ClaudiaChrisViviane – Ale Helga – Lunna Guedes –