Para começar bem o dia – A música da natureza

Espetáculo com participação de 60 espécies de aves! No final, no auge da melodia (papageno-papagena/flauta mágica), a cantoria intensa em analogia sincronizada com a ópera de Mozart. Trabalho publicado no YouTube em set/2020, que levou meses de trabalho de uma equipe, que foi editado pelo compositor, produtor e escritor Volker Pannes, e resumido em apenas 3 min de vídeo! Vale a pena assistir!

Recebi o vídeo pelo WhatsApp e fiquei encantada!

Este post faz parte do BEDA (Blog Every Day August)

Livro VS filme: Dumplin

Dumplim é um livro sobre adolescência, amor, amizade, família, sonhos e principalmente sobre a influência que o peso corporal pode exercer sobre todos os campos da vida – Ainda mais se você é uma adolescente obesa em uma pequena cidade onde o principal evento é um tradicional concurso de beleza e sua mãe já foi ganhadora do concurso e é muito popular e admirada.O filme tem no elenco nomes como Jennifer Aniston e Danielle Maconald, atrizes que interpretam os papéis de mãe e filha causando vários momentos de riso e descontração. Já o livro, escrito por Julie Murphy, presenteia o leitor com uma leitura leve, divertida e bastante jovial. O respeito aos ao próprio corpo e ao corpo do outro é uma pauta fundamental nos tempos em que vivemos, por isso Dumplin, livro ou filme, é uma ótima dica de entretenimento com qualidade.

Este post faz parte do BEDA (Blog Every Day August).

Mudar a sociedade antes que o tempo se esgote

Infeliz é o país que subjuga a capacidade dos seus. Quando Ricardo Velez disse que não deveria existir universidade para todos, deixou bem explicado nas entrelinhas que o ensino universitário se destina apenas aos filhos da elite, destinados a continuar mantendo suas posições no cada vez mais estreito topo da pirâmide social. Para pessoas dessa laia o desemprego é bom pois diminui os salários e a cracolandia só se mantém pois há quem alimenta a população em situação de rua. E sabe, não é novidade nenhuma ver os poderosos lutando por mais poder. Não me surpreende ou irrita nem um pouco. O que me deixa surpresa é ver o pobre torcendo pelo direito do patrão em detrimento dos próprios direitos. Aliás já li em algum lugar que os males do Brasil são falta de interpretação de texto e falta de consciência de classe. E podem ter certeza: O projeto é justamente atacar a educação, reduzindo cada vez mais a capacidade de leitura (de textos e da própria vida) do estudante para que as gerações cresçam com zero consciência de classe e uma grande gana de defender os que estão no topo, mesmo que para isso seja necessário derrubar e pisar nos que estão embaixo e ao lado. É uma realidade triste, já desenhada anos atrás na peça teatral “Eles não usam black-tie” de
Gianfrancesco Guarnieri.
O mais assustador nesse processo todo é perceber que a ganância humana não está destruindo apenas a população empobrecida e explorada: As consequências do capitalismo brutal e desenfreado aparecem na forma de mudanças climáticas catastróficas. Apesar do atual desgoverno brasileiro ser um potencial acelerador do processo, é preciso lembrar que a diferença social e a manutenção do lucro em detrimento da vida e do meio ambiente são fatores comuns em boa parte dos países ao redor do planeta. É preciso reduzir urgentemente os níveis de consumo e rever a construção da sociedade antes que o tempo para isso se esgote. E acreditem, está se esgotando.

Esse post faz parte do BEDA (Blog Every Day August)

Sexta Feira 13 (BEDA 13)

Sexta Feira 13

Imagina que azar
Morar num país desgovernado e ter medo de passar embaixo da escada, de cruzar com um gato preto, de levantar da cama com o pé esquerdo?
Imagina que azar, morar num país assolado pela fome e pelo vírus e ainda assim ter medo de sair de casa pois é sexta feira 13.
Imagina que sonho ter só um dia de azar no ano inteiro?
Seria bom, não?
Mas o povo brasileiro
Elegeu o capeta
Chamou de messias o genocida
E mesmo agora que tantos perdem a vida
Parecem continuar a histeria coletiva:Camisa da CBF e arminha com a mão.
Povo que em 2018 elegeu 4 anos de morte e trouxe pra nação essa má sorte
Que não sabemos quanto vai durar.

Alma Latina

Hoje eu caminhei 19129 passos – Culpa dos ônibus lotados que me fazem ter pavor de pegar covid-19. Voltei caminhando boa parte do percurso trabalho-casa e faço a vocês uma confissão: Estou com preguiça de digitar o resumo do último livro lido.

Mas, como não quero perder o BEDA, vou compartilhar com vocês o vídeo de uma cantora colombiana que tem uma voz deliciosa!

E vocês? Quando se trata de música latino americana, quais cantoras/cantores/bandas me indicam?

Um ilustre visitante – BEDA 09

Meu tio mora na zona rural de uma cidade inserida no cerrado brasileiro e sempre me envia fotos e vídeos dos animais que aparecem por lá.

Hoje vi uma reportagem dizendo que, se não mudarmos nossos padrões de produção e consumo imediatamente, será tarde demais para reverter o colapso do clima. Estamos caminhando pra uma extinção em massa e, acreditem: A COVID-19 foi apenas a primeira catástrofe e tem coisas piores pela frente!

Compartilho o vídeo deste belo porco espinho como um incentivo a mudanças! O mundo é muito bonito para ser destruído por uma espécie presunçosa, arrogante e porca . Vamos preservar nossa fauna, flora e recursos naturais!

Esse post faz parte do projeto BEDA (Blog wvery day august)

O Brasil é Baile de Favela, (Beda 8)

O Brasil é Baile de Favela.

Quem diria que o Brasil ganharia uma medalha olímpica ao som de “Baile de Favela”, música criticada por seu estilo que, como diz o título, nasceu na favela.
O tapa veio com luvas de pelica: A Olimpíada (que nem deveria acontecerem meio a uma pandemia), foi palco de diversidade. E essa diversidade se mostrou com força: Mulheres, negros e negras, LGBRQI+ se destacam nos jogos e mostram a que vieram. E isso é importante, tão importante quanto usar músicas populares no país. Aliás, quando se fala de funk, diversos olhos reviram. E eu entendo. Mas é necessário ver outro lado: A Favela não deve ser demonizada e sim vista como uma produtora de conteúdo e cultura – Sim, cultura! Não é porque você não gosta de funk que ele deixará de ser expressão cultural.

06 on 06 – Meus Vícios

O projeto fotográfico 06 on 06 propôs um tema peculiar: Meus vícios. Por definição, vício pode dependência física ou psicológica, ou ainda pode significar defeito.

Não me considero dependente de nada e, embora possa ter lá os meus defeitos, não vejo uma forma de fotografá-los. Por isso tomo a liberdade de ampliar o significado de “vício” para apresentar aqui hábitos rotineiros como vícios.

O primeiro (e arrisco dizer) mais antigo vício: Livros.

O segundo vício: Matemática. Adoro resolver questões aleatórias pelo prazer puro e simples de colocar a cabeça pra pensar.

O terceiro vício, adquirido na infância e retomado na quarentena: Baralho. Um jogo sempre cai bem!

Quarto vício: Música!

Quinto vício: Lápis de cor. Desenhar eu não desenho… Mas escrever colorido é divertido!

Sexto vício: Escrever. Tudo vira história pra contar!

Este post faz parte do BEDA (Blog Every Day August). Acompanhe também os posts de: Lunna, ClaudiaAdrianaObdulioMariana Roseli.