Procuro esquecer-te

Procuro esquecer-te entre meus suspiros e momentos
E não buscar-te em meus sonhos
Tento esquecer meus sentimentos
No mapa da vida, tento buscar novos caminhos

Na alma, carrego naufrágios, vulcões e tempestades
No olhar, lágrimas e saudades
Nos lábios teus beijos, doces encantamentos
Na minha vida tuas lembranças são meus acalantos

Por isso, te esquecer eu não posso nem por um segundo
Pois se tento, meu coração dói fundo
Tua imagem, tua lembrança… Você é meu mundo

E se te lembro… Se te lembro tudo se ilumina
Minha alma incendeia como fósforo e gasolina
Pois tu és minha inspiração… Sou tua eterna apaixonada menina…

(Imagem: Internet)

12 de Junho

Dia dos namorados
Corações entrelaçados
Juras de amor
Sentimentos declarados
Paixão, sabor e cor

Dia dos namorados é todo dia
É cada sorriso e fantasia
Cada leve toque, cada beijo
Cada sussurrar e desejo

Dia dos namorados
Data dos apaixonados
Sorriso dos que são amados
Lágrimas dos que são esquecidos

12 de junho, dia de sentimentos opostos
De amores expostos
De paixões escondidas
Dia de esperanças perdidas.

69- Dia dos namorados

Medo

       A cidade parece ter novas cores desde que eu te conheci e eu também me sinto mais cheia de cor e de vida – quase uma lagartinha saindo do casulo para se tornar borboleta. Sabe, Bambino, meus dias já não são os mesmos – eles ganharam uma misteriosa aura de alegria, um motivo desconhecido para esperar qualquer coisa de bom. Eu espero tuas mensagens no celular em horas estranhas, conversamos longamente pela internet e é como se eu me perguntasse “como eu vivi sem ele até hoje”.

      Ainda tenho muito medo, Bambino… Medo que você perceba o que significa para mim, medo que outras pessoas percebam como fico quando estou perto de você e é por isso que nunca estou lá antes dos teus ensaios para conversar como você me pede nas mensagens de texto. Talvez seja medo dessa felicidade que me envolve se acabar no momento em que você perceber que o meu gostar é diferente do teu. Ou talvez seja medo de ser a pessoa mais feliz do Universo se por uma distração do Cosmos os nossos modos de gostar um do outro se encontrarem e nos fizerem mais do que amigos…

(Da série “Devaneios tirados do fundo de uma gaveta – 2013)

(Imagem: Internet)

Resenha: Suave é a Noite (F. Scott Fitzgerald)

Há livros cuja leitura se arrasta em horas intermináveis por tratar-se de tema complexo e há aqueles cuja leitura se arrasta por não despertar grande interesse. Enquadrar um livro em um ou outra destas categorias é algo que depende de vários fatores subjetivos: O livro que para um leitor é complexo, para outro pode ser extremamente fácil. O livro cujo tema agrada a alguns, pode não agradar a tantos outros. Como leitora eu costumo gostar de quase todos os livros – desde romances daqueles água-com-açúcar adquiridos em bancas de jornal até clássicos da literatura ou obras de cunho filosófico e é muito raro eu não ter nada positivo para falar sobre uma obra. Raro, mas não impossível. Hoje concluí o livro que constava na minha lista de leitura para 2015 como o livro a ser lido no mês de Maio – Suave é a Noite, do autor F. Scott Fitzgerald. Com a devida vênia ao autor de romances como O Grande Gatsby (que confesso ainda não ter lido), devo dizer que “Suave é a noite” não me cativou em nenhum momento. A história gira em torno da família Diver, formada por Dick Diver, médico psiquiatra que se casa com uma jovem paciente, Nicole. Geralmente livros antigos me agradam pela maneira de utilizar as palavras ou pela descrição minunciosa de ambientes – não é o caso desta obra. Enfim, é a minha decepção literária de 2015. Longe de mim recomendar que não o leiam – pelo contrário – se desejarem, leiam! Leiam sempre! A cada um cabe julgar a leitura que lhe apetece (ou não), mas, para mim, o livro não agradou, infelizmente.

Alguém já leu e tem opinião diferente?

Simples e inesquecível

                Como um animalzinho arisco que foge das chamas, eu fujo do teu brilho. Eu tento ficar longe. Prometo que não vou me aproximar nem tentar conversar com você, mas eu não consigo – sabe Bambino, parece que tudo conspira para nos aproximar – o final de tarde e a caminhada pelas ruas do centro enquanto todos te esperavam chegar. Teu atraso e as pinturas no teto do Teatro que eu admirava pensando “será que ele não vem”?  Mesmo que tuas mensagens insistentes no meu celular dissessem que você já estava a caminho. As cortinas se abriram e faltava pouco pra terminar quando você chegou. Depois foram as estrelas, a brisa, a conversa e o sorriso. E a despedida. E o reencontro – sabe, ver você e o seu amigo entrando naquela lanchonete foi um momento de surpresa, confusão, mãos frias, pernas tremendo e coração acelerado. Foi o momento da noite em que tive medo de me trair. De deixar os olhos brilharem. Foi o momento em que você se sentou ao meu lado e eu não sabia se fugia ou ficava. Se ria ou fingia estar cansada. E ao mesmo tempo foi tão natural.

                Sabe Bambino, há coisas simples que se tornam inesquecíveis mesmo que a razão grite “esqueça!” e o teu sorriso é uma delas – a eternidade não é tempo suficiente para tirar do coração essa lembrança. E, acima de tudo eu me pergunto: “Eu quero esquecer?” E meu coração, entre os cacos partidos de minha alma pobre demais em encantos para merecer qualquer afeto de um Anjo, responde: “não”. As lembranças de noites como hoje serão sempre o maior tesouro de uma vida inteira… Bambino. Chamo-te assim em minhas cartas e diários para que teu nome permaneça oculto caso eu perca algum texto por aí, é uma forma carinhosa a que me dirijo a ti em pensamentos e devaneios. Queria que um dia você pudesse ler estas linhas que aos poucos preenchem as linhas vazias da minha alma e da minha vida.

(Da série “Devaneios tirados do fundo de uma gaveta” -Setembro/2013)

(Imagem: Internet)

Amado

Herói doce, herói amado
Sigo-te com o coração deslumbrado
Sei que vences com teu olhar
O coração de todas que desejar

Sei que sempre terás aos teus pés princesas e fadas
E que ao te ver, as ninfas quedam-se encantadas
Que seja sempre assim! Que para ti, as musas cantem apaixonadas
Saibas que as rosas foram criadas para enfeitar tuas jornadas

E um dia, entre tantas encontrarás aquela que é tua destinada
Após quebrar tantos corações… Verás nela tua verdadeira amada
Ela será tua vida, tudo e mais, será o teu querer
E ela saberá que o mundo só é belo enquanto você viver

Tu és um herói cavaleiro, e eu apenas singela camponesa
Sigo teus passos e sei que um dia amarás uma linda princesa
E assim como as rosas que despedaças desatento
Despedaço-me, mas sigo-te como meu único alento

E embora as lágrimas embacem meu olhar
Desejo que elas nunca venham tua face orvalhar
Que tua vida seja repleta de glória
Que conheças apenas o sabor da vitória

E apenas te peço cavaleiro querido
Que nunca te esqueças dessa camponesa de coração ferido
Traga-me sempre em tua vida, coração e memória                                                                                                           Deixa-me te acalantar, ser mais que distante lembrança em tua história.

Imagem: Internet