Os cidadãos de bem e o imbroxável

Enquanto quase 700 mil famílias ainda choram os mortos da pandemia de covid-19, enquanto assistimos o país voltar ao mapa da fome, enquanto assistimos a Amazônia queimar espalhando sobre nossas cabeças a fumaça da morte, uma significativa parcela da população aparenta ter regredido ao nível mental de uma sala da quinta série do ensino fundamental – sabe aquela quinta série terrível, que nenhum professor aguenta e que os pais já largaram de mão há muito tempo? É assim que vejo essa horda verde-e-amarela que vive uma espécie de delírio religioso endeusando um messias que de messias só tem o nome e, como todo bom adolescente punheteiro, rendem louvores a tudo que representa o fálico: Armas, violência, demonstrações públicas e tóxicas de virilidade. Já li em algum lugar que essa afirmação da masculinidade nada mais é do que insegurança quanto à própria condição sexual. O tragicômico é que, nas comemorações do bicentenário da independência do nosso país não haja sequer uma palavra de celebração ao Brasil verdadeiro: Aquele que trabalha duro e constrói essa nação. Tampouco houve uma palavrinha sequer de reconhecimento aos povos originários, dizimados pela colonização e massacrados pela república. Nada de bom, belo e útil foi dito naquele palanque. O tão falado bicentenário da independência foi reduzido a uma manifestação de moleques e gurias do quinto ano saudando o fálico com um neologismo: Imbroxável. Se broxa ou não broxa, pouco importa a mim ou a quem tem fome de comida, de oportunidades e de dignidade. Mas a turba de “cidadãos de bem” pareceu imensamente satisfeita em compartilhar o desempenho sexual do presidente da república – como se secretamente tivessem o desejo de, ali mesmo, chupar os culhões dele (e, sinceramente, acho que eles devem ter sim esse estranhíssimo fetiche).
Seria cômico, se não fosse trágico.

Quarenta e oito dias para o futuro.  

O prazo final para registro de candidatos para as eleições de Outubro deste ano termina amanhã e, segundo reportagem da CNN Brasil, o TSE já recebeu quase 25 mil pedidos de registro, dos quais 1253 buscam a reeleição. Também segundo a reportagem, a grande maioria dos candidatos é homem e se autodeclara branco. 
O ideal é que a população acompanhe as opiniões e ações de seus candidatos dentro e fora do parlamento durante os quatro anos entre uma eleição e outra, porém, para quem não fez essa “lição de casa”, vale aproveitar os próximos quarenta e oito dias para redobrar as pesquisas e escolher com muita responsabilidade os representantes para o próximo período. A eleição é um momento em que devemos ser extremamente criteriosos e atentos – Os próximos 48 dias irão definir os caminhos do Brasil durante 4 longos anos e, para uma considerável parcela da população, pode significar a diferença entre vida e morte. É só lembrar dos fatos ocorridos em 2020 e ou da volta do país ao mapa da fome enquanto representantes eleitos pelo povo realizavam orgias financeiras com a compra de leite condensado, cloroquina e próteses penianas. 
Outro ponto fundamental é lembrar que o Congresso Nacional é a casa do povo e deve representar todas as camadas da população, visando a aprovação de leis que busquem equidade – Neste ponto, após afinar as buscas com base em ações e propostas, é importante refinar os resultados escolhendo os representantes com diversidade: Você escolheu representantes do gênero feminino? pessoas negras? indígenas ou transexuais? PCDs? Ainda que você não pertença a esses grupos, é ético que busque garantir a participação dessas pessoas no cenário político nacional. 
Não há justificativa para repetir erros de quatro anos atrás ou para alegar uma suposta neutralidade – Quando você abre mão de decidir o futuro do seu país, está deixando que outras pessoas o façam por você – Você deixaria seu vizinho escolher a destinação do seu dinheiro ou os móveis que você tem dentro de casa? Não. Então por qual motivo não está, neste exato momento, começando a listar seus possíveis candidatos/candidatas/candidates? Não escolher programas de governo e parlamentares adequados é o mesmo que entregar o dinheiro público nas mãos de larápios, impostores e seus laranjas.

Este post faz parte do BEDA. Acompanhe também os textos de:

Lunna Guedes

Roseli Pedroso

Suzana Martins

Obdulio

Mariana Gouveia

Ale Helga

Mãe literatura

Marielle presente

Na calada da noite, calaram
A voz que reverberava gritos dos esquecidos
Sob noturno manto, ceifaram
A vida de quem lutou pelos oprimidos

Barbárie! Abjetos vermes pelas ruas caminharam
Ocultos pelo dinheiro, pelo poder apodrecidos
Homens armados de ganância e ódio atiraram
E abatendo a mulher, desejaram ver sonhos abatidos

Há um ano tal questão nosso peito oprime:
Quem matou? Quem mandou matar?
Quem orquestrou tão inumano crime?
A quem interessa afinal nossas vozes calar?

Tamanha revolta nenhum poema exprime!
Marielle, mulher corajosa, escolheu falar
De cabeça erguida contra o sistema que suprime
O direito de tantas outras Marielles e Andersons de viver, de sonhar

Marielle sempre presente! Sempre força e alegria
Marielle cuja alma se manteve doce e pura
Sem abandonar suas raízes de mulher negra da periferia
Ocupou seu espaço enfrentando da vida a batalha dura

Ousou sonhar com a revolução d’onde nascerá um novo dia
Mãos à obra – pedra por pedra, desejou construir um mundo sem amargura
Sabia que a verdadeira Revolução seria construída pelo povo, dia a dia
Do chão, pela mulher, pelo povo negro, indígena, pela troca de ideias sem censura

Na calada da noite, Marielle, eles acreditaram
Ter visto tantos planos e sonhos demolidos
Bandidos em luxuosos covis comemoraram
Ao ver milhões de corações partidos

Mas nosso luto, é verbo! Nossas mãos não se soltaram
Marielle tornou-se semente a germinar em campos floridos
Suas palavras, seus gestos, suas lembranças revoaram
A nos fortalecer nesta batalha da qual seremos vencedores, jamais vencidos

Nunca permitiremos que calem a tua-nossa voz!
Foste em vida um pouco de todas e de todos nós
E hoje em cada uma, em cada um, vive um pouco de ti
Marielle brilha, floresce, resiste! Gigante, eterna, Marielle, presente!

(14-03-2019)

Sejamos sementes – Marielle presente!

Hoje é um daqueles dias em que escrevo um texto que gostaria não fosse necessário escrever – mas é quando tudo se torna caos e incerteza, quando tudo vai levando a vida para o torpe, vil e absurdo inferno é que as palavras e debates se fazem mais necessários. O assassinato da vereadora carioca Marielle Franco (PSOL) ocorrido na última quarta feira (14) é um destes fatos chocantes que não possibilita a tomada de nenhuma outra posição que não seja a indignação e o repúdio.

Marielle foi a menina pobre que, segundo os padrões elitistas e egoístas da sociedade “deu certo na vida”. Preta, lésbica, favelada, “cria da Maré” como se definia, Marielle estudou e militou pelos direitos humanos – inclusive pelos direitos das famílias de policiais militares vitimados pela violência. Eleita vereadora, Marielle não deu as costas aos seus – continuou sendo a mesma mulher guerreira, defendendo os que não tiveram oportunidade de construir suas próprias defesas e denunciando abusos. Seu caráter correto e sua luta foram seu maior legado – e a causa de sua morte com nove tiros de fuzil. O assassinato de uma mulher negra, periférica, lutadora é o pergaminho escrito com sangue, o recado dos poderosos ordenando que o povo se cale, abaixe a cabeça, trabalhe e siga em frente se reparar nos cadáveres de seus semelhantes, sem se indignar com as condições desumanas de vida, sem se revoltar com a corrupção e os abusos do Estado. E esse recado deve ser rasgado bem debaixo dos olhos do emissor – Sejamos sementes de luta – Onde uma cabeça for cortada, que se levantem milhões. Que as ruas sejam tomadas pela indignação e a luta prossiga em memória de tantas Marielles, de tantos Andersons, de tantos e tantas trabalhadoras e trabalhadores que foram vitimados em silêncio sem que houvesse comoção, de tantos e tantas lutadoras e lutadores que não se calaram na defesa pelos direitos do próximo. Mais uma vez o nome de uma guerreira foi escrito com sangue nas páginas da história brasileira – e se você não é capaz de se indignar com isso, desculpe te dizer, mas o seu caráter tem sérios problemas e é melhor você rever seus conceitos de vida, respeito e dignidade humana.

.marielle-franco-20160906-0040

Poesia para os camaradas do PSOL

O que é a vida? É a constante luta
É poesia que nasce insistente
No decorrer de cada instante
Entre o sonho, o suor e a labuta

E se a vida é luta e poesia
É também aprendizado e construção
É o desejo de paz, justiça e revolução
É a estrada construída a cada dia

E neste caminho tão longo quanto breve
É uma alegria conhecer queridos e queridas camaradas
Qu’enfrentam a vida em lutas reiteradas
Com coragem, com força, e consciência limpa e leve

Mais um dia terminado, sigamos adiante!
Nestes humildes versos venho saudar
Todos e todas que hoje se vieram juntar
Que o Socialismo e a liberdade sigam sempre avante!

 

size_960_16_9_bandeira-do-psol

 


Nota da autora: Poema escrito ontem, 03/11/2016, após uma atividade de debate do PSOL Santos. Uma homenagem aos camaradas com quem tenho a alegria de militar e aprender a cada dia, e uma resposta a todos e todas que dizem que militância político-partidária e poesia não conseguem conviver ao mesmo tempo na alma humana!

 

 

Nossos sonhos não cabem em urnas (Ou um pequeno relato pessoal sobre as eleições de 2016)

Primeiramente, Fora Temer!
Nos últimos tempos uma considerável parte da população brasileira se desinteressou por assuntos ligados a política. São tantos escândalos, corrupção e sujeiras expostos diariamente no jornal e tanta precariedade, pobreza, insegurança e injustiça presenciadas no dia a dia que tal desinteresse, em um primeiro momento, parece ser algo normal, a solução mais lógica para um país “sem solução”. Mas, e se pensarmos diferente? Quando a nossa casa está bagunçada, o que fazemos? Deixamos continuar uma bagunça ou dedicamos mais tempo a organizar as coisas? Geralmente a segunda opção, correto? Com a sociedade, a lógica é a mesma! Se algo nos incomoda, temos que participar e ajudar a construir uma mudança – e isso não deve ser um comportamento que ocorre apenas a cada dois anos, quando vamos às urnas escolher nossos representantes! Atos políticos são atos diários. As lutas dos movimentos sociais, as organizações de moradores, o movimento estudantil, tudo isso participa da construção da sociedade e cabe a cada cidadão se organizar para propor e cobrar soluções! Ontem, dois de outubro, foi dia de ir às urnas e decidir os candidatos que irão representar a população na esfera municipal pelos próximos quatro anos .Em tempos onde as opções parecem ser apenas “mais do mesmo”, em tempos em que muitas vezes o ódio e seus representantes parecem dominar a cena política, a participação na política partidária vem sendo tratada por algumas pessoas como motivo de vergonha ou descrédito, mas é bom lembrar que a esperança nunca deve morrer.
Estes últimos meses foram bastante intensos. Talvez a maioria dos leitores e leitoras não saiba, mas sou militante do PSOL (Partido Socialismo e Liberdade) e, este ano pela primeira vez, estive envolvida na construção de uma candidatura – a candidatura do companheiro Héric Moura para a vereança aqui em Santos. Foi uma campanha linda. Acompanhar e participar de cada etapa foi sem dúvida um motivo de alegria e um grande crescimento. Desde a pré-campanha até o último sábado antes da votação, foram horas de trabalho intenso, de companheirismo e de esperança. Não foi uma candidatura qualquer. Foi uma candidatura independente e coletiva, uma nova forma de fazer política, com honestidade e coerência. Percorremos as ruas da cidade batendo de porta em porta, conversando com as pessoas e explicando o projeto de um mandato com participação popular. E a cada rua, a cada casa, a cada conversa, só aumentava a certeza de estar no caminho certo, no lugar certo. E não há sensação melhor no mundo do que fazer o que se acredita! Infelizmente não conseguimos a cadeira na câmara, mas conseguimos conversar com pessoas, entender a cidade de uma forma que jamais seria possível se estivéssemos trancados em frente a livros e computadores. A frase que intitula este texto (confesso desconhecer a autoria) define bem o sentimento pós eleitoral: Nossos sonhos não cabem em suas urnas! As eleições municipais passaram, mas o sonho de ajudar a construir uma sociedade justa permanece. E esse sonho se espalha pelas ruas das cidades e pelos campos, e ainda que nossos pés pareçam lentos ao tentar caminhar em direção ao horizonte sonhado, o importante é que não estamos parados nem sozinhos no caminho!
Escrevo tudo isso para explicar aos que acompanham este espaço o motivo do meu breve desaparecimento (quem acompanha a minha página no facebook ainda recebeu uma ou outra postagem), para dizer que estou de volta com poesias, textos, resenhas, receitas, e com a alma repleta de gratidão por participar de um projeto tão intenso e belo e, principalmente, deixo aqui este relato absolutamente pessoal sobre a campanha e a construção política para convidar a cada um e cada uma a refletir sobre o que tem feito para tentar entender e mudar a situação que vê ao redor de si, pois se você não mudar, ninguém poderá mudar por você!

Um enorme abraço a todos e a todas!