Marielle presente

Na calada da noite, calaram
A voz que reverberava gritos dos esquecidos
Sob noturno manto, ceifaram
A vida de quem lutou pelos oprimidos

Barbárie! Abjetos vermes pelas ruas caminharam
Ocultos pelo dinheiro, pelo poder apodrecidos
Homens armados de ganância e ódio atiraram
E abatendo a mulher, desejaram ver sonhos abatidos

Há um ano tal questão nosso peito oprime:
Quem matou? Quem mandou matar?
Quem orquestrou tão inumano crime?
A quem interessa afinal nossas vozes calar?

Tamanha revolta nenhum poema exprime!
Marielle, mulher corajosa, escolheu falar
De cabeça erguida contra o sistema que suprime
O direito de tantas outras Marielles e Andersons de viver, de sonhar

Marielle sempre presente! Sempre força e alegria
Marielle cuja alma se manteve doce e pura
Sem abandonar suas raízes de mulher negra da periferia
Ocupou seu espaço enfrentando da vida a batalha dura

Ousou sonhar com a revolução d’onde nascerá um novo dia
Mãos à obra – pedra por pedra, desejou construir um mundo sem amargura
Sabia que a verdadeira Revolução seria construída pelo povo, dia a dia
Do chão, pela mulher, pelo povo negro, indígena, pela troca de ideias sem censura

Na calada da noite, Marielle, eles acreditaram
Ter visto tantos planos e sonhos demolidos
Bandidos em luxuosos covis comemoraram
Ao ver milhões de corações partidos

Mas nosso luto, é verbo! Nossas mãos não se soltaram
Marielle tornou-se semente a germinar em campos floridos
Suas palavras, seus gestos, suas lembranças revoaram
A nos fortalecer nesta batalha da qual seremos vencedores, jamais vencidos

Nunca permitiremos que calem a tua-nossa voz!
Foste em vida um pouco de todas e de todos nós
E hoje em cada uma, em cada um, vive um pouco de ti
Marielle brilha, floresce, resiste! Gigante, eterna, Marielle, presente!

(14-03-2019)

Passaporte da Leitura – Um documento para documentar leituras e emoções

Há pequenos cuidados e carinhos inesperados que nos marcam com uma alegria intensa. Ano passado um amigo muito querido me surpreendeu com um presente muito fofo: Um “Passaporte da Leitura”. Trata-se da réplica de um passaporte normal, porém destinada a documentar todos os livros lidos no decorrer do ano. Este gesto foi capaz de me arrancar inúmeros sorrisos – não apenas porque eu realmente amo ler, mas também porque esse amigo me conhece tão bem que ao ver o passaporte, lembrou-se de mim. E foi tão especial o presente que eu decidi que iria me dedicar a fazer vídeos no Youtube para falar sobre ele e sobre cada um dos livros que lesse – minha intenção era fazer uma “volta ao mundo” anotando um livro de cada país no passaporte. Entretanto, nestes meses todos, não consegui me estruturar para criar vídeos – falta habilidade de edição, a câmera do celular não é a melhor do mundo e eu também sou um pouco tímida para gravar os vídeos – então, ao menos por algum tempo, o projeto de criar um vlog está suspenso, pois a ansiedade de começar a utilizar meu presente e ler livros de várias partes do mundo é bem maior que a vontade de gravar os vídeos – por outro lado, certamente será uma experiência enriquecedora ler e escrever resenhas de livros de todas as partes do mundo.

O primeiro livro será “Como água para chocolate”, livro mexicano indicado pelo  Carlos, o amigo doce e querido que me deu o passaporte. É um livro lindíssimo e já estou ansiosa para falar sobre ele, mas isso é assunto para outra postagem!

Abraços!

Design sem nome