Para começar bem o dia [BEDA 18]

Espetáculo com participação de 60 espécies de aves! No final, no auge da melodia (papageno-papagena/flauta mágica), a cantoria intensa em analogia sincronizada com a ópera de Mozart. Trabalho publicado no YouTube em set/2020, que levou meses de trabalho de uma equipe, que foi editado pelo compositor, produtor e escritor Volker Pannes, e resumido em apenas 3 min de vídeo! Vale a pena assistir!

Recebi o vídeo pelo WhatsApp e fiquei encantada!

Este post faz parte do BEDA (Blog Every Day August)

Um ilustre visitante – BEDA 09

Meu tio mora na zona rural de uma cidade inserida no cerrado brasileiro e sempre me envia fotos e vídeos dos animais que aparecem por lá.

Hoje vi uma reportagem dizendo que, se não mudarmos nossos padrões de produção e consumo imediatamente, será tarde demais para reverter o colapso do clima. Estamos caminhando pra uma extinção em massa e, acreditem: A COVID-19 foi apenas a primeira catastrofe e tem coisas piores pela frente!

Compartilho o vídeo deste belo porco espinho como um incentivo a mudanças! O mundo é muito bonito para ser destruído por uma espécie presunçosa, arrogante e porca . Vamos preservar nossa fauna, flora e recursos naturais!

Esse post faz parte do projeto BEDA (Blog wvery day august)

Só mais um dia – Mudança de hábitos

Acho que já comentei em alguma postagem sobre meus dias insanos. Não é fácil morar na periferia, depender de ônibus para ir até o trabalho em outra cidade e ainda estudar em uma terceira cidade. São muitas horas fora de casa, muito peso na mochila, muito sono e muito sedentarismo. Resultado: Cansaço, falta de ânimo e uns quilos além do desejado. Não é esse o “pacote” que sonhei para a minha vida. Nunca foi. Então, dia 31 de Outubro – Benditas sejam as Bruxas, sábias e protetoras da natureza – eu tomei uma decisão que jamais imaginei tomar: Estou pagando para ser torturada! Fiz matricula em uma academia. Agora, chego do curso por volta das 22:30h e ainda me exercito até meia noite antes de ir para casa e desabar na cama. Loucura? Sim, mas é o único jeito de sair do sedentarismo no meu atual momento. E como nenhuma decisão maluca vem sozinha, decidi parar com a coca cola. Hoje completo 39 dias sem a bebida que foi um vício por muito tempo (seriam 40, mas bebi meio copo no meu aniversário). Nunca imaginei que fosse tão difícil mudar esse hábito – A falta da coca cola tem me deixado com mais fome, instabilidade de humor e falta de concentração. Poucas vezes bebi outro refrigerante (acredito que duas ou três latinhas de Citrus que tinha em casa), e pretendo em 2020 não beber nenhum tipo de refrigerante. Cada vez mais tenho acreditado que devemos mudar radicalmente nossos hábitos de consumo – pode parecer clichê, mas o bom e velho descascar mais, desembalar menos parece ser afinal uma ótima saída para o meio ambiente e para a nossa saúde. Vou conseguir chegar ao ponto “lixo zero” da vida? Em 2020 não, e nem sei se algum dia, mas preciso fazer a minha parte por mim e pelo planeta, não é verdade? Até aqui os resultados estão sendo bons: Três quilos a menos sem dietas malucas, uma economia de aproximadamente R$90,00 com refrigerante nesse período e menos lixo gerado para o meio ambiente (Em casa eu utilizava as garrafas retornáveis, mas na rua sempre acontecia de beber uma pet 600ml ou latinha). E vocês? Quais hábitos mudaram nos últimos meses para melhorar a própria vida e ajudar o planeta? 

 

_____________________________________________________________

Gostou do texto? Não esquece de seguir a página Devaneios e Poesias lá no Facebook e o Instagran @poetisa_darlene

 

Sobre amor, natureza e dor.

Em meio ao verde, aos pássaros, sob esse maravilhoso céu, vivemos nós… Simples e pequenos seres. Não percebemos o quanto somos submetidos à natureza e tentamos desesperadamente vencê-la, prever-lhe os movimentos, as mudanças…
Mas é nela que encontramos o maior abrigo para nossa alma magoada e cansada de sofrer…
Às vezes tenho vontade de me deitar na terra e ser engolida por ela, de misturar aos poucos meus átomos aos dela até que meu corpo desapareça e minha alma torne-se livre para voar, ou então, passe a viver através do “Corpo” de uma árvore, que solitária no meio do campo observa tudo ao seu redor…
Às vezes tenho vontade de me misturar também às águas desse rio que corre e correr com elas conhecendo lugares diferentes, e um dia evaporar, subir até o céu, e depois desabar sobre a Terra, quero ser a água da chuva a molhar o teu corpo… Assim posso te tocar ao menos uma última vez, e quem sabe, em meio a esse ciclo infinito de evaporar e tornar-se água novamente, não conseguiria te esquecer, ou ao menos aplacar a dor em minha alma?
Tenho vontade de ser vento… Ser vento significa voar para a liberdade… Ser a brisa do mar a tocar seu rosto…
Ser fogo… Queimar meu coração em suas próprias chamas, até reduzi-lo a cinzas, e depois como uma Fênix, delas renascer… Não adiantaria muito, renasceria te amando do mesmo jeito… Mas a jornada seria interessante, pois ao queimar meu coração, talvez conseguisse purificar esse amor, deixando dele apenas as boas lembranças e queimando toda a dor… É, talvez a dor não renascesse comigo, talvez renascesse apenas o Amor”