MARINHA MARCA DATA PARA BOMBARDEAR ALCATRAZES

Hoje reposto um pequeno texto escrito pelo professor Maykon Rodrigues dos Santos e peço por favor: Assinem o abaixo assinado que deixei no final e divulguem muito!

A Ilha da Sapata, no Arquipélago de Alcatrazes, um dos pontos turísticos mais paradisíacos do Litoral Norte, já tem data para ser bombardeada: 16 e 17 de agosto deste ano. A informação faz parte do ofício nº 116/CASOP (Centro de Apoio a Sistemas Operativos) da Marinha do Brasil, e é assinada pelo Capitão de Mar e Guerra, comandante Renato Leite Fernandes.

A ação da Marinha é um completo descaso com a vida e deve ser cancelada!!!

Assine o manifesto contra essa insanidade clicando aqui

Este post faz parte do BEDA. Acompanhem também

Lunna Guedes Roseli PedrosoObdulio Mãe LiteraturaAle HelgaSuzana MartinsMariana Gouveia.

Os números do lixo e os 5R’s da sustentabilidade

Quem me acompanha aqui há um tempinho sabe que uma coisa que me incomoda imensamente é a quantidade de lixo gerada no dia a dia e os impactos que isso causa ao meio ambiente. Infelizmente a maior parte da poluição global vem da indústria – ou seja – de quem detém o dinheiro. E isso é um problema, pois os acionistas e diretores na maioria das vezes priorizam o lucro acima do meio ambiente. Na outra ponta da cadeia de consumo temos milhares de trabalhadoras e trabalhadores que acabam optando pela praticidade em detrimento da própria saúde e da preservação do meio ambiente, outras pessoas ainda são forçadas pelos preços altos a escolher produtos de qualidade inferior sem questionar se estas escolhas em longo prazo irão afetar a vida ou o planeta. É uma equação bem difícil de resolver e por isso mesmo é um assunto tão necessário. O comportamento da população certamente não consegue sanar todos os danos causados pela produção de lixo, mas em pequenas atitudes do dia a dia é possível mitigar os malefícios que a nossa presença causa no mundo, além de melhorar a nossa qualidade de vida e com sorte, conseguir economizar um pouco.

                Vamos falar de números?

                Embora muitas coisas sejam recicláveis, nem tudo é reciclado no Brasil. Cada habitante do país gera em média 379kg de resíduos sólidos por ano. Dessa quantidade, menos de 3% chega a ser reciclado – Em partes pela dificuldade de manuseio e baixo valor econômico do material, como por exemplo, isopor ou embalagens laminadas de biscoitos, em partes pelo baixo número de pessoas com acesso aos serviços de coleta seletiva (apenas 41,4% da população tem acesso a esse tipo de serviço – E infelizmente nem todas as pessoas que possuem acesso utilizam o serviço de maneira efetiva). Por essas e outras questões, é necessário concordar com a Bruna Tissu, do instituto Akatu: O melhor resíduo é aquele que não foi gerado!

                Em 2020 a Secretaria Nacional de Saneamento do Ministério de Desenvolvimento Regional apresentou a décima oitava edição do Diagnóstico de Manejo de Resíduos Sólidos Urbanos, elaborada com base nos dados do ano anterior, 2019. Na citada edição, 3792 municípios do país participaram da coleta de dados, o que representa 86,6% da população urbana brasileira.

                O documento destaca também a participação dos catadores na coleta seletiva em parceria com o poder público: Eles foram responsáveis por pouco mais de 36% do total de materiais recicláveis coletados e encaminhados em 2019.

                Em números gerais, o país recuperou o equivalente a 7,53 kg de resíduo por habitante no ano de 2019 – Ou seja: Cada habitante gera 379kg de lixo e dessa quantidade, nem 10kg chegam a ser recuperados. 75% do lixo gerado foram parar em aterros sanitários e 24,9% foram parar em outros aterros e lixões, considerados inadequados. O assustador desses dados é que eles levam em conta o material coletado – E basta olhar ao redor para perceber que há muito lixo indo para outros lugares, como o mar e os rios.

                É possível ver que apesar do disposto na Lei Federal 12.305/2010 (Política Nacional de Resíduos Sólidos) determinar que todo o material produzido por atividades domésticas e comerciais coletado deva ser encaminhado para reaproveitamento por reciclagem, reutilização compostagem ou geração de energia, destinando-se aos aterros sanitários apenas os resíduos que não possuam tecnologias viáveis de reaproveitamento, o problema está longe de ser resolvido por aqui.

Os 5Rs da sustentabilidade

                Os 5Rs são atitudes que sugerem mudanças de comportamento de consumidores e empresas em relação ao ato de consumir e descartar com responsabilidade. Quais são esses hábitos afinal: Repensar, reduzir, reaproveitar, reciclar e recusar. Vamos conhecer de perto?

                Repensar: Quando você vai comprar um produto, pense se realmente precisa, no resíduo que será gerado e na cadeia produtiva desde a extração de matéria-prima até o descarte (não deixe de considerar o consumo de energia, água, emissão de carbono, condições de trabalho na cadeia produtiva, formas de distribuição e etc.). Além de colaborar com o meio ambiente, repensar os hábitos de consumo ajuda bastante no orçamento no final do mês.

                Reduzir: Práticas simples do dia a dia ajudam a reduzir o consumo e evitar o desperdício. Muitas vezes podem parecer mais dispendiosas como, por exemplo, quando se compra um item mais caro, mas que terá uma vida útil bem maior, o que significa uma economia em longo prazo. Pilhas recarregáveis também significam um gasto imediato um pouco mais alto em relação às pilhas comuns, mas representam economia e sustentabilidade. Outros hábitos que reduzem o desperdício e o consumo são utilizar frente e verso do papel, realizar trocas de livros, roupas e objetos (podem ser trocas entre familiares, amigos ou em grupos na internet), dar preferência aos produtos a granel ou que possuam embalagens retornáveis, carregar sua própria garrafa, caneca e talheres na bolsa (evitando os descartáveis) são outras dicas úteis.

                Reaproveitar: Você pode dar uma nova utilidade a um item já usado, estendendo sua vida útil e evitando um novo processo de produção (sabe aquela piada? Morre uma camiseta, nasce um pano de chão? É sobre isso e mais um pouco). Potes de vidro podem se tornar porta-alimentos (e não, você não precisa de uma etiqueta adesiva sinalizando que ali tem macarrão ou arroz, dá pra enxergar perfeitamente), caixas de sapatos podem ser organizadores de objetos e tantas outras ideias. A imaginação é o limite.

                Reciclar: Reciclar requer um trabalho industrial, transformando o resíduo em novo produto. É uma opção que gera emprego e renda, custa mais barato do que a produção tradicional e diminui a exploração de recursos naturais. Sempre que decidir adquirir um novo produto, procure comprar produtos que possam ser reciclados, contribuindo para um processo de produção mais limpo. Além disso, cobre dos gestores de sua cidade a disponibilização de coleta seletiva.

                Recusar: Você pode e deve recusar a comprar produtos de empresas que não tenham compromisso com o meio ambiente, bem como pode e deve recusar canudos plásticos, descartáveis em geral, sacolinhas de supermercado, aquelas notinhas do cartão de crédito e outras coisas desnecessárias que geram impactos negativos.

Agora que vocês sabem um pouco mais sobre o lixo e sobre os cinco Rs, me contem: O que vocês já fazem para tornar o dia a dia mais sustentável?

COP26: O futuro do planeta em foco.

A 26ª Conferência das Nações Unidas sobre mudanças climáticas (COP26) começou dia 1º de Novembro sem a presença do presidente brasileiro – O que não é surpresa dado o descaso do atual governo com as questões ambientais. O país foi representado pelo atual ministro do Meio-Ambiente, Joaquim Leite.

             A COP26 tem como objetivo estabelecer ações para impedir que o aquecimento global atinja 1,5º até o final do século. A principal ação para evitar a catástrofe climática é reduzir a emissão de gases do efeito estufa  e para isso um passo fundamental é investir em energia limpa, abandonando o uso de combustíveis fósseis. Outro passo fundamental é impedir o desmatamento.

             Por mais ambiciosas que sejam as metas até agora traçadas, cientistas apontam que elas ainda são insuficientes e que é necessário trabalhar duro para impedir que a influência humana sobre o clima venha a causar ainda mais catástrofes do que já vem causando.

             É importante lembrar que infelizmente a COP26 é conduzida por lideranças políticas dos países participantes – ou seja: Pessoas que atrelam suas metas ao capital numa tentativa de agradar o mercado econômico e o meio ambiente ao mesmo tempo.  E aí entramos na problemática principal: Existe a possibilidade de salvar o planeta dentro de um sistema capitalista? Infelizmente, temo dizer que não.

             Embora a população possa e deva fazer a sua parte diária na redução da poluição, é de fundamental importância lembrar que a atividade industrial é a principal fonte de emissão de gases do efeito estufa – Seja pelo alto consumo de energia, seja pelos poluentes dispersados no meio ambiente durante a fabricação de produtos ou ainda pelo transporte de mercadorias e insumos que atravessam o planeta.

             Nesse sentido, é fundamental que as lideranças políticas presentes na COP26 comecem a pensar não apenas em substituir as formas de geração de energia, como também em desacelerar a produção e consumo exacerbados sem impactar na vida dos trabalhadores. Entretanto, isso desagradaria o mercado e sequer entrou em pauta.  

             Enquanto um punhado de pessoas – Em sua maioria homens brancos – decide os rumos do planeta, a população mais pobre paga a conta dos resultados de um sistema econômico e produtivo que prioriza o lucro de uns poucos acima da vida das pessoas. 

Dia Mundial da Água

Hoje é o Dia Mundial da Água – A data foi criada pela Organização das Nações Unidas em 1992 com a intenção de discutir sobre a importância da água para a nossa sobrevivência e a urgência de preservar esse recurso natural. No mesmo dia foi divulgada a Declaração Universal dos Direitos da Água, em dez artigos:

1- A água faz parte do patrimônio do planeta;

2 – A água é a seiva do nosso planeta;

3 – Os recursos naturais de transformação da água em água potável são lentos, frágeis e muito limitados;

4 – O equilíbrio e o futuro de nosso planeta dependem da preservação da água e de seus ciclos;

5 – A água não é somente herança de nossos predecessores; ela é, sobretudo, um empréstimo aos nossos sucessores;

6 – A água não é uma doação gratuita da natureza; ela tem um valor econômico: precisa-se saber que ela é, algumas vezes, rara e dispendiosa e que pode muito bem escassear em qualquer região do mundo;

7 – A água não deve ser desperdiçada, nem poluída, nem envenenada;

8 – A utilização da água implica respeito à lei;

9 – A gestão da água impõe um equilíbrio entre os imperativos de sua proteção e as necessidades de ordem econômica, sanitária e social;

10 – O planejamento da gestão da água deve levar em conta a solidariedade e o consenso em razão de sua distribuição desigual sobre a Terra.

            Infelizmente o planeta está próximo a viver uma crise hídrica. Até 2030 a demanda por água será 40% maior do que a água disponível para consumo e, muito embora a água seja um recurso renovável, a velocidade de consumo e o descarte sem tratamento estão sistematicamente dificultando e impedindo o ciclo natural de “auto-limpeza” das águas.

            A ausência e a ineficiência de políticas públicas para ampliar o tratamento de água e o acesso da população à uma rede de esgotos, somada ao crescimento desordenado das cidades, resultado também da inércia do Estado em garantir moradias à população, coloca o Brasil em uma situação vergonhosa: No ano de 2019  nosso país não garantia o acesso diário à água potável  nos lares de 18,4 milhões de brasileiros, bem como apenas 68,3% dos domicílios do país possuíam acesso à rede de esgoto. Esses preocupantes números demonstram uma catástrofe social e culminam em uma tragédia ambiental – a poluição dos rios brasileiros – Apesar do país deter em seu território 12% do volume da água doce de todo o planeta, isso não significa que essa água esteja em condições de consumo – Dos rios analisados pela Fundação SOS Mata Atlântica, apenas 6,5% tinham boa qualidade da água (dados de 2019).

            Não bastassem os problemas gerados pela poluição oriunda dos esgotos domésticos, há ainda a questão da agroindústria, responsável por 70% do consumo de água do mundo e, ao mesmo tempo pela contaminação de rios e lençóis freáticos com pesticidas. No Brasil, somente em 2020, foram liberados 493 tipos de agrotóxicos, alguns inclusive banidos da União Européia. Esses agrotóxicos contaminam rios e chegam à nossa mesa nos vegetais, nos peixes, carnes e na água que consumimos. Diante desse quadro, torna-se urgente repensar a agroindústria, investir no plantio de orgânicos e na agricultura familiar como forma de estacionar e reverter os danos ambientais causados.

            A questão da pecuária descortina outro absurdo: Um terço da água consumida no planeta destina-se direta ou indiretamente ao mercado de criação de animais de corte. Esse número é composto pela água utilizada na produção dos grãos que alimentam esses animais (No Brasil, 78% da produção de grãos se destinam a alimentar o gado) e pela água necessária para o consumo dos animais. Se pararmos para pensar e somar a isso a água utilizada na higienização de frigoríficos e matadouros, na poluição causada pelo transporte dessa carne e nas toneladas de plástico utilizadas para embalagem, perceberemos que consumir animais mortos é um crime ambiental. É urgente reduzir drasticamente o consumo de carnes como forma de cuidar da água e do planeta. O vegetarianismo é saudável e possível.

            A segunda indústria mais poluente do mundo é a indústria da moda – Só a indústria têxtil consome anualmente 93 trilhões de litros de água! Uma camiseta consome 2kg de combustíveis fósseis e 3 mil litros de água só para fabricação (não levando em conta os impactos da lavar, passar e descartar a peça). Uma calça jeans demanda em sua fabricação 10 mil litros de água e um par de sapatos 8 mil litros de água.

            Outra indústria que consome muita água é a indústria de descartáveis – Sabe aquele copinho descartável? Mesmo que você tente aliviar a consciência encaminhando para a reciclagem, isso não é o suficiente. Para produzir um copo descartável usa-se em média 3 litros de água. Melhor carregar um copo reutilizável e lavar sempre – Uma boa lavagem utiliza menos de meio litro de água. O mesmo vale para outros objetos: reconsidere sua “necessidade” de comprar objetos plásticos – Dá pra reaproveitar muitos potes e embalagens!

            A mineração e o garimpo são vilões que despejam no meio ambiente um grande volume de óleo, graxa e metais pesados. A poluição oriunda dessas atividades vem aniquilando a flora e a fauna, além de contaminar populações ribeirinhas inteiras no norte do Brasil. E, muito embora a mineração seja indiscutivelmente necessária, é importante repensar o consumo e reduzir ao máximo essa necessidade de extrair metais. Afinal, você não precisa de um celular novo anualmente ou de uma jóia de ouro. Mas certamente precisa de água.

            Como ajudar o planeta?

            Quem leu o texto com atenção já percebeu: O primeiro passo é repensar o consumo. Diminuir a necessidade de ter coisas novas, diminuir ou zerar o consumo de carnes, carregar seus próprios copos, garrafinhas, pratos e copos, priorizar o consumo de alimentos frescos preferencialmente comprados de produtores locais e fugir de ultraprocessados. Tudo isso ajuda e muito. Nesse link tem outras dicas bacanas de economia de água que podem parecer assustadoras no início, mas que podem ser colocadas em prática.

            A segunda forma de ajudar o planeta é também muito importante: Votar certo. Pesquisem exaustivamente o posicionamento dos candidatos acerca das questões ambientais. A questão da poluição é intimamente ligada à ausência de políticas públicas para garantir a destinação correta do lixo e do esgoto e à inércia dos em punir infratores ambientais. E quem cuida dessas políticas públicas? O governo (leia-se executivo e legislativo). Quem libera terras para garimpo e extração de minérios, impõe regras para construção de barragens e decide quais agrotóxicos serão liberados no país? Governo. Quando estiverem pesquisando seus candidatos e candidatas em 2022, atentem-se.

Abaixo alguns links interessantes sobre o tema

Origem do dia da água

Números sobre a distribuição de água no Brasil

Qualidade dos rios Brasileiros

Agrotóxicos no prato

Água e pecuária

Quatro bilhões de pessoas enfrentam escassez de água

Indústria têxtil e água

Descartável não é a melhor opção

O jacaré, a vacina e a meritocracia

Recentemente fui surpreendida com uma fala do presidente insinuando que quem tomasse a vacina para COVID-19 poderia se transformar em jacaré. Bem, não sei o motivo da surpresa – Em meio a uma pandemia que já ceifou a vida de quase 200 mil brasileiros (sem contar as não notificadas) foram tantas falas sem pé nem cabeça que a história do jacaré poderia ser apenas mais uma. O problema é que esse tipo de coisa se alastra e infelizmente tem quem acredite – Estou em alguns “grupões” de whatsApp onde há uma intensa troca de informações nada confiáveis (como por exemplo o “grupão” do bairro e outros) e fiquei surpresa sobre a quantidade de conteúdo que tenho recebido sobre os perigos de se tomar vacina – Desde pessoas dizendo que causa autismo (fake news velha), até dizendo que altera o DNA ou pode transformar alguém em jacaré. Tudo isso com artes coloridas e chamativas que emprestam um ar de respeitabilidade pela fonte – E fazem as pessoas se esquecerem de que sequer há uma fonte citada. Então decidi que neste domingo, em vez de falar sobre todos os acontecimentos da semana que passou (ou das semanas já que há tempos não escrevia este tipo de texto), vou falar um pouco sobre coisas que realmente causam danos e a maioria da população consome sem questionar:

Agrotóxicos. Vocês sabiam que há agrotóxicos que causam aborto nas mulheres que moram próximas aos campos onde são aplicados? Sabiam que há estudos ligando a incidência de câncer ao consumo de alimentos com agrotóxicos? E que seus compostos tóxicos destroem lençóis freáticos, contaminando a água que iremos beber? Pois é. E sabiam que o governo Bolsonaro liberou o registro de mais de duzentos tipos de agrotóxicos, muitos deles proibidos em outros lugares do mundo? Pois é. Em vez de reclamar da vacina que irá salvar vidas, que tal pesquisar sobre isso e protestar contra essas liberações?

Metais pesados. Outro dia uma reportagem veiculada no Jornal Nacional mostrou um estudo feito em uma aldeia indígena no Pará. Muitos indígenas apresentavam uma quantidade excessiva de metais pesados no corpo. Assim como o rio e os peixes que chegam ao consumo da população. Esses metais são decorrentes da mineração, principalmente da extração do ouro. E eles vão chegar até a sua mesa – mais cedo ou mais tarde – envenenando o seu corpo e causando inúmeros problemas de saúde. Então, já que a indignação pelo descaso com a população é tão grande, pesquise e questione sobre isso também. Uma dica: Advinha quem é super favorável a liberar geral a mineração? Ele mesmo, Bolsonaro.  

Microplástico. Sabia que no Brasil apenas 3% do lixo produzido chega a ser reciclado? Sabia que animais marinhos morrem por ingestão de plásticos ou acidentes relacionados ao lixo? Pois é. E recentemente cientistas encontraram microplástico em uma placenta humana – tudo indica que aquele aglomerado de celular que irá formar um bebê está sendo formado por células e… Plástico! Por outro lado, a Alemanha anunciou que a partir de 2021 estão proibidos os plásticos descartáveis no país. Então, se você realmente se importa com a vida, usa o tempo desperdiçado retransmitindo fake news sem sentido para pesquisar sobre os danos causados pela poluição e diminuir seu consumo de plásticos, optando por produtos naturais, utilizando sacolas de pano para as compras e separando o lixo para a reciclagem. Vai ser mais útil pra você e pro planeta.

Agora, como eu sou uma pessoa legal e estou de bom humor, vou deixar uma dica para você que realmente acredita que a vacina irá transformar pessoas em jacarés mutantes: Jacarés possuem muitos dentes – Como os jacarés advindos da vacina serão meio humanos, ainda permanecerá o hábito de utilizar fio dental e pasta de dente, fazendo o consumo destes itens subir vertiginosamente. Então, você que acredita mesmo nesta fala absurda do SEU presidente, pegue o SEU dinheiro e compre fio dental em  grande quantidade– Quem sabe você se ocupa vendendo para os híbridos humanos jacarés recém vacinados? Afinal, se você não ficar rico fazendo isso é uma questão de meritocracia, você apenas não se esforçou adequadamente – Os jacarés estavam logo ali, você não viu não? É só procurar e se esforçar bastante que vai dar certo. Confie, afinal, se o mito falou e caiu na internet, deve ser verdade.

A partida de várzea, a Idade Média e o Ministério da Eliminação do Meio Ambiente. Parágrafos de um país em decadência.

Dentro da lógica bolsonarista pode-se comparar o Brasil a uma bola durante a partida de futebol no campinho de várzea – O presidente seria então o equivalente ao menino mimado dono da bola que ao ver o time adversário fazer gol pega a bola, coloca debaixo do braço e volta pra casa com cara emburrada. Isso aconteceu essa semana por ocasião da compra da Coronavac, a vacina desenvolvida pela China que seria fabricada aqui no Instituto Butatã: O Ministro da Saúde, Pazuello sinalizou interesse na compra da vacina Chinesa, o que ocasionou um momento de garoto mimado no presidente que fez questão de demarcar território deixando claro que quem manda é ele, atitude que deixa claro uma postura que inviabilizaria qualquer trabalho em equipe, caso o presidente tivesse sido suficientemente inteligente para nomear uma equipe com competência e compromisso com o país.

            Enquanto isso, o STF deverá decidir se a vacina contra a COVID será ou não obrigatória – Assunto que divide opiniões antes mesmo da disponibilização da vacina. Os argumentos rasos dos antivacinas ganham espaço muito rápido com o advento moderno das redes sociais, mas não passam de argumentos do século XIX repaginados. Como eu disse em um texto no início deste ano, o Brasil está fazendo a Terra girar ao contrário e, se não tomarmos cuidado, logo acordaremos na Idade Média. Vacina é um pacto social de proteção mútua: Quanto mais pessoas imunizadas, menor o risco do vírus chegar aos grupos que não podem receber imunização (pessoas alérgicas ou bebês que ainda não atingiram a idade ideal para receber a vacina, por exemplo), portanto não há justificativa válida para recusar a vacina da COVID ou qualquer outra vacina disponibilizada pela rede pública de saúde.

            Outra situação inusitada – O Ministro Ricardo Salles recebeu a Grã Cruz da Ordem de Rio Branco, o mais alto grau de honraria concedido pelo Ministério das Relações Exteriores. A condecoração foi dada por Serviços Meritórios – Ou seja, no Brasil, um Ministro do Meio Ambiente inerte, que “passa a boiada” e permite uma série de degradações, segundo o presidente, presta serviços meritórios ao país. Talvez seja tempo de mudar o nome do ministério para Ministério da Eliminação do Meio Ambiente.

            No exterior, as notícias são preocupantes: Uma segunda onda da COVID varre a Europa com mais velocidade que a primeira, colocando o velho continente novamente em alerta. Nos Estados Unidos, o período eleitoral avança e uma astronauta votou do espaço através de uma cédula virtual.

            No Chile um plebiscito ocorrido hoje irá decidir se a Constituição, herança do período ditatorial, será reformulada. Ainda na América do Sul, essa semana a Bolívia reagiu ao golpe sofrido por Evo Morales ano passado e elegeu o candidato indicado pelo partido do ex-presidente – Uma notícia boa para essa semana complicada.

            Outra notícia boa: O Papa, pela primeira vez, se pronunciou favoravelmente a união civil de pessoas do mesmo sexo. Muito embora religião e Estado sejam coisas diferentes e em um mundo ideal a primeira seria relegada a um papel de conforto individual e o segundo buscaria o bem comum da sociedade sem interferências religiosas, sabemos que ainda há uma tendência muito grande em basear a sociedade e suas leis nos valores religiosos, portanto, qualquer manifestação de um líder como o Papa em favor de direitos e garantias civis é um marco a ser comemorado – Mas sem o exagero que vimos nas redes esta semana!

            Por falar em comemorações, vocês se deram conta de que os panetones natalinos estão chegando às prateleiras dos supermercados? Pois é! Faltam exatamente dois meses para o Natal e o capitalismo já começa a colocar as garrinhas de fora e vender seus ideais de que um Natal só será Natal para quem puder consumir – Que tal modificar esse padrão e fazer a economia circular na sua comunidade, comprando guloseimas natalinas e presentes de artesãos e artesãs? Consumo consciente também é um modo de atuar politicamente e melhorar a economia do país, mas isso é assunto para outro texto.

Defender o meio ambiente do ministro do meio ambiente? Isso é Brasil!

País estranho esse onde o mesmo homem que debocha da necessidade de proteger nossas florestas é aplaudido por assinar uma lei que aumenta a pena para maus-tratos de animais (leia-se: cães e gatos).  Pois é. Mas e quanto ao desejo de breve restabelecimento escrito para o presidente dos Estados Unidos? Um verdadeiro grito de deboche direcionado aos 145 mil brasileiros que perderam a vida nesta pandemia. Afinal, é só uma gripezinha, toma cloroquina que passa – E se não passar, deixa a tubaína que a gente bebe na comemoração: Seria um maluco a menos em posição de poder, vencido pelo vírus que ele mesmo desdenhou.

            Ainda sobre meio ambiente e as agressões que vem sofrendo, chegamos a um momento histórico tão bizarro que o judiciário é obrigado a defender o meio ambiente adivinhem de quem? Isso mesmo! Do ministro do meio ambiente! Ainda bem que por hora derrubaram a decisão do ministro que havia retirado a proteção dos nossos mananciais e restingas. Não é um elogio ao judiciário – Nada mais estão fazendo do que sua obrigação de fazer cumprir a lei e a constituição desse país continental e desgovernado. Por falar em desgoverno, Carol Solberg, uma jogadora de vôlei que gritou “Fora Bolsonaro” está sofrendo intimidação e denuncia no Superior Tribunal de Justiça Desportiva – Mais um passo angustiante em direção à censura de opiniões. Aliás, o fantasma do cerceamento de opinião rondou o prefeiturável Guilherme Boulos e o influenciador digital Felipe Neto apenas pelas opiniões e participações nos atos Antifascistas. Ora, um governo que busca inibir atos antifascistas é o que mesmo? Pois é. Fascista. Um fascismo à brasileira, meio capenga, que só enxerga uma invisível “ameaça comunista” em qualquer pessoa que tenha bom senso – De cientistas a padres, todos são motivos de ódio e alvos de opressão para esse desgoverno. E eu quase ia esquecendo de contar que uma banda de rock não pode nem fazer uma música questionando sobre os cheques do Queiroz pra primeira dama sem ser ameaçada de processo.  Boa sorte e muita força para nós nesta próxima semana que está começando hoje – Vamos precisar. E não esqueçam como dizia o velho ditado: Cala a boca já morreu quem manda na minha boa sou eu. O Brasil ainda é um país livre, então vamos aproveitar essa liberdade e mostrar os defeitos desse sistema e desse desgoverno genocida, esse ano tem eleições municipais e precisamos urgentemente mostrar nas urnas que não concordamos com as atuais políticas – Como? Votando apenas em quem não apoiou em nenhum momento a eleição do fascista e o golpe que levou o Conde Drácutemer ao poder.

O caos da semana

Hoje sonda tripulada Crew Dragon retornou ao nosso planeta. Infelizmente, os dois tripulantes não irão encontrar um mundo melhor do que deixaram ao partir há dois meses. O planeta está, literalmente, pegando fogo: Ano passado a Amazônia brasileira sofreu com desmatamentos e queimadas, chegando inclusive a produzir uma nuvem de fumaça que alcançou a cidade de São Paulo. Este ano, os incêndios aumentaram 28% em relação ao mês de Julho/2019, sendo 77% destes incêndios em terras indígenas, colocando os povos originários em uma situação ainda mais perigosa. E por falar em fogo, há incêndios na Itália e também nos Estados Unidos, onde aproximadamente 8 mil pessoas precisaram deixar suas casas devido ao fogo que atinge parte da Califórnia. Aquecimento global, degradação ambiental e tragédias caminham lado a lado, mas aparentemente, os mais ricos, que efetivamente detém o controle econômico e político do mundo, não estão prontos para essa conversa. Por falar em poder político e econômico, uma reportagem veiculada no portal G1 pontuou que atualmente há 40 milhões de pessoas abaixo da linha da pobreza nos Estados Unidos da América – Ironicamente o país que “mete o nariz” onde não é chamado, não consegue ou não quer resolver suas próprias mazelas e acumula números vergonhosos como maior mortalidade infantil do mundo desenvolvido, expectativa de vida menor e menos saudável em relação a outros países ricos e uma grande taxa de encarceramento. Espero que o povo de lá consiga dar início em mudanças necessárias nas eleições deles em Novembro deste ano, não é? Eleições para as quais a nossa familícia presidencial recebeu um sutil cartão de “não se metam” através de uma postagem na qual Elitot Engel, da Comissão de Relações Exteriores da Câmara dos Estados Unidos da América diz que os Bolsonaros devem ficar longe das eleições americanas. Enquanto tudo isso acontece, a COVID-19 segue fazendo vítimas e nosso Brasil atinge o segundo lugar mundial no número de mortos – Temos mais mortos que países populosos e pobres como a Índia, por exemplo. E ainda assim o país segue enviando seu povo ao matadouro, reabrindo comércios e discutindo o retorno às aulas presenciais. Pratica-se um genocídio para impedir a “morte de CNPJ”, porém alguém precisa avisar que CPF morto não produz riqueza econômica, pois não consome – Aliás, a única coisa que cresce por aqui é o lucro dos fabricantes de caixões e das funerárias, então, se você costuma investir na Bolsa de Valores, segue a dica. Por falar em investimento, o Brasil precisa urgentemente investir em uma justiça mais célere, afinal, o soldado da FAB, Manoel S. Rodrigues, preso há um ano e um mês na Espanha, após carregar 39kgs de cocaína num avião da FAB rumo ao G20, segue recebendo os depósitos de seus salários, pois não houve pedido de bloqueio – Um verdadeiro descaso com o orçamento público. E a última notícia de hoje é justamente sobre… Dinheiro: Foi anunciada a criação de uma nota de duzentos reais que passará a circular no final de Agosto e terá como estampa um lobo guará (Ainda bem que não homenagearam os eleitores do atual presidente, pois se o tivessem feito, teríamos gado estampado nas cédulas). A notícia preocupou algumas pessoas que, em suas redes sociais, demonstraram preocupação com a dificuldade que será trocar estas notas no comércio, uma vez que as notas de cem reais já causam transtornos com falta de troco – Considerando os preços absurdos dos alimentos (muito embora o Banco Central insista em dizer que não há inflação) e os caminhos questionáveis que o país vem seguindo, arrisco dizer que qualquer ida rápida ao supermercado mais próximo resolverá esta questão: A tal nota de duzentos ficará por lá, sem direito a troco e possivelmente será um valor insuficiente para suprir as necessidades mais básicas – Mas, depois de todas essas notícias azedas sobre o mundo, o importante é ressaltar que, segundo os conservadores, o maior problema da semana foi o fato de certa marca de cosméticos ter escolhido o Thammy Miranda para estrelar sua campanha de dia dos pais – Alegam que Thammy não é pai por não ter um pênis – Como se isso fosse a única coisa que define um ser humano como homem. Ao invés de se preocupar com a ausência de um pênis, que em nada altera a capacidade de exercer a paternidade, acredito que deveriam se preocupar com ausências que efetivamente afetam o país: Questionem a falta de cérebro dos negacionistas, a falta de caráter das classes dominantes e a falta de humanidade dos que insistem em colocar o lucro acima da vida das pessoas.

BEDA: Blog Every Day August – Também participam

Lunna GuedesViviane AlmeidaAdriana AneliClaudia Chris FerreiraDrica MoreiraMariana Gouveia – Obduliono

Carta do Papai Noel

“ Boa noite queridos, queridas e querides! Como vocês estão? Aposto que surpresos por encontrar esta cartinha nas meias que deixaram penduradas na janela, ou na árvore de Natal ou em qualquer outra parte onde esperem receber correspondências ou presentes. Tentarei ser breve em minhas palavras e ideias – Afinal, por aqui as coisas estão caminhando em grande velocidade com a aproximação da “Noite Feliz”. Não sei se vocês lembram, mas eu moro em um lugar repleto de neve, lembram? Pois é, estou muito preocupado, pois nos últimos anos a neve está desaparecendo… Isso me fez observar com muita atenção a sociedade na qual vocês vivem ( A internet chegou por aqui já tem um tempinho, sabiam?) e sabe o que eu percebi? Vocês estão se comportando muito mal! E o comportamento de vocês está poluindo, estragando e aquecendo muito o planeta – As renas mal agüentam sobrevoar a cidade tamanha quantidade de fumaça pelo ar! E os peixes? Eles estão morrendo por comer… Lixo! Diante de tudo isso, quero conversar com vocês sobre essa época de Natal e algumas tradições que vocês poderiam modificar um pouco para garantir que seus filhos, netos e bisnetos tenham a chance de viver natais em um planeta saudável, pode ser?

A primeira tradição que muito me intriga é a das árvores de Natal: Vocês estão usando árvores de plástico? É isso mesmo? Acham bonito poluir durante a produção e transporte do material e, em janeiro jogar tudo fora? Vamos combinar uma coisa? Pinheiro de Natal só se você puder plantar um no seu jardim/quintal. Se não tem esse espaço, tem duas opções: Uma é reunir a criançada e confeccionar sua própria árvore com sucata, usem a imaginação e passem um tempo juntos! O mesmo vale para os enfeites de Natal – Faça os seus. Se já comprou em natais anteriores e mantém guardado, use até não poder mais, guarde sempre e repasse pras próximas gerações. Ah! E quando for fazer alguma árvore ou enfeite, NÃO USE GLITTER! Glitter é lindo, mas é basicamente microplástico! Poluente pra caramba!  A outra opção é: Use um vaso que caiba na sua casa com uma planta bem bonita e viva! Imagina: Um cactus de Natal, uma violeta de Natal, qualquer plantinha viva e bem cuidada já vale! Depois da árvore, acho que vocês imaginam o próximo item né? Isso mesmo, os aguardados presentes! Sério, parem de me pedir um monte de tranqueiras que irão quebrar e parar no lixo durante os primeiros meses de uso! Procurem opções entre produtoras locais – Tem tanta gente se virando pra garantir um jantarzinho melhor pra família, fazendo panetone, doces, artesanato, cosméticos… Compre dessas pessoas e as incentive a usar embalagens simples, com pouco ou nenhum plástico! Você pode comprar utensílios que deixem a vida das pessoas mais fácil e sustentável: Existem kits para levar na bolsa e evitar o uso de copos/plásticos e talheres descartáveis, existem sapatos feitos com lona e pneu reciclado, pras crianças tem opções como bonecas de pano, jogos de fantoche feitos de pano também, brinquedos artesanais feitos de madeira sustentável. Aproveitem os presentes diferentes e conversem sobre a motivação deles: Conservar o planeta! Presente lembra o que? Embalagem! Aqueles sacos de plástico enormes e coloridos que vão pra onde? Pro lixo! Não! Opte por não embrulhar ou use a imaginação e embrulhe em algo útil: Dá pra embrulhar presentes em panos de prato presos com uma fita ou alfinete, em uma fronha, em jornais ou páginas de revistas ou pode colocar em uma sacola dessas reforçadas ótimas para ir ao mercado sem pegar saquinhos plásticos. Ah! E se você receber presentes embrulhados abra com cuidado e depois use o plástico para embrulhar livros, cadernos, forrar prateleiras ou gavetas. O cartãozinho de Natal também pode ser dispensado ou substituído por um papel mais simples, sem gliter e tinta em excesso, afinal, vale a sinceridade do que você escreveu nele, certo?

Agora que falamos das árvores, presentes e cartões é hora de falarmos da ceia! Não exagere na comida! A produção de alimentos polui. O transporte do campo para a cidade polui e você gasta muito dinheiro para jogar tudo no… Lixo? Não! Planeje um cardápio adequado: Se você mora no hemisfério norte, comidas pesadas, adequadas ao frio. No hemisfério sul, onde o Natal acontece no verão, invista em alimentos e frutas leves e coloridos. Prepare o máximo de coisas em casa ou compre de produtores locais – Panetones, biscoitos e tortas podem ser comprados na sua própria vizinhança, não precisa ir no freezer do mercado comprar coisas industrializadas! Tão logo termine o jantar, transfira tudo para recipientes adequados, congele em pequenas porções os pratos que puderem ser congelados (Inclusive isso vai facilitar a sua vida em dias mais corridos): Arroz à grega, peru, tender, pernil (Eu sou vegetariano, mas sei que você pode não ser), tortas salgadas e alguns doces são alimentos que podem ser congelados (hey, não é pra congelar em potes descartáveis! Tem que poder reutilizar várias vezes). O que não puder ser congelado deve ser acondicionado adequadamente para consumo no almoço do dia seguinte. As bebidas também requerem atenção: Prefira água filtrada gelada servida em jarras, sucos naturais e chás gelados. Se fizer questão de refrigerante, use os que possuem garrafas retornáveis e não se esqueçam de jogar as tampinhas no lixo reciclável e tirar aquele anelzinho do gargalo, abrindo-o em dois antes de encaminhar para a coleta seletiva. Ainda sobre o jantar: Estou sem palavras ao observar pessoas comprando pratos, copos e talheres descartáveis para a ceia! Até taça descartável! Não é possível que de repente todo mundo desaprendeu a lavar louça! Combinem uma organização onde cada pessoa lava a própria louça. Quem tem criança e prefere não arriscar copo de vidro,leve copo adequado para uso que possa ser lavado. A natureza agradece!

No mais, é isso: Aproveitem o Natal, pensem nessas dicas e comecem a aplicá-las no dia a dia de vocês e anotem outras: Reciclem o lixo, descasquem mais e desembalem menos, usem produtos cosméticos naturais, analisem sua casa e seus hábitos constantemente, sempre é possível mudar alguma coisa para criar um mundo sustentável! Inclusive essa cartinha parece de papel mas não é. Ela é fruto da magia de Natal e irá se destruir em poucos minutos após a leitura, então espero que tenha lido com atenção e guardado as informações!

Abraços e luz! Dia 24 estarei nas suas casas observando se meus conselhos serão cumpridos!

Com carinho

Papai Noel”