Amor expresso – Adriana Aneli

Amor expresso é um livro saboroso como um bom café expresso moído na hora, servido quente, forte e sem açúcar – Só quem ama café sabe como é gostoso sorver uma xícara da bebida.

A obra, escrita por Adriana Aneli, publicada pela editora Scenarium e ilustrada por Cristina Arruda chega a sua décima primeira edição e presenteia o leitor com micro-contos repletos de amor e café!

Como sempre, a Scenarium capricha na confecção do livro totalmente artesanal, uma verdadeira obra de arte capaz de encantar os olhos. O tipo de livro perfeito para presentear alguém especial.

Dica literária: Cartas de amor de Paris [BEDA 03]

Você já leu uma história de amor super clichê, que envolve o reencontro de um casal depois de uma vida toda? Cartas de amor de Paris poderia ser um romance clichê água com açúcar, não fosse por um detalhe: Não é uma narrativa ficcional e sim o relato da história vivida por Samantha Vérant.

            Em 1989 em uma viagem pela Europa, Samantha conhece o homem dos seus sonhos, Jean-Luc. O romance de apenas um dia termina quando ela parte para o próximo destino do itinerário, despedindo-se dele em uma plataforma de trem. Apesar de estar apaixonada por Jean, Samantha ignora todas as cartas de amor que o rapaz insiste em enviar desaparecendo da vida dele.

            Vinte anos depois, dividindo a cama com o cachorro e prestes a se divorciar, Samantha se questiona: Onde tudo começou a dar errado?

            A narrativa é leve, fluída e divertida – Especialmente se levarmos em consideração o número de coisas pornográficas que podem ser pedidas por engano em francês quando tudo o que se quer é pedir um canudo ou dizer que está aguardando o mês de Julho. Enquanto Samantha nos conta o reencontro com o amor, descortina-se nas entrelinhas a importância das verdadeiras amizades, do apoio familiar e da coragem para enfrentar novos desafios quando tudo parece determinado ao fracasso.

            E você? Responderia uma carta de amor com vinte anos de atraso?


Este post faz parte do BEDA (Blog Every Day April). Visite também:

Adriana AneliAle Helga Claudia Leonardi Lunna Guedes Mariana GouveiaObdulioRoseli Pedroso

Dica literária: Equação Infinda. [BEDA 2]

Três mulheres, três diferentes momentos históricos: 1931, 1958 e 1983. Em comum, os sonhos da juventude e a realidade imposta como uma prisão pela família e pela sociedade. Não é fácil ser mulher. Ser mulher e ser livre é ainda mais difícil, mas o que fazer se a alma feminina é um oceano inteiro?  Navegar. Esse é o convite que Roseli Pedroso nos entrega em Equação Infinda: Navegar pelas águas de Carminha, Lígia e Verônica.  Vidas contadas em quatro capítulos nomeados pelas estações do ano. Relatos de esperança, sofrimento e sede de liberdade – água historicamente negada às mulheres.

O livro é curtinho e pode ser lido de um só fôlego. Os ecos das vozes dessas mulheres ficam na memória por tempo indeterminado.

Para além do prazer de ler, há o prazer de tocar o livro, sentir a texturas das páginas firmes entre os dedos, tocar a fita utilizada na costura artesanal das páginas. Apreciar o objeto livro com o tato, com os olhos e com o olfato antes de abrir e iniciar a leitura é um tira gosto que antecede a leitura, prepara a alma e proporciona um enorme prazer.

Lembrando que a editora Scenarium está com inscrições abertas para o Clube do Livro!

_________

Este post faz parte do BEDA (Blog Every Day August). Participam também:

Adriana Aneli Ale Helga- Claudia Lunna Mariana GouveiaObdulioRoseli

Dica literária: Alice, uma voz nas pedras (Lunna Guedes)

            Como falar sobre Alice sem sentir um nó no fundo da alma? Alice poderia ser qualquer menina-mulher revivendo seus lugares, seus sonhos desfeitos, seus traumas e esperanças perdidas. Criada com recato acreditou no “(…) e foram felizes para sempre”, no príncipe encantado, fez tudo certo: Casou pura, submissa, doméstica. Infelizmente para ela e para tantas outras mulheres, a violência se esconde atrás de rostos bondosos e sorriso e até mesmo nos pedidos de desculpas após um momento de descontrole – Um penoso processo de desconstrução da auto-estima e da personalidade nem sempre percebido pela vítima, que vai se afundando – Afinal, de tanto ouvir que não sabe fazer nada direito, ela acredita. Acredita que é sorte ter um homem ao lado. O mais dolorido é perceber que todo esse processo muitas vezes começa na infância, na relação com o pai e vai se estendendo ao namoro, ao casamento. E vai se tornando normal quando os sorrisos começam a faltar, substituídos por explosões de raiva, socos na mesa, humilhação e agressões, acompanhadas de isolamento e muitas vezes, impossibilidade de contar com a família para sair da situação de perigo. Essa é Alice – Uma mulher que existe nas assustadoras estatísticas de brasileiras, poderia ser você,  ou sua amiga ou uma mulher da sua família. Quem sabe?  O que chama a atenção em Alice é acima de tudo a escrita da autora Lunna Guedes, que nos leva a um longo passeio por dentro da alma partida da personagem e, ao mesmo tempo, por recantos da cidade de Teodoro e pelas vidas de outras personagens que, ao final se entrelaçam na trama. Apesar do tema denso, Lunna Guedes consegue utilizar-se das palavras com a etérea leveza de uma prosa poética – E provavelmente seja esse o motivo de tantas vezes ser necessário parar a leitura e beber água para desfazer o nó na garganta, a vontade de amparar e dizer que vai ficar tudo bem enquanto a personagem nos conduz ao longo de sua história até culminar em um final surpreendente.

Blogagem coletiva #1: O ano que passou e os livros que ficarão na memória

O ano de 2020 se encarregou de sacudir os rumos do mundo, abalar sonhos, derrubar estruturas e tornar a vida mais difícil. Por aqui livros, escrita e culinária mantiveram algo de familiar nos dias de rotinas alteradas e medo. Durante o ano que se passou foram ao todo trinta livros lidos, sendo dezesseis nacionais. Esse número não conta os livros didáticos que sempre me acompanham como uma distração e uma forma de me manter preparada para concursos. Também participei de duas antologias (Amores Virtuais, Perigo Real e Quimeras de Natal: Sonhos no Gelo, ambas da Editora Quimera) e um livro coletivo – Feliz Ano Velho, da Editora Scenarium que foi lançado apenas em dois mil e vinte e um com uma tiragem limitada.

            A maioria dos títulos lidos ano passado foram escolhidos através de sorteio, o que em alguns momentos me tirou da zona de conforto literária. Relembrando os títulos:

  1. Office Boy em Apuros – Bosco Brasil.
  2. Um tempo para você – Linda Roberts
  3. Memorial de Aires – Machado de Assis
  4. Clara dos Anjos – Lima Barreto
  5. Não leve a vida tão a sério – Hugh Prather
  6. Bagagem – Adélia Prado
  7. O chamado de Cthulhu e outtos contos – H.P Lovecraft
  8. Ópera do Malandro – Chico Buarque
  9. O pássaro pintado – Jerzy Kosinski
  10. Marília de Dirceu e Cartas Chilenas – Tomás Antonio Gonzaga
  11. Histórias Fantásticas – Vários autores
  12. Cyrano de Bergerac – Edmond Rostand
  13. Dom Casmurro – Machado de Assis
  14. Noites  na Taverna – Álvares de Azevedo
  15. A  montanha e o Rio – Da Chen
  16. Antologia poética – Augusto dos Anjos
  17. Tire proveito dos seus impulsos – Pauline Wallin
  18. Felicidade – Gabriel Chalita
  19. Contos Reunidos; Brás, Bexiga e Barra Funda; Laranja da China e Outros Contos – Antonio Alcântara Machado
  20. Meus primeiros sonetos clássicos – Organização Alexandre Carvalho e Silvia J. Estevam
  21. Tia Julia e o escrevinhador – Mario Vargas Llosa
  22.  O Guarani – José de Alencar
  23.  Flores na Chuva e outros contos – Rosamond Pilcher
  24. Hilda Furacão – Roberto Drummond
  25. Fogo Morto – José Lins do Rego
  26.  Corredores – Codinome Loucura – Marianna Gouveia
  27. Amores Virtuais, Perigo Real – Antologia organizada por Humberto Lima
  28. A metamorfose – Frans Kafka
  29.  Treinando a emoção para ser feliz – Augusto Cury
  30.  Ponte para Terabitia – Katherine Paterson

Alguns livros da lista eu já conhecia e fiz uma releitura, outros me tiraram da zona de conforto e o último livro me chocou tanto que ainda não tem sequer resenha escrita para falar sobre ele no blog.

E vocês? Quais livros leram em 2021?

Conheça também um pouco sobre o mundo literário de:

Viviane AlmeidaAle Ana Claudia Lunna Guedes ObdulionoRoseli Pedroso

Resenha: Treinando a emoção para ser feliz

Neste livro o psiquiatra Augusto Cury fala sobre como a emoção humana influencia diretamente a qualidade de vida e a felicidade e sobre como o ser humano está cada vez mais sozinho e insatisfeito, apesar de ter toda uma indústria de lazer disponível.

O livro possui exemplos engraçados como dizer que cada um de nós é o melhor nadador do mundo, pois atravessou um enorme espaço dentro do útero de nossas mães até encontrar o óvulo, mas apesar disso há bastantes coisas pertinentes, que fazem sentido. Por outro lado, como acontece em muitos livros de auto-ajuda, o autor começa a falar sobre Jesus Cristo como sendo “o mestre supremo da emoção” e, por mais que ele saliente em certo momento que “não se trata de religião”, falar sobre uma figura religiosa sempre irá remeter ao assunto, quer se queira, quer não – E como ninguém é obrigado a acreditar nas parábolas cristãs, acabei vendo esse ponto negativo no livro.

#desafioliterario2020 #Setembro: Meus primeiros sonetos clássicos

Meus primeiros sonetos clássicos – Organização Alexandre Carvalho e Silvio J. Estevam

Segundo livro do #desafioliterario2020 #Setembro, o livreto “Meus primeiros sonetos clássicos” reúne sonetos selecionados de William Shakespeare, Luís de Camões e Fernando Pessoa. Na obra foi disponibilizada uma breve (muito breve mesmo) biografia do autor, além de nove sonetos escolhidos – Não se trata de um livro direcionado ao estudo aprofundado da poesia, mas sim a sua difusão entre as camadas mais populares – como bem explicado na contracapa do livro, a editora PAULUS, responsável pela obra, é uma entidade filantrópica formada por Padres com objetivo de doar livros para crianças e adultos em escolas públicas, hospitais, presídios e entidades sociais. É uma leitura agradável e bem leve, adequada para quem deseja iniciar o hábito de ler sonetos.

#desafioliterario2020 #setembro #sonetos #literatura #literaturaclassica

Os livros do #DesafioLiterpario2020 #Setembro e o último dia do BEDA (Blog Every Day August)

Chegamos ao último dia do mês de Agosto e, portanto, do desafio BEDA (Blog Every Day August) – Pela primeira vez consegui completar o desafio e postar todos os dias! Foi uma experiência difícil, em alguns dias a inspiração sumiu, em outros eu quase esqueci de postar e em outros eu queria fazer qualquer coisa menos ligar o computador, porém foi também uma experiência divertida e desafiadora então possivelmente eu faça uma pasta no meu computador e escreva aos pouquinhos trinta textos para o BEDA de Abril do ano que vem, quem sabe?

            Quem me acompanha sabe que este ano fiz a proposta de sair um pouco da minha zona de conforto literária sorteando todos os meses cinco livros com a intenção de ler ao menos um deles e postar o resumo nas redes sociais, para incentivar os amigos a lerem também. Infelizmente não há tantas pessoas acompanhando da forma como eu esperava, então o desafio tem sido mais algo de mim para mim. E tem sido divertido. Hoje eu fiz o sorteio dos livros a serem lidos em Setembro de 2009 e vou falar um pouco sobre eles com vocês:

Treinando a emoção para ser feliz – Augusto Cury: Esse livro já foi sorteado em algum dos meses anteriores do desafio e eu não consegui terminar, hora de tentar novamente!

Poemas Antológicos – Solano Trindade: Li esse livro tempos atrás e cheguei a postar no Instagran, mas não fiz um grande post nem falei sobre ele aqui no blog, então chegou o momento de fazer uma releitura e comentar com vocês sobre esses poemas incríveis!

Assim Falou Zaratrusta – Friedrich Nietzche: Um livro que exige várias releituras no decorrer da vida. Nietzche é um dos maiores filósofos de todos os tempos e sempre tem algo a dizer, mesmo após tantos anos de sua morte.

Triste Fim de Policarpo Quaresma – Lima Barreto: Literatura brasileira pré-modernista, com certeza é um livro cuja leitura será um desafio pelo contexto em que foi escrito.

Meus Primeiros Sonetos Clássicos – Organização Alexandre Carvalho/Silvio J. Estevam: Praticamente um livreto bem curtinho que apresenta sonetos selecionados de Shakespeare, Camões e Fernando Pessoa. Possivelmente eu inicie as leituras do mês por ele, pois ainda estou concluindo a leitura de outro livro do ano passado.

E vocês? Quais os planos de leitura para o próximo mês? Já leram alguns desses livros?  Comentem!

Esse post foi o último do projeto BEDA (Blog Every Day August) – Participaram também:

ObdulionoClaudia Viviane – Ale Helga – Drica – Lunna Guedes – Chris – Adriana – Mariana Gouveia

Tia Julia e o escrevinhador

O segundo livro do #DesafioLiterário2020 #Agosto é uma obra do autor peruano Mario Vargas Llosa. O autor soube construir um romance divertido, de fundo autobiográfico, com elementos que causam pequenos choques no leitor. A história principal gira em torno de Varguitas, então um rapaz de dezoito anos, que se apaixona pela tia, Julia, mulher mais velha e já divorciada. O autor complementa o romance com elementos como o trabalho de Varguitas na rádio, onde conhece Pedro Camacho, um boliviano autor de novelas de rádio, muito populares na época. Varguitas estuda direito e deseja ser escritor e morar em Paris, Camacho escreve durante horas e horas seguidas, sem descanso – Llosa utilizou-se de um recurso muito interessante: Os capítulos do livro se alternam entre a história de Varguitas, Júlia e Pedro Camacho, e as histórias das novelas de Pedro Camacho, de modo que hora você está acompanhando o desenrolar de um romance proibido, hora está lendo uma pequena história dramática e por qual motivo não dizer espalhafatosa, que deixa sua continuidade com uma ponta solta, como um momento de suspense sugerindo que haverá continuidade. Llosa sem dúvida é um dos grandes nomes da literatura latino-americana e, ainda que a obra em comento pareça um pouco lenta no início, o autor consegue manter um ritmo agradável, que cativa o leitor e o leva conhecer várias realidades diferentes dentro de um mesmo país: Policiais, religiosos, burguesia decadente, pessoas simples, artistas, burgueses, fugitivos. Cada história se desenrola em seu próprio tempo, até que o leitor começa a notar algo diferente, uns pequenos incômodos, uma incerteza que o fará talvez retornar algumas paginas e depois continuar a leitura com uma sensação estranha e divertida, afinal, os fatos que ocorrem na vida de um autor de novelas incansável uma hora acabam refletindo-se na criação de suas histórias e personagens, ou não? Uma das melhores obras literárias que já caiu em minhas mãos este ano! Do mesmo autor indico também Travessuras da Menina Má, já falei dele aqui no blog.

Esse post faz parte do BEDA – Blog Every Day August

Participam também:

Lunna Guedes, Viviane, Mariana, Ale Helga – AdrianaClaudiaDrica Chris Obduliono