06 on 06 – Recortes urbanos

Encarei a tela. Onde encontrar recortes urbanos se tenho estado em casa a maioria do tempo desde março do ano passado? O jeito foi revirar antigas fotografias – E eis que o resultado me agrada:

Essa casa já foi o lar de uma idosa simpática que plantava morangos no canteiro frontal. De repente, as janelas não se abriram, os canteiros abandonados…
Eu vejo a praia da janela do ônibus, duas máscaras no rosto e a sensação de que apesar de morar no litoral, eu quase não aproveitei o espaço livre antes dessa pandemia maluca me trancar em casa.
Em São Paulo, um muro verde. Na selva de concreto, esperança nas paredes.
O prédio sobe em direção ao céu… Coisas da metrópole, belas mas nem sempre adequadas para o meio ambiente. A mudança na arquitetura moderna é urgente.
Uma foto da cidade tirada do alto da Serra do Mar. Como é belo o litoral!
Acordar pela manhã, antes do sol nascer… Vida de trabalhador brasileiro é assim: Acorda cedo, corre, passa o dia fora. Salário baixo, qualidade de vida zero… Mas o importante é que “O rico cada vez fica mais fico e o pobre cada vez fica mais pobre”, como bem dizia aquela velha canção axé music.

06 on 06 Janeiro. Portas

A vida passa por seis portas

A primeira por onde todas as espécies já passaram
Água
Fonte de toda a vida
Início e fim
A segunda trouxe cada ser humano ao mundo
Escondida, meio tabu
Vagina: Feminina ou masculina
Início da jornada

A terceira porta nós não cruzamos
Ela está em nós
Nosso rosto: Olhos, nariz, ouvidos
Permite-nos conhecer o mundo

A quarta porta - Magia pura
Leva-nos a diversos mundos
Livros abertos
Páginas, paisagens

A quinta porta, ápice do viver
Amor - Uma  flor na alma
Uma porta ponte entre corações

A última porta
Nossa única certeza, inevitabilidade
Amedrontadora nos aguarda
Ceifadora, Morte


Breves comentários:

Uma coisa que amo neste projeto 06 on 06 é que, além de fotografar (o que é uma delícia de qualquer lado da câmera – como modelo ou fotógrafa), posso experimentar sair da literalidade das palavras – Portas – Eu poderia ter saído e fotografado portas, consigo pensar em algumas lindas no centro da Cidade (Portas de casas antigas, de Igrejas, de Lojas Maçônicas, portas de escola), mas com o advento da pandemia me fazendo evitar sair de casa, pensei em outras possibilidades para a palavra e ainda arrisquei uns rabiscos coloridos (Podem ver que desenho mal, mas me divirto tentando).

06 on 06 é um projeto proposto pela escritora e editora Lunna Guedes cuja proposta é postar todo dia 06, seis imagens sobre um determinado tema.

Também participam:

06 on 06 – Meu calendário particular

E de repente o ano chega ao meio – Assim, sem eira nem beira, mais precipício que passeio, mais tempestade que castelo de areia. Ainda ontem era Janeiro, mês dos mil planos, mil certezas e alguns enganos. Ainda ontem, Fevereiro, Março, Abril, Maio, Junho. Dias tão iguais e tão diferentes de tudo, rotinas quebradas e remodeladas dentro do que alguns insistem em chamar de “novo normal” e eu prefiro chamar simplesmente, Caos.

Primeira foto de 2020 – A queima de fogos na praia, com seus insuportáveis ruídos. Na verdade, a mágica da noite de ano novo é apenas ver o Sol nascer na manhã do dia 1, é como olhar pro céu e dizer “adeus” ao ano que acaba para, horas depois, dizer “Seja bem-vindo” ao ano que chega,

Em Fevereiro, novas receitas, novos dias, final de férias e expectativa para o Carnaval – Mesmo que a melhor ideia seja passar o dia em casa lendo um livro.

Março e minhas pimentas. O quintal é pequeno, mas a vontade de plantar é gigante.
Abril trouxe um céu cheio de cores, contrastando com toda a tensão e luto que cobrem o país.
No quinto mês do ano, minha filha de quatro patas está super feliz com a minha longa permanência em casa.

Em Junho, depois de tantos meses, uma foto minha. O cabelo já cresceu, mas agora cortar não é prioridade

Também compartilharam seus calendários particulares:

Lunna Guedes , Obduliono , Mariana Gouveia

06 on 06 – Quem sou eu?

Quem sou eu? Sou um Universo todo. Todos nós somos Universos, inteiros, completos, insondáveis. Como astronauta, exploro as estrelas, galáxias, planetas que há em mim – Quanto tempo nós passamos na vida buscando o que está fora e ignorando nosso céu estrelado? Quantas horas perdidas em vida com medo da inevitável aterrissagem dentro de nós, das caminhadas à beira do abismo, das incursões em nossas florestas sombrias, das manhãs frias? São anos insistindo em ver e mostrar apenas os nossos Jardins, nossas flores coloridas, criando uma eterna primavera que, na vida real, é impossível – Pois existe também o inverno, o outono, o verão. Então, sem mesmo conhecer cada recanto do meu Universo, fica impossível responder quem sou com outras palavras além das que já disse e melhor explico: Sou um Universo e sou minha própria desbravadora. Como todo Universo, estou em constante mutação, pois nada no Cosmos é igual e eterno. Um Universo em constante integração com tantos outros Universos que me cercam – Alguns desses Universos repelem-me e causam repulsa. Outros me atraem para suas órbitas e assim, mutuamente, ampliam a si próprios e a mim, através do dialogo. Eventualmente, há Universos que me atraem a ponto de que eu deseje permanecer dentro deles por mais tempo, e isso, se chama amor – Essa atração irresistível entre dois Universos que se cruzam no caos infinito do mundo, mas essa definição fica para outra conversa

Pintura: Adriano Dica

Fotos: Fotoclube Frame

Texto: Darlene R. Faria

Também participaram do projeto:

Ale Helga (blog Meus Amores)

Lunna Guedes (blog Catarina)

Mariana Gouveia (Blog O outro lado)

Obdulio (Blog Serial Ser)

Lucas (Blog Universo Desconhecido)

6 on 6: Por onda andei?

Caminhando… Caminhando… Caminhando

Encontrei sombras e luz e muita história pra contar

Pelas ruas da cidade que passa os dias a gritar

E tantas almas apressadas-quase-surdas sem escutar

O que encontrarei?

O céu, o horizonte e um sem fim de emoções?

Não sei! O futuro só pertence a si próprio, afinal.

E o bom da vida é ir vivendo o caminhar até o final.

Por onde andei? Em qual busca? Em qual caminho?

Pensando bem, andei mais do que pensei ter andado

E bem menos do que desejaria ter caminhado…

1520701991958

Já andei na chuva, já sonhei na chuva, só não dancei enquanto chovia

Já sorri na chuva, e já me abriguei olhando a água que escorria:

Lá dentro da alma, e lá fora na rua.

1520702010634

Já vi o arco-íris depois da tempestade

Por entre os prédios da cidade

E já senti o arco-íris no coração

Quando um olhar despertou nele a paixão

20180129_084443

Por onde andei? O que encontrei?

A casa dos meus sonhos, onde nunca morei…

20170702_110659

Encontrei o antigo a se deparar com o novo

Numa briga muda por espaço, nas ruas onde passa o povo

arte na rua

Encontrei muita luta, e tantas vezes transformei em poesia…

20200101_061714

Por onde andei, esperei muitas vezes o raiar do dia:

Algumas vezes sozinha, algumas vezes com amigos

São tantas histórias de rolês épicos, atuais e antigos

E um conto de fadas com um beijo ao amanhecer

Tão doce quanto respirar, sonhar, viver….

________________________________________________

Outras caminhadas…

Lunna Guedes; Lucas Buchinger; Isabelle Brum; Mariana Gouveia; Obdulio Nunes Ortega