Dica literária: Equação Infinda. [BEDA 2]

Três mulheres, três diferentes momentos históricos: 1931, 1958 e 1983. Em comum, os sonhos da juventude e a realidade imposta como uma prisão pela família e pela sociedade. Não é fácil ser mulher. Ser mulher e ser livre é ainda mais difícil, mas o que fazer se a alma feminina é um oceano inteiro?  Navegar. Esse é o convite que Roseli Pedroso nos entrega em Equação Infinda: Navegar pelas águas de Carminha, Lígia e Verônica.  Vidas contadas em quatro capítulos nomeados pelas estações do ano. Relatos de esperança, sofrimento e sede de liberdade – água historicamente negada às mulheres.

O livro é curtinho e pode ser lido de um só fôlego. Os ecos das vozes dessas mulheres ficam na memória por tempo indeterminado.

Para além do prazer de ler, há o prazer de tocar o livro, sentir a texturas das páginas firmes entre os dedos, tocar a fita utilizada na costura artesanal das páginas. Apreciar o objeto livro com o tato, com os olhos e com o olfato antes de abrir e iniciar a leitura é um tira gosto que antecede a leitura, prepara a alma e proporciona um enorme prazer.

Lembrando que a editora Scenarium está com inscrições abertas para o Clube do Livro!

_________

Este post faz parte do BEDA (Blog Every Day August). Participam também:

Adriana Aneli Ale Helga- Claudia Lunna Mariana GouveiaObdulioRoseli

Os livros do #DesafioLiterpario2020 #Setembro e o último dia do BEDA (Blog Every Day August)

Chegamos ao último dia do mês de Agosto e, portanto, do desafio BEDA (Blog Every Day August) – Pela primeira vez consegui completar o desafio e postar todos os dias! Foi uma experiência difícil, em alguns dias a inspiração sumiu, em outros eu quase esqueci de postar e em outros eu queria fazer qualquer coisa menos ligar o computador, porém foi também uma experiência divertida e desafiadora então possivelmente eu faça uma pasta no meu computador e escreva aos pouquinhos trinta textos para o BEDA de Abril do ano que vem, quem sabe?

            Quem me acompanha sabe que este ano fiz a proposta de sair um pouco da minha zona de conforto literária sorteando todos os meses cinco livros com a intenção de ler ao menos um deles e postar o resumo nas redes sociais, para incentivar os amigos a lerem também. Infelizmente não há tantas pessoas acompanhando da forma como eu esperava, então o desafio tem sido mais algo de mim para mim. E tem sido divertido. Hoje eu fiz o sorteio dos livros a serem lidos em Setembro de 2009 e vou falar um pouco sobre eles com vocês:

Treinando a emoção para ser feliz – Augusto Cury: Esse livro já foi sorteado em algum dos meses anteriores do desafio e eu não consegui terminar, hora de tentar novamente!

Poemas Antológicos – Solano Trindade: Li esse livro tempos atrás e cheguei a postar no Instagran, mas não fiz um grande post nem falei sobre ele aqui no blog, então chegou o momento de fazer uma releitura e comentar com vocês sobre esses poemas incríveis!

Assim Falou Zaratrusta – Friedrich Nietzche: Um livro que exige várias releituras no decorrer da vida. Nietzche é um dos maiores filósofos de todos os tempos e sempre tem algo a dizer, mesmo após tantos anos de sua morte.

Triste Fim de Policarpo Quaresma – Lima Barreto: Literatura brasileira pré-modernista, com certeza é um livro cuja leitura será um desafio pelo contexto em que foi escrito.

Meus Primeiros Sonetos Clássicos – Organização Alexandre Carvalho/Silvio J. Estevam: Praticamente um livreto bem curtinho que apresenta sonetos selecionados de Shakespeare, Camões e Fernando Pessoa. Possivelmente eu inicie as leituras do mês por ele, pois ainda estou concluindo a leitura de outro livro do ano passado.

E vocês? Quais os planos de leitura para o próximo mês? Já leram alguns desses livros?  Comentem!

Esse post foi o último do projeto BEDA (Blog Every Day August) – Participaram também:

ObdulionoClaudia Viviane – Ale Helga – Drica – Lunna Guedes – Chris – Adriana – Mariana Gouveia

#Desafio Literário 2020 #Junho

E eis que iniciamos um novo mês e, com ele, os novos livros do #DesafioLiterário2020 #Junho. Pois é, estamos chegando na metade do ano e, se você está cumprindo o desafio, já leu ao menos cinco livros até aqui e já postou as fotos no facebook ou instagram pra incentivar os amigos e amigas, certo? Agora, se você ainda não leu nenhum livro, ainda dá tempo de começar! E olha, não precisa ser obrigatoriamente um dos cinco que eu sorteei não! Pode ser um livro que você goste! Basta ler, fazer a resenha, postar no seu facebook e marcar o perfil @poetisa_darlene ou a page Devaneios e Poesias no facebook!

Vamos ver quais são os títulos do mês?

A Montanha e o Rio – Da Chen. Um livro chinês, ambientado em um período histórico de disputas políticas acirradas, A Montanha e o Rio é uma leitura que promete ser bem interessante.

Tire proveito dos seus impulsos – Pauline Wallins. Não prometo que irei terminar, mas prometo começar a ler. Parece um livro interessante, mais voltado para o desenvolvimento pessoal que para a auto ajuda.

Alimentação desintoxicante para ativar o sistema imunológico – Conceição Trucam. Alimentação é um tema que me interessa bastante, então há uma grande chance de vocês terem umas dicas sobre bons alimentos neste mês.

O Tartufo ou O Impostor –Molière. Um clássico sobre o qual eu já ouvi falar muito e confesso que não procurei sinopse e não sei o que esperar.

Noite na Taverna – Álvares de Azevedo. Um clássico e uma releitura deliciosa com certeza. Noite na Taverna figura entre os meus livros favoritos!

E vocês? O que pretendem ler neste mês?

#DesafioLiterário2020 #Maio

Quem está conseguindo cumprir o #desafioliterário2020? Como foram as leituras do mês de Abril? Conseguiram ler pelo menos um livro? Falaram sobre a leitura com os amigos, através das redes sociais? Não sabem nem do que eu estou falando? (Se não sabe, clica aqui pra descobrir)! Bom, por aqui consegui novamente ler apenas dois dos cinco livros e já postei os resumos — Um deles foi “O Pássaro Pintado”, livro polonês incrível cuja resenha teve muitos comentários aqui no blog; o outro livro foi Marília de Dirceu e o post dele foi feito apenas no Instagram pois já havia uma postagem falando sobre ele aqui no blog (quer ler? Clique aqui). E, quando eu ia começar a ler o próximo livro, percebo que chegamos ao final do mês de Abril – Vamos falar a verdade: Essa quarentena está me deixando totalmente sem noção de tempo, em consequência, novamente fiz o sorteio sem gravar o vídeo! Então, vamos conversar um pouco sobre os livros desse mês?

Dom Casmurro – Machado de Assis

Quem nunca leu esse super clássico? Aliás, o que acham, Capitu traiu ou não traiu?

Madame Bovary – Gustave Flaubert

Anos atrás li esse livro e também assisti ao filme, cheguei a falar sobre num post aqui no blog. É uma história interessante, com alguns tópicos pontuais que me incomodam um pouco. É um clássico que vale a pena ler.

Cyrano de Bergerac – Edmond Rostand

Uma peça teatral francesa, traduzida pelo nosso saudoso Ferreira Gullar. É um livro pequeno e eu realmente não sei o que esperar da leitura.

El derecho de la humanidad a existir – Fidel Castro

Essa coletânea fantástica dos melhores discursos do líder Cubano Fidel Castro é maravilhosa, já li uma boa parte desse livro assim que ganhei, e isso me exigiu muito esforço, pois não é um exemplar traduzido. Valeu a pena a leitura e me convenceu que temos muito o que aprender com Cuba – Só sinto imensamente que o comandante Fidel tenha falecido sem que eu tenha tido a alegria de conhecê-lo.

Histórias Fantásticas – Vários autores

Uma coletânea curtinha de histórias fantásticas, de vários autores, indo de Alan Poe até Lima Barreto. O livro parece ser bem simples, pois é da série “Para gostar de ler”, voltada para adolescentes. Vou priorizar a leitura desse livro no desafio para poder doar/trocar assim que a quarentena acabar (Já era a intenção quando peguei esse livro em um grupo de trocas de livro).

E vocês? Quais são os planos de leitura para o próximo mês?

Dica Literária: Cem escovadas antes de ir para a cama – Melissa Panarello

Lembro de estar folheando uma revista qualquer quando me deparei com uma pequena resenha sobre o livro da italiana Melissa Panarello. Eu tinha dezessete anos e pouco interesse por sexo ou erotismo – Confesso que já havia lido alguns livros considerados “quentes”, como Sidney Sheldon , D.H Lawrence ou a francesa Régine Deforges com seu “Diário Roubado” ou sua coletânea “A bicicleta azul” – Inclusive, acredito que apesar de serem livros considerados “impróprios”, não representaram um dano para a minha formação – Eu apenas lia desatentamente as cenas mais românticas/eróticas, como quem pensa “mas o que leva dois adultos a fazerem isso?” e não raro, eram as represálias de professores ou familiares que me diziam que o livro não era para a minha idade (não adiantava nada, afinal, minha mãe e eu sempre tivemos ótimas conversas e eu jamais fui proibida de ler algo). Voltando ao livro da Panarello: Eu, em meus dezessete anos, após ler a resenha na revista, comecei a procurar pelo livro. O motivo? A autora, ainda adolescente, foi expulsa do colégio onde estudava pelo fato de ter escrito a obra. Trata-se de um diário e, na conservadora cidade italiana onde vivia, causou choque e comoção. Eu precisava ler! Pela primeira vez, não estava buscando títulos entre os livros da minha mãe ou os da biblioteca, nem procurando ler as obras exigidas nos vestibulares. Eu queria ler o livro considerado erótico e chocante, escrito por uma menina apenas um ano mais velha que eu! Afinal, já nessa época, eu escrevia meus primeiros rascunhos e sonhava me tornar escritora! Como ela havia conseguido? O que eu precisaria fazer para completar uma história? A ansiedade pela leitura era enorme. E assim, após uma pequena procura e pouco antes dos meus dezoito anos, ganhei o livro e li em uma única tarde. Li outras vezes com calma. Guardei por um tempo e depois doei na biblioteca da escola em que eu estudava – Confesso que guardo curiosidade de saber se ainda está lá. Ontem, ao visitar a 9ª Festa do Livro, encontrei um exemplar na banca para “adoção”. Não peguei. A história já não me diz nada, tantas foram as leituras e releituras. Mas tirei uma foto para publicar na página junto com o resumo.

         A história é chocante por ser real. Melissa é uma menina tímida, insegura e acaba pulando várias etapas que deveriam ser de descobertas poéticas e corações partidos, caindo direto no redemoinho intenso do sexo casual e de diversos fetiches. O erotismo é latente, permanente, mas não vulgar – Melissa consegue escrever de uma forma ao mesmo tempo elegante e instigante e isso faz o leitor prender o fôlego. O filme, lançado anos depois, modificou a história e retirou a sensibilidade do texto, deixando uma pornografia sem graça – foram quase duas horas perdidas diante da televisão! Portanto, se você leitor ou leitora, se interessou pela obra, leia o livro, passe longe do filme. E depois me conte o que achou!

 

 

Dicas literárias: Vale tudo? (Agnaldo Silva, Gilberto Braga e Leonor Basseres)

Confesso que não sou uma grande fã de novelas, minha mãe, atualmente, também prefere outras distrações. Entretanto, ela vez ou outra fala sobre filmes ou novelas de alguns anos atrás, dentre elas, a novela “Vale Tudo?” e seu mistério “Quem matou Odete Roitman” e talvez esse tenha sido o motivo pelo qual decidi ler este pequeno livro. Me surpreendi! Muito bom! Tão bom que terminei de ler  sentada no chão do VLT lotado após um dia de trabalho.
Sobre a história: A trama gira em torno de Odete Roitman, uma senhora extremamente rica e manipuladora e da natural atração que o dinheiro e status de sua família exercem sobre pessoas inescrupulosas. Em “Vale Tudo?” a vida é um audacioso jogo – Seja pelo dinheiro, seja para escapar das armadilhas criadas por gente ambiciosa e disposta a mentir, manipular e trair em troca de poder e dinheiro. Uma leitura rápida (95 páginas) e muito boa!
Aliás, bem que as novelas poderiam ser todas publicadas como livros!

Dica literária: O Diário de Bridget Jones (Helen Fielding)

Bridget Jones é o estereótipo da mulher de trinta anos que ainda não encontrou seu lugar na carreira, nem seu Príncipe Encantado e nem mesmo a satisfação com o próprio corpo. Ela é uma personagem adorável, atrapalhada, em luta eterna com a balança, um pouco bêbada e muito divertida, por isso certamente muitas mulheres irão se identificar bastante com a Bridget ao longo da leitura – não que alguém consiga ter uma vida assim tão atrapalhada! O caso é que em algum momento, todas as pessoas já fizeram uma ou outra besteirinha – Seja ter um caso com o chefe, beber demais ou falar pelos cotovelos quando está nervosa com alguma situação. O diário de Bridget Jones é um livro para mulheres adultas que desejam rir muito e refletir sobre questões como relacionamento familiar, trabalho, auto-estima, filhos e o quanto a sociedade direta ou indiretamente cobra perfeição em todas as áreas da vida.

Ah! Os três filmes são muito engraçados, então vale a pena ler e depois assistir! Em breve (deixa o inverno entrar), vou veganizar a receita de uma certa sopa azul (quem já assistiu ou leu sabe do que eu estou falando).

Sangue na floresta – Vera Martín

O livro chegou à minha mão em algum momento de 2018. Não sei de onde veio, mas o fato é que ontem, enquanto organizava meus livros, encontrei-o e comecei a ler – É um livro curto, então li em dois dias, rapidinho. A autora narra a história de dois adolescentes que viajam para a Amazônia, um deles por precisar afastar-se da cidade após se envolver em uma confusão com drogas e FEBEM, o outro, como bom amigo que é apenas acompanha o primeiro. Não se trata de uma viagem qualquer – João e Válter se dirigem a um acampamento nos confins da Amazônia, onde irão ver a vida de uma maneira que suas realidades de meninos de classe média alta jamais havia lhes mostrado. Diante de lendas assustadoras até temáticas densas como corte ilegal de árvores, desmatamento, corrupção, exploração do trabalho e violência no campo, os jovens acabam amadurecendo e mudando seus conceitos de forma positiva, fazendo com que desejem se organizar e lutar por um mundo justo. A autora narrou de forma magistral, capaz de prender a atenção e levar as mentes mais jovens a refletir. Num momento como o atual, tão marcado pelo egocentrismo, por escândalos políticos e por decretos como o que retira da FUNAI a demarcação das terras indígenas, favorecendo o agronegócio em detrimento das populações nativas, levar este tipo de literatura para a juventude é necessário e urgente. Provavelmente se eu houvesse planejado as leituras deste ano, o livro escolhido não teria sido tão adequado ao momento – Ainda bem que ainda não iniciei os projetos de leitura coletiva e pude, já neste terceiro dia do ano, publicar a resenha de um tema importante e, mais do que isso, perceber que falho em cumprir um papel fundamental ao artista: O de questionar as estruturas sociais através de sua arte. Quando olho no espelho, vejo-me como a poetisa do amor perdido, da esperança, do romance, da solidão e, ao gritar tais sentimentos aos quatro cantos, acabo deixando de falar sobre outros sentimentos que me eclodem da alma: Indignação e desejo de lutar. Não fiz lista de metas para este ano mas talvez, escrever mais sobre temas complexos deva ser uma das metas a cumprir… Quem sabe?

#DicasLiterárias #diáriosdapoetisa #3de365

whatsapp image 2019-01-03 at 18.13.31

Dica literária: Extraordinário

NORMAL. NORMALIDADE. Quantas personalidades maravilhosas não são completamente esmagadas para se enquadrar neste conceito? A normalidade oprime. A normalidade deixa à margem dos agrupamentos sociais os indivíduos cujas características se afastam do conceito de “normal”, rotulando-as.  Discutir o efeito dos tais rótulos na vida das pessoas é abordar uma temática sensível, permeadas por preconceitos e tabus. No livro “Extraordinário”, R.J Palácio aborda a temática da normalidade física através da visão inocente de um menino de dez anos que nasceu com o rosto deformado devido a uma síndrome genética. Acompanhar o primeiro ano escolar de August é sentir, através da leitura, os medos naturais de qualquer pré-adolescente que vai para a escola e lembrar que, no caso de August, tais temores são ampliados pelo desconhecimento do ambiente que o aguarda, uma vez que foi educado em casa devido a sua saúde frágil, e pela deformidade que o faz ter dificuldade de se integrar com a turma. A autora consegue encantar o leitor ao narrar à jornada de August em busca de seu próprio lugar na escola e, porque não dizer, na vida.

Opinião: Comecei a ler por indicação de amigos e não esperava muito da história, mas me surpreendi bastante e pretendo assistir ao filme assim que possível. A autora consegue manter a  história caminhando com um vocabulário acessível e uma estrutura narrativa bastante interessante, subdividida em capítulos narrados do ponto de vista das personagens – ou seja, August e seus amigos e familiares. Se por um lado a história não decepcionou, a edição do livro que eu adquiri me chateou bastante pela revisão e diagramação ruins, com frases e nomes próprios se iniciando em letra minúscula em vários trechos – Como não possuo a nota fiscal do livro, não posso reclamar, mas ainda assim enviei uma mensagem para a editora, avisando sobre o problema e aguardo o resultado pelos próximos dias (prometo contar para vocês).

Extraordinário

TAG Stephen King

Boa noite leitores!

A Silvia, do Blog Reflexões e Angústias me indicou para responder a TAG Stephen King. Vergonhosamente tenho que confessar que nunca li nenhuma obra deste autor tão aclamado e, por isso mesmo fiquei um pouco sem entender a relação título – pergunta a  ser respondida. Mesmo diante deste fato inusitado, foi bem legal responder.

Antes de postar as respostas, peço desculpas aos meus amigos leitores pelas contínuas ausências e aos meus amigos blogueiros pela demora em responder tags e comentários. A vida tem sido corrida ultimamente, completamente tomada pelos estudos para a prova da OAB (em que fui aprovada em Janeiro), para diversos concursos, e também muito ocupada pelo trabalho (trabalhar no supermercado Extra é legal, mas cansa) e pelos estudos de música que no momento é uma das únicas coisas que dão um sentido à minha vida.

Perguntas:

  1. Carrie, A Estranha – O primeiro livro que você se lembra de ter lido: O primeiro livro que eu me lembro de ter lido foi “Emília no País da Gramática” de Monteiro Lobato. Minha mãe conta que li outros antes, bem infantis, mas eu realmente não lembro.
  2. O Pistoleiro – O primeiro livro de uma série que você ama: “Harry Potter e a Pedra Filosofal”. Me julguem! Já recebi algumas críticas por gostar de literatura jovem, mas não vejo isso como um problema uma vez que não me restrinjo a este tipo de leitura.
  3. Canção de Susannah: Um livro que tenha uma personagem feminina marcante: Léa Delmas da série “A Bicicleta Azul”. Trata-se da personagem principal uma série de livros da escritora Francesa Régine Deforges. Uma jovem marcante,um tanto mimada e no início bastante irritante que amadurece com o decorrer dos fatos que a cercam durante a segunda guerra (e em outro conflitos bélicos narrados no decorrer de outros livros).
  4. Doutor sono – Uma sequência publicada anos depois: Não consigo me lembrar de nenhuma.
  5. Escuridão total sem estrelas – Um livro de contos maravilhoso do começo ao fim: As crônicas de Nárnia
  6. Duma Key – Um livro com uma amizade memorável: Novamente, podem julgar meu gosto literário pois irei citar outro livro dedicado ao público teen – House Of Night. A amizade entre Zoe Redbird e Stevie Rae atravessa barreiras intensas, como a “morte” de Stevie e sua “ressureição” como uma espécie completamente diferente e estranha de vampiro.
  7. A maldição do cigano – um livro ‘magro’ (pequeno) e ótimo: Til – José de Alencar. Li há poucos dias e ainda estou apaixonada.
  8. Mago e Vidro – um livro com um casal lindo: Amor de Perdição de Camilo Castelo Branco.
  9. Jogo perigosoUm livro que você se sentiu angustiado ao ler: Admirável Mundo Novo, Aldous Huxley
  10. A Torre NegraUm livro que você leu com dó de terminar: A última colina, sexto livro da série “A Bicicleta Azul”. Na época em que li, tive dó de terminar pois pensei ser o último livro da série – tinha uns 13 anos de idade e morava no interior, sem acesso à internet, então, não sabia que havia mais dois livros além dos seis que a biblioteca da cidade disponibilizava. Infelizmente até hoje não consegui comprar/encontrar para empréstimo os últimos volumes da série.