Mudar a sociedade antes que o tempo se esgote (BEDA 15)

Infeliz é o país que subjuga a capacidade dos seus. Quando Ricardo Velez disse que não deveria existir universidade para todos, deixou bem explicado nas entrelinhas que o ensino universitário se destina apenas aos filhos da elite, destinados a continuar mantendo suas posições no cada vez mais estreito topo da pirâmide social. Para pessoas dessa laia o desemprego é bom pois diminui os salários e a cracolandia só se mantém pois há quem alimenta a população em situação de rua. E sabe, não é novidade nenhuma ver os poderosos lutando por mais poder. Não me surpreende ou irrita nem um pouco. O que me deixa surpresa é ver o pobre torcendo pelo direito do patrão em detrimento dos próprios direitos. Aliás já li em algum lugar que os males do Brasil são falta de interpretação de texto e falta de consciência de classe. E podem ter certeza: O projeto é justamente atacar a educação, reduzindo cada vez mais a capacidade de leitura (de textos e da própria vida) do estudante para que as gerações cresçam com zero consciência de classe e uma grande gana de defender os que estão no topo, mesmo que para isso seja necessário derrubar e pisar nos que estão embaixo e ao lado. É uma realidade triste, já desenhada anos atrás na peça teatral “Eles não usam black-tie” de
Gianfrancesco Guarnieri.
O mais assustador nesse processo todo é perceber que a ganância humana não está destruindo apenas a população empobrecida e explorada: As consequências do capitalismo brutal e desenfreado aparecem na forma de mudanças climáticas catastróficas. Apesar do atual desgoverno brasileiro ser um potencial acelerador do processo, é preciso lembrar que a diferença social e a manutenção do lucro em detrimento da vida e do meio ambiente são fatores comuns em boa parte dos países ao redor do planeta. É preciso reduzir urgentemente os níveis de consumo e rever a construção da sociedade antes que o tempo para isso se esgote. E acreditem, está se esgotando.

Esse post faz parte do BEDA (Blog Every Day August)

Ônibus, resistência e desistência. (BEDA 05)

Tem dias que a gente nem deveria sair da cama. Mas acaba saindo, pelo bem do salário no final do mês.

Quatro e meia da manhã o cheiro de café já se espalha pela casa. Me arrasto para o ponto de ônibus tão cedo que o Sol nem deu as caras ainda. Quem me conhece bem sabe que eu tenho uma séria relação de terror e ódio com o transporte público – Mesmo sem pandemia, a ideia de entrar numa lata de sardinha respirando o mesmo ar que sei lá quantas pessoas me parece nojenta. Sem falar no contato físico indesejado: Um braço que encosta aqui, corpos que colidem nas curvas e declives da cidade. Agora, tornou-se uma experiência ainda pior – A ponto de eu ter caminhado quinze quilômetros voltando do trabalho para casa só pra não pegar ônibus.

Eis que um dia desses entro no ônibus e me deparo com um lugar vago bem atrás de duas mulheres – Uma trazendo no colo uma criança semi-adormecida. Segue-se o diálogo das duas:

“Você tem sorte da tua menina estudar em Santos. Lá as aulas já voltaram né?”

“Já. Nossa, estava impossível ficar com ela em casa”

“É, aqui em São Vicente deviam voltar também, deixar as crianças sem escola por conta de uma gripezinha”

“Absurdo né? Eu mando mesmo a minha pra escola. Se pegar e morrer é da vontade de Deus”

“Sim. E a gente ainda é jovem. Morreu, a gente faz outro”.

A conversa seguiu nesse nível.

Nesses momentos eu penso na vida e tenho vontade de esquecer aquela frase “Serei resistência”.

Resistência? Para garantir um país melhor? Pra tanta gente estúpida e sem noção? Pra garantir um futuro pros filhos de pessoas que votaram no atual presidente? Afinal, qualquer mudança resultante da luta de hoje possívelmente só será vista pelas próximas gerações.

Em semanas como esta que passou, não tenho a mínima vontade de ser resistência. Acho que vou mudar a frase: Se é pra garantir o futuro de gente estúpida, serei desistência.

Quanto ao meu futuro? Bom, eu que não lute pra ver…

Usem máscara (dupla de preferência), lavem as mãos e dentro do possível, fiquem longe de aglomerações. Afinal, de negacionista e bolsoafetivo babaca, o país está cheio.

Este post faz parte do BEDA (Blog Every Day August). Acompanhe também os posts de: Lunna, ClaudiaAdrianaObdulioMariana Roseli.

O pacto final – BEDA 04

O ano é 2050.
Um homem ruivo com a pele cheia de sardas abre os olhos. O céu está escuro. Ele pergunta as horas para o dispositivo eletrônico que coordena e executa diversas funções na casa. Levanta e veste um macacão que protege contra a radiação e as altas temperaturas e um capacete que mais parece um aquário virado ao contrário. Acopla o capacete a um pequeno filtro cilíndrico que coloca nas costas.
Sente saudades da infância – A época em que o mundo começou a mudar, com a pandemia da covid-19 varrendo do mundo quase um terço da população humana. Ir até a escola de máscara era cansativo e não impediu um genocídio quando novas variantes se espalharam. Por isso já não haviam escolas e a maioria dos trabalhos tornou-se remota. Ele não conhece a vida adulta no mesmo mundo que os pais e avós, mas sabe foram essas gerações que destruíram aquele planeta tão bonito que hoje existe apenas nos livros.
Sobraram poucos humanos e vigora um pacto de não-reprodução. A espécie não tem mais nada para acrescentar ao mundo.
Ele olha uma última vez para o céu vermelho e segue para o lado externo da casa. No quintal está construindo uma pequena fortificação com informações que considera importantes – Se algum dia o planeta se recuperar e outro animal evoluir a ponto de entender, talvez evite cometer os mesmos erros do quase extinto ser humano.

Este post faz parte do BEDA (Blog Every Day August). Acompanhe também os posts de: Lunna, Claudia, Adriana, Obdulio, Mariana e Roseli.

Agora Inês é morta?

Essa semana a saúde do presidente brasileiro foi assunto na imprensa e nas redes – Sobre o assunto, permito-me parafrasear o referido cidadão: Fazer o que? Não sou coveiro. 

A bem da verdade, as notícias que mais me preocuparam esta semana tratam da segurança alimentar do povo brasileiro. Não é segredo para ninguém que sob o atual (des)governo o país retornou ao mapa da fome. 

Não por acaso alguns supermercados estão vendendo fragmentos de arroz ao valor médio de quase R$5,00 o kg. Outro produto que voltou ao prato do brasileiro é a “bandinha” de feijão – Aquele feijão partido ao meio.

Em outra reportagem, retrata-se a fila para receber doação de ossos bovinos em Cuiabá. Esses ossos, cozidos com outros restos de alimentos, são muitas vezes a única refeição de famílias inteiras. 

São efeitos da extinção do Conselho Nacional de Segurança alimentar e da ineficácia do governo em lidar com a crise econômica que acompanha a pandemia – Se o Brasil tivesse seguido o exemplo de outros países que fizeram um lockdown sério com auxílio emergencial digno, não teríamos mais de meio milhão de mortos nem estaríamos novamente no mapa da fome. Mas andar de moto, aglomerar e indicar cloroquina pareceu ao nosso governo uma ideia melhor.

Aliás, essa semana o posicionamento do governo sobre o “fundo eleitoral” foi no mínimo bizarro: Falaram contra, votaram a favor. O engraçado é ver nas redes sociais alguns bolsominions reclamando da aprovação do novo (e absurdo) fundo eleitoral! Será que não repararam que os integrantes do governo que eles tanto defendem votaram favoravelmente ao aumento?

Como diz o ditado “Agora Inês é morta” – Se morreu de fome, de covid ou vítima de feminicídio ( crime cuja ocorrência aumentou bastante nos últimos tempos), eu não sei. O fato é que se existe preocupação com a sobrevivência da população, faz-se necessária a urgentíssima mudança nos rumos do país – E eu temo dizer que aguardar a eleição de 2022 pode ser uma saída catastrófica. 

Sobre o cenário internacional, as últimas ocorrências na Europa, que sofre com inundações em alguns países, me forçam a retomar um outro tema por aqui: Precisamos diminuir nossa produção e consumo de bens materiais. A crise climática está batendo na nossa porta. Aliás, no Canadá, país conhecido pelo clima frio, o aquecimento do mar cozinhou milhões de mexilhões e mariscos nas praias – O resultado dessas mortes certamente irá se refletir em toda a cadeia alimentar. 

Quando parece que só há notícias ruins nuestros hermanos argentinos trazem uma boa notícia: Seis meses após a legalização do aborto no país, nenhuma mulher morreu realizando o procedimento. Sei que pode parecer difícil para algumas pessoas comemorar esse tipo de notícia, mas é preciso ver a interrupção voluntária da gravidez como uma questão de saúde pública. As consequências a serem medidas neste caso devem ser apenas as sociais. Quanto às consequências religiosas, que tal deixar cada mulher cuidar das suas? 

Entre panelas vazias, vírus e crise climática, o povo brasileiro ainda precisa levar a sério a tarefa de enviar os militares de volta ao quartel e os pastores de volta às igrejas, deixando o plano político para quem verdadeiramente entende e respeita as necessidades da população. Inês é morta. Mas com esforço e coerência, ainda é possível salvarmos Marias, Josés, Andersons, Marielles, Dandaras e cada um dos seres humanos desse país. 

Vacinada

Vacinada.

A oportunidade que quase 500 mil brasileiros infelizmente não tiveram devido aos atos criminosos do governo negacionista.

Vacinada mas ainda não imune, falta uma dose e falta atingir a imunidade coletiva, o que só acontecerá quando a maioria da população estiver imunizada. 

Quem acompanha a CPI consegue perceber como o governo federal negligenciou a compra de vacinas e a condução das medidas visando reduzir os casos do vírus. Para quem observa atentamente a política, a CPI só confirma e aprofunda o que já se sabia. Não é novidade.

A crise da covid-19 é sanitária, econômica e política. Se analisarmos, todas as crises são políticas, pois a vida em sociedade é política e ignorar isso em uma postura de isenção é, na verdade, aceitar os fatos dados – Geralmente pelo lado que tem maior poder financeiro. 

É difícil (e muitas vezes perigoso) lutar pelo que se acredita. Muitas vezes a vontade é desistir e sumir. Mas que tipo de pessoa seríamos se fizéssemos isso? 

Não basta desejar mudanças. É preciso refletir, entender e resolver problemas históricos antes de conseguir de fato construir uma nova sociedade. 

A política não deve ser ignorada ou demonizada. É isso que os poderosos desejam: Uma população que não acredita em seu próprio poder de organização. 

Hoje eu me vacinei em uma Unidade Básica de Saúde. Infelizmente a vacina não chegou a tempo para tanta gente e isso aconteceu por uma decisão política. Assim como foi uma decisão política a que optou por criticar o isolamento, o uso de máscaras e subestimar a pandemia.

Que num futuro próximo as pessoas lembrem da importância da política, principalmente nos momentos de crise. 

Maternidades

Quando uma criança é gerada, tornar-se pai é uma questão de escolha, já tornar-se mãe é uma imposição. Frase pesada? Realidade pesada. Infelizmente não é raro que caiba à mãe e somente a ela a maior parte das responsabilidades pela criação dos filhos e organização do lar. Mesmo quando o genitor da criança divide o mesmo espaço físico, é comum que quase tudo recaia sobre a mãe que acaba assim cumprindo jornada tripla de trabalho: Em casa, no emprego e muitas vezes ainda nos estudos buscando melhorar o padrão de vida. A maternidade é romantizada, como o momento pelo qual toda mulher anseia enquanto a mulher é invisibilizada, como se suas necessidades deixassem de existir em prol do novo ser que chegou – E aí dela se não ostentar um sorriso de orelha a orelha: Sofrerá os piores julgamentos e críticas, afinal está “cumprindo seu papel”.

Considerando-se que o Brasil vive a implantação de um projeto de governo genocida, baseado no ódio e na negligência completa dos direitos mais básicos, é irreal que a data de hoje seja comemorada como se todas as famílias fossem partes de um maldito comercial de margarina. 

Não há feliz dia das mães para mais de 410 mil famílias brasileiras enlutadas pela pandemia. Como falar em feliz dia das mães no país onde mais morrem gestantes e puerperas vitimadas pela COVID? Isso mesmo: O Brasil é o país do mundo onde morrem de COVID mais gestantes e puerperas!

Não há feliz dia das mães para as mães de Jacarezinho ou para tantas outras mães cujos filhos foram chacinados pelo Estado em sua guerra contínua ao povo periférico.  

Não há feliz dia das mães para famílias das vítimas de Brumadinho e Mariana. Nem para as mães dos três meninos desaparecidos em Belford Roxo. 

Não há feliz dia das mães para as seis em cada dez famílias brasileiras que atualmente vivem um estado de insegurança alimentar. 

Como falar em feliz dia das mães em um país que elegeu para a presidência da república um homem que defende menores salários para as mulheres sob a justificativa de que elas engravidam? 

Como falar em feliz dia das mães quando mulheres trans precisam entrar na justiça para garantir o direito de ter seus nomes nas certidões da prole. Mãe é quem se identifica como mulher e decide ter um filho. Não é preciso ter uma vagina ou útero para ser mãe. Estamos no século XXI, já é tempo de naturalizar a diversidade!

Como falar em feliz dia das mães quando há chacinas em escolas e creches?

Dia das mães sem segurança, sem comida, sem vacina, sem perspectivas. Ser mãe no Brasil é a certeza de viver em incertezas, ataques, supressão contínua de direitos. A maternidade desejada é um ato de resistência. A imposta pela completa ausência de políticas públicas (e incluí-se aqui o acesso ao aborto legal, seguro e gratuito) é um massacre. 

A todas as mães que me lêem desejo muita força, organização e luta por dias melhores onde a dignidade humana seja direito de todas, todos e todes para que seja então possível desejar “Feliz Dia das Mães” sem varrer para baixo do tapete da hipocrisia todas as vítimas desse sistema de insana barbárie que vivemos atualmente.

O sonho e o Big Brother Brasil [BEDA 12]

Tive um sonho engraçado: Eu havia sido selecionada para o Big Brother Brasil – Cheguei empolgada na casa, imaginando os próximos meses com piscina, academia e festinhas. Sorriso de orelha a orelha. Quando me deparo com a casa, descubro que houve mudanças: Tudo rústico, nada de energia elétrica, fogão à lenha e para completar, metade dos participantes precisa pedalar em bicicletas semelhantes a ergometricas para produzir energia e poder ter ao menos chuveiro quente na casa. Ah! Agora imaginem que no meu sonho o BBB era apresentado pelo… Faustão.
Pois é, será que isso é um sinal pra eu me inscrever no próximo ou eu só estou assistindo demais? Aliás, antes que me critiquem pelo programa: Minhas leituras estão em dia, meus estudos estão em dia, meus exercícios físicos e alimentação estão em dia, e eu estou trabalhando. O tempo que me resta eu posso usar como bem entendo e entre futebol ou novela e BBB (cancelei a Netflix, portanto séries e filmes não são opção), eu prefiro me distrair assistindo o BBB (torcendo aqui pela Thaís, João ou Camila). Quem sabe em 2022 vocês não me veem por lá? O que achariam? Teria uma torcida para mim?

Este projeto faz parte do BEDA. Visitem também:

Lunna GuedesAle HelgaAdriana Aneli Claudia Leonardi – Mariana GouveiaObdulioRoseli Pedroso

A “marcha da família cristã pela liberdade… de morrer e matar” [Beda 11]

Ontem foi o 100° dia do ano. Faltam 265 dias para a chegada de 2022. Ultrapassamos as 350 mil mortes sem aprender nada e ainda há quem apoie o genocida que ocupa a presidência há 832 dias. Hoje aconteceu a “Marcha da família cristã pela liberdade” – ao ignorar a necessidade de manter o isolamento social e tomar as ruas reclamando a retomada  das atividades religiosas presenciais e do comércio sem restrições, essas pessoas pedem nas entrelinhas o massacre da população brasileira pela doença, enquanto a miséria avança e um auxilio emergencial insuficiente começa a ser pago. Nietzsche certa vez disse que o único cristão verdadeiro morreu na cruz – Começo a acreditar no filósofo. Quando vejo a maioria desses eventos das igrejas não consigo  enxergar o tal “amor cristão”, apenas uma densa cortina de  descaso e ódio. A triste realidade é que enquanto o mundo luta contra o vírus, o Brasil parece fazer o contrário: Aqui o covid teve e continua tendo uma recepção de gala, com apoio institucional e festa nas ruas, com as bênçãos cristãs e os aplausos do povo gado.

Este post faz parte do BEDA (Blog Every Day April). Visite também:

Lunna Guedes, Obdulio, Mariana Gouveia, Roseli Pedroso, Adriana Aneli, Ale Helga, Claudia Leonardi

Dica de leitura: Rua 2 [BEDA 10]

“Caro Leitor, você acaba de receber em mãos um livro artesanal produzido pela Scenarium e aqui vão algumas instruções de uso…

Aprecie a capa… ela é como um velho portão, que dá entrada para uma realidade de páginas devidamente numeradas. Verifique o número do seu exemplar… E depois a sequência de páginas. A menos que o projeto seja insano, a sequência é como a das casas, de um lado você encontrará os números pares e, de outro, os ímpares…”

As palavras acima são as primeiras linhas escritas no livro “Rua 2” , contos de Obdulio Nuñes Ortega.

Em textos curtos, que em sua maioria recebem como título o número das casas onde moram as personagens, Obdulio nos apresenta personagens urbanas detentoras de personalidades únicas que leva o leitor a sentir uma interação com a personagem. A estrutura da obra, aliada a capacidade criativa e refinada observação humana do autor faz do livro Rua 2 uma obra genial.  Destaco aqui os textos: Morador da rua 2, casa 11, casa 9, casa 15, casa 2, linhas cruzadas e Pescoços quebrados da rua 2. Não me atrevo a dizer que são os melhores textos do livro por acreditar que é impossível estabelecer este tipo de juízo. Prefiro dizer que são os textos que mais gostei dentro de um livro dinâmico, envolvente, gostoso de ler e que deveria ser parte da lista de leituras de quem realmente aprecia a literatura brasileira.

Quer ler? Acesse a Scenarium Plural e adquira seu exemplar!

Este post faz parte do BEDA (Blog Every Day April). Visitem também:

Lunna Guedes, Adriana Aneli, Mariana Gouveia, Claudia Leonardi, Roseli Pedroso, Obdulio, Ale Helga