06 on 06/ Abril – Pelas ruas de Cartagena (+ Bonus 06 on 06 Março)

O Brasil é rico em arte de rua: Grafites, estátuas vivas, músicos… Apesar disso, hoje eu postarei algumas fotos que tirei em Cartagena (Colombia). Lá existe um bairro chamado Getsemani, conhecido pelas paredes coloridas e ruas enfeitadas. Cartagena é uma cidade colombiana onde se respira história e arte, e o bairro Getsemani é o local da cidade onde a arte do grafite se destaca.

Essa é uma das lendas tradicionais de Cartagena, apesar de triste é uma lenda muito bonita e me encantou vê-la escrita em um dos muros da cidade.
Este desenho faz parte da foto anterior, uma ilustração da lenda contada.
O mar tem grande importância, este outro grafite mostra sua presença predominante na cidade. Iclusive uma dica: Sigam no Instagran a #Leyendas del mar, sugerida no grafite!
Mais um dos muitos Grafites do Getsemani.
A beleza da cultura negra é outro tema que está presente na arte colombiana
Uma das ruas do bairro Getsemani, com suas casas coloridas, flores e enfeites.

Mês passado preparei a postagem 06 on 06 Março “as minas e as manas” e acabei erroneamente agendando pra hoje…Por isso meu 06 on 06 de Abril vem com bônus especial:

O6 on 06 “As minas e as manas”

Coram das mulheres indígenas da aldeia Paranapuã/SV. Nossos povos originários precisam de respeito e espaço pra viver suas tradições!
Em 2018 minas e manas se uniram nas ruas contra o retrocesso e a violência. O movimento #elenão estava do lado certo da história e os acontecimentos dos anos seguintes comprovam isso!
As mulheres do grupo Linhas de Santos são peritas em mostrar que toda arte pode ser questionadora/política- Inclusive o bordado!
Há mulheres que fazem história e há aquelas que embora desconhecidas do mundo, fazem parta da história da família. Essa é a minha avó, que mesmo grávida subia nas árvores pra colher frutas e fazer compotas.
Marielle faz parte da história do Brasil. Uma mulher de luta!
E não podia faltar a imagem de uma mulher marcante para a música! Rita Lee, a rainha brasileira do Rock.

Este post é o quarto post do #BEDA – Blog Every Day April, que esse ano está no Instagram também (@poetisa_darlene).

Visitem outros blogs que também participam do BEDA: Lunna Guedes, Mariana Gouveia, Ale Helga, Mãe Literatura, Obdulio

Macarrão e carnaval

Segundo carnaval do ano quase chegando e eu relembrando sabores da infância.
Aprendi, por volta dos meus onze anods, a fazer uma salada de macarrão chamada “Salada de Macarrão Abre Alas”. Não era vegan nem saudável. Recentemente, recriei a salada: Macarrão colorido, maçã, cenoura cortada em “fitas”, pimentão picadinho, azeite e muitos temperos. Pode mudar e acrescentar mais ingredientes? Sim! O importante é deixar o prato alegre e bem colorido!

#carnaval #veganfood #receitas #segundasemcarne #beda

Este post é o terceiro post do BEDA: Blog Every Day August e foi escrito ao som de Proibido o Carnaval .

Também participam do BEDA:

Lunna Guedes, Ale Helga, Obdulio

Para começar bem o dia – A música da natureza

Espetáculo com participação de 60 espécies de aves! No final, no auge da melodia (papageno-papagena/flauta mágica), a cantoria intensa em analogia sincronizada com a ópera de Mozart. Trabalho publicado no YouTube em set/2020, que levou meses de trabalho de uma equipe, que foi editado pelo compositor, produtor e escritor Volker Pannes, e resumido em apenas 3 min de vídeo! Vale a pena assistir!

Recebi o vídeo pelo WhatsApp e fiquei encantada!

Este post faz parte do BEDA (Blog Every Day August)

Livro VS filme: Dumplin

Dumplim é um livro sobre adolescência, amor, amizade, família, sonhos e principalmente sobre a influência que o peso corporal pode exercer sobre todos os campos da vida – Ainda mais se você é uma adolescente obesa em uma pequena cidade onde o principal evento é um tradicional concurso de beleza e sua mãe já foi ganhadora do concurso e é muito popular e admirada.O filme tem no elenco nomes como Jennifer Aniston e Danielle Maconald, atrizes que interpretam os papéis de mãe e filha causando vários momentos de riso e descontração. Já o livro, escrito por Julie Murphy, presenteia o leitor com uma leitura leve, divertida e bastante jovial. O respeito aos ao próprio corpo e ao corpo do outro é uma pauta fundamental nos tempos em que vivemos, por isso Dumplin, livro ou filme, é uma ótima dica de entretenimento com qualidade.

Este post faz parte do BEDA (Blog Every Day August).

Mudar a sociedade antes que o tempo se esgote

Infeliz é o país que subjuga a capacidade dos seus. Quando Ricardo Velez disse que não deveria existir universidade para todos, deixou bem explicado nas entrelinhas que o ensino universitário se destina apenas aos filhos da elite, destinados a continuar mantendo suas posições no cada vez mais estreito topo da pirâmide social. Para pessoas dessa laia o desemprego é bom pois diminui os salários e a cracolandia só se mantém pois há quem alimenta a população em situação de rua. E sabe, não é novidade nenhuma ver os poderosos lutando por mais poder. Não me surpreende ou irrita nem um pouco. O que me deixa surpresa é ver o pobre torcendo pelo direito do patrão em detrimento dos próprios direitos. Aliás já li em algum lugar que os males do Brasil são falta de interpretação de texto e falta de consciência de classe. E podem ter certeza: O projeto é justamente atacar a educação, reduzindo cada vez mais a capacidade de leitura (de textos e da própria vida) do estudante para que as gerações cresçam com zero consciência de classe e uma grande gana de defender os que estão no topo, mesmo que para isso seja necessário derrubar e pisar nos que estão embaixo e ao lado. É uma realidade triste, já desenhada anos atrás na peça teatral “Eles não usam black-tie” de
Gianfrancesco Guarnieri.
O mais assustador nesse processo todo é perceber que a ganância humana não está destruindo apenas a população empobrecida e explorada: As consequências do capitalismo brutal e desenfreado aparecem na forma de mudanças climáticas catastróficas. Apesar do atual desgoverno brasileiro ser um potencial acelerador do processo, é preciso lembrar que a diferença social e a manutenção do lucro em detrimento da vida e do meio ambiente são fatores comuns em boa parte dos países ao redor do planeta. É preciso reduzir urgentemente os níveis de consumo e rever a construção da sociedade antes que o tempo para isso se esgote. E acreditem, está se esgotando.

Esse post faz parte do BEDA (Blog Every Day August)

Sexta Feira 13 (BEDA 13)

Sexta Feira 13

Imagina que azar
Morar num país desgovernado e ter medo de passar embaixo da escada, de cruzar com um gato preto, de levantar da cama com o pé esquerdo?
Imagina que azar, morar num país assolado pela fome e pelo vírus e ainda assim ter medo de sair de casa pois é sexta feira 13.
Imagina que sonho ter só um dia de azar no ano inteiro?
Seria bom, não?
Mas o povo brasileiro
Elegeu o capeta
Chamou de messias o genocida
E mesmo agora que tantos perdem a vida
Parecem continuar a histeria coletiva:Camisa da CBF e arminha com a mão.
Povo que em 2018 elegeu 4 anos de morte e trouxe pra nação essa má sorte
Que não sabemos quanto vai durar.

Alma Latina

Hoje eu caminhei 19129 passos – Culpa dos ônibus lotados que me fazem ter pavor de pegar covid-19. Voltei caminhando boa parte do percurso trabalho-casa e faço a vocês uma confissão: Estou com preguiça de digitar o resumo do último livro lido.

Mas, como não quero perder o BEDA, vou compartilhar com vocês o vídeo de uma cantora colombiana que tem uma voz deliciosa!

E vocês? Quando se trata de música latino americana, quais cantoras/cantores/bandas me indicam?

Um ilustre visitante – BEDA 09

Meu tio mora na zona rural de uma cidade inserida no cerrado brasileiro e sempre me envia fotos e vídeos dos animais que aparecem por lá.

Hoje vi uma reportagem dizendo que, se não mudarmos nossos padrões de produção e consumo imediatamente, será tarde demais para reverter o colapso do clima. Estamos caminhando pra uma extinção em massa e, acreditem: A COVID-19 foi apenas a primeira catástrofe e tem coisas piores pela frente!

Compartilho o vídeo deste belo porco espinho como um incentivo a mudanças! O mundo é muito bonito para ser destruído por uma espécie presunçosa, arrogante e porca . Vamos preservar nossa fauna, flora e recursos naturais!

Esse post faz parte do projeto BEDA (Blog wvery day august)

O pacto final

O ano é 2050.
Um homem ruivo com a pele cheia de sardas abre os olhos. O céu está escuro. Ele pergunta as horas para o dispositivo eletrônico que coordena e executa diversas funções na casa. Levanta e veste um macacão que protege contra a radiação e as altas temperaturas e um capacete que mais parece um aquário virado ao contrário. Acopla o capacete a um pequeno filtro cilíndrico que coloca nas costas.
Sente saudades da infância – A época em que o mundo começou a mudar, com a pandemia da covid-19 varrendo do mundo quase um terço da população humana. Ir até a escola de máscara era cansativo e não impediu um genocídio quando novas variantes se espalharam. Por isso já não haviam escolas e a maioria dos trabalhos tornou-se remota. Ele não conhece a vida adulta no mesmo mundo que os pais e avós, mas sabe foram essas gerações que destruíram aquele planeta tão bonito que hoje existe apenas nos livros.
Sobraram poucos humanos e vigora um pacto de não-reprodução. A espécie não tem mais nada para acrescentar ao mundo.
Ele olha uma última vez para o céu vermelho e segue para o lado externo da casa. No quintal está construindo uma pequena fortificação com informações que considera importantes – Se algum dia o planeta se recuperar e outro animal evoluir a ponto de entender, talvez evite cometer os mesmos erros do quase extinto ser humano.

Este post faz parte do BEDA (Blog Every Day August). Acompanhe também os posts de: Lunna, Claudia, Adriana, Obdulio, Mariana e Roseli.