Poema vegano (BEDA 16)

Num tapume qualquer da cidade
Um pedido. Uma ordem. Uma verdade:
Não mate.
Não coma. Não cozinhe.
Não desmate.
Não seja mesquinhe.
Não pare um coração
Não há razão
Pense verde
Pense cores
Alimento de verdade
Sabores
Sem morte
Sem crueldade
Com sorte
Mudando a realidade

Este post faz parte do BEDA (Blog Evert Day August)

O início do dia (Receita: Arepas)

“Em que momento um novo dia começa? Será que é quando o relógio marca zero hora? Ou quando os olhos se abrem e o corpo se estica em uma espreguiçada gostosa? Com raras exceções, meu dia só começa quando caminho tropega de sono até a cozinha, bebo água e começo os preparativos pro café da manhã, relembrando os sonhos da noite ou pensando nos sonhos que gostaria de ter sonhado, enquanto misturo 100gs.  de farinha de milho com um pouco de sal, azeite e 200 ml de água formando uma massa homogênea. O café no filtro de pano. A frigideira antiaderente untada com azeite e aquecida onde coloco discos feitos com a massa preparada. A água escorrendo pelo pó de café num som suave de gotejar, o aroma de café, aroma de memórias afetuosas. Viro os disquinhos que estão na frigideira, deixando o outro lado dourar. Numa caneca colorida, bastante café, forte e sem açúcar. No prato, os discos feitos de milho – ou arepas – como são chamados em vários países da América do Sul. Sei que há formas diferentes de fazer arepas, assim como há formas diferentes de começar o dia, ou sonhar  ou contar uma historia ou passar uma receita. E assim, pensando coisas leves inicio o meu dia, fugindo por breves momentos do caos que se abate sobre o mundo, das incertezas, dos afazeres e mergulhando por mais alguns minutinhos em aromas, sonhos, amor, lembranças e esperança.
E o seu dia? Como começa?”

Só mais um dia – Mudança de hábitos

Acho que já comentei em alguma postagem sobre meus dias insanos. Não é fácil morar na periferia, depender de ônibus para ir até o trabalho em outra cidade e ainda estudar em uma terceira cidade. São muitas horas fora de casa, muito peso na mochila, muito sono e muito sedentarismo. Resultado: Cansaço, falta de ânimo e uns quilos além do desejado. Não é esse o “pacote” que sonhei para a minha vida. Nunca foi. Então, dia 31 de Outubro – Benditas sejam as Bruxas, sábias e protetoras da natureza – eu tomei uma decisão que jamais imaginei tomar: Estou pagando para ser torturada! Fiz matricula em uma academia. Agora, chego do curso por volta das 22:30h e ainda me exercito até meia noite antes de ir para casa e desabar na cama. Loucura? Sim, mas é o único jeito de sair do sedentarismo no meu atual momento. E como nenhuma decisão maluca vem sozinha, decidi parar com a coca cola. Hoje completo 39 dias sem a bebida que foi um vício por muito tempo (seriam 40, mas bebi meio copo no meu aniversário). Nunca imaginei que fosse tão difícil mudar esse hábito – A falta da coca cola tem me deixado com mais fome, instabilidade de humor e falta de concentração. Poucas vezes bebi outro refrigerante (acredito que duas ou três latinhas de Citrus que tinha em casa), e pretendo em 2020 não beber nenhum tipo de refrigerante. Cada vez mais tenho acreditado que devemos mudar radicalmente nossos hábitos de consumo – pode parecer clichê, mas o bom e velho descascar mais, desembalar menos parece ser afinal uma ótima saída para o meio ambiente e para a nossa saúde. Vou conseguir chegar ao ponto “lixo zero” da vida? Em 2020 não, e nem sei se algum dia, mas preciso fazer a minha parte por mim e pelo planeta, não é verdade? Até aqui os resultados estão sendo bons: Três quilos a menos sem dietas malucas, uma economia de aproximadamente R$90,00 com refrigerante nesse período e menos lixo gerado para o meio ambiente (Em casa eu utilizava as garrafas retornáveis, mas na rua sempre acontecia de beber uma pet 600ml ou latinha). E vocês? Quais hábitos mudaram nos últimos meses para melhorar a própria vida e ajudar o planeta? 

 

_____________________________________________________________

Gostou do texto? Não esquece de seguir a página Devaneios e Poesias lá no Facebook e o Instagran @poetisa_darlene

 

“Carne” louca

A “Carne” de jaca verde é muito saborosa e se assemelha bastante à textura da carne desfiada em saladas ou do frango em recheios. Hoje vou postar aqui a receita da “Carne” louca (Aquela servida em festinhas e reuniões) e explicar como eu faço para limpar a jaca verde (que tem um leite grudento que só pelos Deuses). Também coloquei na postagem as fotos da minha “Carne” louca e um vídeo do canal Presunto Vegetariano que mostra como limpar e preparar a jaca, de uma forma um pouco diferente da minha – fica a critério de vocês decidirem qual a melhor forma para preparar. No mesmo vídeo tem uma receita de fricassê de jaca que parece muito apetitosa (ou seja, em breve eu testo e digo se ficou boa). No vídeo eles ensinam a refogar a carne de jaca, o que não será necessário para a nossa receita de hoje que é uma salada!

Bom, chega de falar né? Mãos a obra e bom apetite a todos!

Ingredientes:

“Carne” de jaca cozida e desfiada
Azeite
Alcaparras
Vinagre (de preferência de vinho tinto)
Sal
Cebola
Água

Preparo:

“Carne” de jaca:

Pegue uma jaca bem verde. Lave. Lambuze uma faca grande (daquelas de cortar carne) com óleo. Corte a jaca de ponta a ponta e retire o talo do centro, descartando-o.  Corte a jaca em fatias largas (como postas) e cozinhe em panela de pressão – deixe abrir pressão e conte 10 minutos – desligue o fogo e espere sair a pressão para abrir a panela. Escorra a água, retire a casca da jaca e em uma vasilha vá separando as partes que parecem desfiadas. Em outra vasilha reserve a polpa mais rígida que envolve as sementes e em outra vasilha coloque as sementes. A parte da “carne” que iremos utilizar nesta receita é a parte desfiada.

Carne Louca

Tempere a quantidade desejada de carne de jaca com azeite, alcaparras, vinagre, sal, cebola picadinha e um pouco de água. Deixe descansar na geladeira por no mínimo 12 horas e sirva com torradas, pãezinhos ou como salada.

Dicas:

– Você pode congelar em pequenas porções a “carne” de jaca cozida para temperar e utilizar depois

– Os caroços podem ser torrados e consumidos como castanhas.

– As partes mais rígidas podem ser congeladas em porções menores e depois utilizadas bem picadinhas em molhos ou outras receitas.

CAM01204 CAM01208

Yakissoba

INGREDIENTES:

500gs de macarrão (utilize a massa própria ou o espaguete mais fino que encontrar)**
150g de brócolis (de preferência tipo ninja)
2 cenouras
100g de vagens finas
150g de couve-flor
100g de cogumelos paris
1 pimentão cortado em tiras
1 cebola em rodelas
Azeite
1 vidro de shoyo (não será utilizado até o final)
Gergelim preto
Girassol (opcional)

PREPARO:
Cozinhe o macarrão, deixe escorrer e reserve. Descasque as cenouras e coloque para cozinhar sem cortá-las, se desejar cozinhe junto com a couve-flor sem deixá-los ficar muito moles – retire a cenoura ainda firme e fatie bem fino, reservando. A couve flor deve ser retirada também ainda firme, escorrida e reservada, já separada em floretes. O Brócolis deve ser cozido da mesma forma que a couve-flor, ou seja, tomando cuidado para manter  bem firme. Escorra e deixe reservado. Fatie os pimentões, a cenoura e os cogumelos. Coloque azeite no fundo de uma panela, e aos poucos coloque pequenas porções dos legumes, deixe fritar levemente, retire e reserve. Vá sempre colocando um pouco de azeite para não grudar. Faça o mesmo com o macarrão tomando o cuidado de colocar porções pequenas, retirar e reservar (para não perder azeite, pode reservar na travessa que for utilizar para servir). Por último dê uma leve dourada nas sementes de girassol e quando estiverem no ponto desejado, coloque um pouco mais de azeite e uma boa quantidade de shoyo e devolva o macarrão e os legumes para a panela aos poucos, mexendo bem para ficar bem misturado. Coloque em uma travessa, polvilhe com o gergelim e sirva.

CAM01243

** ATENÇÃO – O a maioria dos macarrões é feito a base de ovos, portanto, se você já for vegano(a) ou se estiver em transição para o veganismo, leia a embalagem antes de comprar para ter certeza de que a massa não tem ovos!

Livro de receitas veganas grátis

Há um tempo não publico receitinhas veganas por aqui… Anda tudo tão corrido que tenho me limitado ao básico, nada diferente, nada com fotos bonitas… Hoje estava pensando nisso quando abri o meu facebook e me deparei com a notícia de um livro de receitas veganas totalmente gratuito! Não é incrível? Baixei rapidinho e deu água na boca e vontade de me trancar na cozinha e fazer tudo (é, não vai dar pra fazer isso).

O livro foi organizado com base nas receitas da página do facebook Ogros Veganos – recomendo que todos os fãs de culinária vegana curtam essa página! É de dar água na boca! É possível baixar o pdf grátis nesse link aqui ou comprar a versão impressa aqui.

Hambúrguer de Ervilha Seca

Tempos atrás postei aqui uma receita de hambúrguer de grão de bico, lembram? Então, esses dias eu testei substituir o grão de bico pela ervilha seca e ficou simplesmente fantástico! Vou passar a receitinha pra vocês e espero que gostem – e como ilustração a foto de um lanche gigante que eu devorei com este hambúrguer incrível! 2 Xícaras de ervilha seca cozida e escorrida (irá render aproximadamente 4 xícaras após cozinhar) 10 Colheres de Azeite 1 Cenoura ralada ½ Cebola picada 1 dente de alho grande picadinho Salsinha à gosto Salsão (opcional) 3 Colheres de Aveia em flocos ½ xícara de gérmen de trigo 2 colheres de farinha de rosca Sal e pimenta à gosto. Preparo: Refogar no azeite o sal, a pimenta, o alho, a cenoura, a cebola, o alho, a aveia e o gérmen de trigo. Reservar. Bater a ervilha cozida sem o caldo no multiprocessador. Colocar em uma bacia e juntar os ingredientes refogados, mexendo bem. Acrescentar a salsinha e a farinha de rosca para dar liga (ver dicas) Dividir em bolas e moldar os hambúrgueres, levando-os para a geladeira por no mínimo uma hora. Untar uma chapa/grelha antiaderente com óleo e fritar os hambúrgueres. CAM01193 *** O lanche da foto foi montado com: Hambúrguer de ervilha seca, tofu passado na frigideira só pra dourar, cebola dourada na grelha com molho shoyu e alface… Ficou muito bom!

Tofu

Ingredientes:

1 kg de soja
1/2 xícara de vinagre
1 limão

Utensílios:

3 panos limpos e sem cheiro de sabão/amaciante
Uma peneira/escorredor de macarrão

Preparo:

Leite de soja: Coloque a soja de molho por umas 8 horas. Lave bem e tire toda a casca com o auxílio de um pano ou manualmente esfregando os grãos entre as mãos e separando a casquinha. Lave bem os grãos e bata no liquidificador na proporção de dois copos de água para um de soja.
Utilizando uma peneira ou escorredor de macarrão forrado com um pano, vá coando o leite de soja aos poucos, espremendo bem no pano e descartando o resíduo.
Após coar todo o leite, retire com uma colher a espuma que se formou. Leve a uma panela e deixe ferver (só um ou dois minutos após entrar em ebulição). Desligue o fogo e espere começar a esfriar (o leite deve estar por volta de 80 graus, então não é necessário esperar esfriar por muito tempo). Coloque o vinagre, mexendo levemente. Em seguida coloque o limão. O leite começará a coagular. Deixe em repouso por uns 15 minutos.
Forre um escorredor de macarrão ou peneira com um pano. Com uma escumadeira, vá retirando a parte coagulada e coloque na peneira. Feche com as beiradas do pano e coloque um peso (pode ser um prato pequeno). Deixe algumas horas até escorrer todo o soro. Desenforme num prato.
Dura por cinco dias na geladeira.

CAM01188

Nhoque de Biomassa

CAM01180

Ingredientes – Biomassa

8 bananas nanicas bem verdes

Modo de preparo:

Cozinhar tudo em panela de pressão por 8 minutos e depois desligar e deixar mais uns 12 minutos cozinhando somente na pressão. Descascar e bater ainda quente no liquidificador. Deixar esfriar e depois levar à geladeira por uma hora.

 Ingredientes massa:

Uma receita de biomassa

5 colheres de aveia em flocos finos

Temperos a gosto (Curry, alho moido, sal, pimenta, o que preferir)

Farinha de trigo

 Preparo:

Misturar a biomassa com os temperos, a aveia e a farinha até ficar num ponto firme, mas ainda grudento. Espalhar farinha numa superfície lisa, colocar uma porção generosa de massa, enrolar formando uma “cobrinha” com a massa. Cortar em pedaços. Numa panela, ferver água com um fio de óleo e sal. Cozinhar o nhoque nessa panela colocando os nhoques de pouco em pouco – o ponto de tirar ele da água é quando começar a flutuar. Ao retira-lo da água fervendo, colocar numa assadeira com água fria. Depois de cozinhar todos, escorrer e servir com molho de sua preferência.

Pimentões recheados com PVT

Pimentão cheio com carne de soja e arroz (9)

Quem disse que comida vegana tem que ser sempre gourmet, cara e difícil de preparar? A receita de hoje é super fácil, barata, simples e saborosa. Uma dica é servi-los como na foto: com arroz e feijão branco (pode ser outro de sua preferência).

INGREDIENTES:

3 pimentões pequenos
¾ de xícara de PVT (proteína vegetal texturizada) fina
1 tomate picadinho
1 cebola picadinha
1 dente de alho
12 vagens picadinhas
Azeite
Temperos à gosto (eu uso curry e sal)

PREPARO:

Hidrate a PVT deixando-a de molho em água até dobrar de tamanho. Escorra e esprema bem pra tirar todo o líquido. Numa panela, coloque um fio de azeite e refogue o alho, metade da cebola e os temperos, coloque a PVT e refogue bem. Depois que a PVT já estiver refogada, coloque metade do tomate e as vagens picadinhas. Coloque água e deixe cozinhar até a vagem ficar macia (e até a PVT estar seca).
Lave bem os pimentões, retire uma “tampa” deles com cuidado, retire as sementes e lave por dentro. Escorra. Recheie com a PVT e coloque a “tampa” prendendo com palitos de dente.
Numa panela, coloque um fio de óleo ou azeite e frite os pimentões delicadamente até soltarem a pele. Retire-os da panela e raspe-os até sair toda ou a maioria da pele.
Em outra panela, refogue o restante do tomate e da cebola e azeite pra fazer um molho acebolado. Sirva os pimentões com esse molho.