Um conto de páginas em branco, sonhos e raios de Sol

Naquela Segunda-Feira o dia começara diferente – O Sol, que sempre a encontrava com feições de sono, a encontrou em pé, pensativa, observando os primeiros raios de luz que se esgueiravam pela porta entreaberta da cozinha. Tivera um sonho bom na noite anterior – Um sonho tranqüilo, onde ela e ele caminhavam de mãos dadas e pés descalços em uma areia clara. Acordou com uma sensação boa, uma vontade de sorrir e de vê-lo novamente, sabia, entretanto, que com sorte conversariam um pouco por mensagens e nada mais – Afinal, a vida insiste em adicionar mais afazeres do que horas livres na vida das pessoas. Pegou o caderno para guardar na bolsa – Há dias não conseguia escrever  nada que não fosse sobre aquela noite ou o que sentira depois disso – Prometeu a si mesma escrever sobre outra coisa naquele dia, mas, antes de guardar o caderno, abriu a última página em branco e começou a escrever – traçou linhas e outras tantas linhas sobre o quanto foi real a sensação de caminhar com ele durante aquele breve sonho interrompido cedo demais pelo despertador, sobre como suas mãos pareciam encaixar-se perfeitamente e seus passos se alinhavam na areia, como se caminhassem numa coreografia. Ela escreveu sobre o sorriso dele, sobre os olhos que eram ao mesmo tempo lago e floresta e a faziam sentir-se menina-sereia-fada. Ela escreveu sobre o sol ameno e o mar azul, sobre a areia branca que foi em seu sonho o tapete de um caminho feliz. E escreveu sobre acordar desejando continuar o sonho. Naquele amanhecer, ela acordou com vontade de voltar aos sonhos e de poder voltar no tempo. E então, olhando aquelas páginas, pela primeira vez, perguntou-se quando havia passado a vê-lo como alguém que lhe despertava desejos que iam além da amizade compartilhada – desde quando mãos entrelaçadas e abraços haviam deixado de ser meras alegrias e carinhos com sabor de infantil ternura? Quando se dera conta do quão atraente ele era e passara a desejar mais que meramente amizade? Eram tantas perguntas sem respostas que iam se acumulando – E que adiantava afinal tentar respondê-las? Qual a importância de delimitar sentimentos por datas exatas? Marcara a data do primeiro beijo- que talvez fosse o último – ou o primeiro, e concluíra que não era importante saber desde quando o olhava com olhos de moça encantada. A vida seguiria, assim como seguiam os minutos passando, a água do café fervendo, o Sol subindo mais e mais em direção ao centro do céu. A vida seguiria e se encarregaria de tornar aquele sonho real ou não. A vida seguiria e ela seguiria junto, escrevendo seus diários como fossem contos, como se pudesse observar do alto e de longe, numa vã tentativa de se proteger daquele turbilhão de sentimentos ao colocar-se como observadora. A vida seguiria e ela haveria de aprender novamente a se proteger, quando na verdade, o que mais queria era ser protegida dentro daquele abraço que a apartara do mundo por alguns instantes e a fizera voar ao céu…

 

09-10-17

 

Anúncios

Imortal – Histórias de Amor Eterno

Vampiros são seres misteriosos que há tempos preenchem um espaço considerável na literatura e nos filmes. Há uma diversidade de possíveis características e origens possíveis que explicam a existência desses seres – bem como cada autor desenvolve de diferente forma a interação entre vampiros e humanos

Imortal – Histórias de amor eterno é uma obra literária organizada pela autora P.C Cast e reúne várias histórias envolvendo vampiros e outros seres sobrenaturais, de diversas autoras, permitindo ao leitor apreciar sob diferentes prismas a trajetórias e características destes seres incríveis e apaixonantes

Uma leitura leve e ideal para quem está com pouco tempo para dedicar-se às leituras, uma vez que uma história não guarda relação nenhuma com a outra, o que permite apreciar o livro aos poucos – Isso quando o leitor consegue desgrudar os olhos do papel antes de terminar a leitura.

O livro é ideal para presentear pré-adolescentes e adolescentes, uma vez que seu clima romântico é delicado sem apresentar grandes detalhes sensuais ou íntimos, ao contrário do que acontece em outras histórias do gênero.

P.C Cast, organizadora da obra, é uma das autoras da série House Of Night – O que já a torna uma excelente indicação em termos de literatura fantástica.

Um conto de céu, muros e incertezas

Estava escuro lá fora. Ela encarava o céu buscando encontrar uma resposta, uma direção ou um pouco de paz – O céu, por sua vez, parecia encará-la de volta, sério e compadecido da angústia que a envolvia. O relógio corria tão rápido, mas não tão rápido quanto o pulsar de seu coração. Havia passado anos construindo um muro alto ao redor de seu coração – um espaço seguro com janelas pequenas, de onde podia ver o mundo sem se ferir. Ela pensava estar segura, protegida. Seu coração era seu castelo, habitado por poucas pessoas que jamais a magoariam – família e uns poucos amigos amados. E então, naquela noite, aconteceu – aqueles olhos onde sempre encontrara amizade e pureza haviam se tornado tentações, lagos profundos, recantos convidativos. E ela mergulhara… Seus muros não eram tão fortes afinal, seu coração não estava tão protegido como havia imaginado. O toque da pele dele ainda queimava sobre a sua, e, aquela noite de primavera, aquela rua escura, aquele espaço-tempo que vivera, ainda habitavam seus sonhos, seus pensamentos e seus suspiros. Olhou novamente o céu – Era sábado. Havia passado poucos dias, nem uma semana. O tempo ainda iria fazer seu trabalho e transformar aquela memória em um devaneio, algo que poderia ou não ter acontecido. Talvez, em um futuro distante, ela conseguisse até mesmo acreditar que fora apenas imaginação. Naquela noite, ela olhou uma última vez para o céu, fechou a porta e pegou o caderno para escrever – queria deixar registrada a onda de emoções que a estava invadindo naquele momento, a verdade é que sabia que era melhor esquecer, porém seu coração desejava apenas mergulhar novamente, sem precisar voltar à superfície. Mergulhar até que os muros que havia construído fossem se dissolvendo e a deixassem livre para nadar no oceano de incertezas de um afeto romântico e doce. Ela ouviria seu coração que pedia mergulhos profundos ou a lógica que lhe assoprava aos ouvidos para que aumentasse suas proteções – se ainda houvesse tempo para isso.

 

07-10-2017

Clube do Livro: Leituras de Outubro

Mês passado comentei aqui no blog sobre o projeto do grupo “Clube do Unicórnio”, um espaço virtual muito bacana cujo foco é realizar ao menos uma leitura por mês, sempre em conjunto, de forma que todos leiam o mesmo livro para poder conversar sobre ele, apresentar resenhas e, até mesmo, apresentar os textos que escrevemos em nossos blogs.

Para o mês de Outubro foram escolhidos dois livros: Fangirl e A Bela e a Adormecida.

Título :Fangirl

Autora: Raimbow Rowell

Editora Novo Século

Fangirl inicia como a maioria dos livros voltados para o público adolescente – linguagem fácil, foco na família e também nas novas experiências que a vida proporciona – no caso, a ida para a faculdade. É difícil não gostar do livro que tem um pequeno toque de comédia romântica, aliado a um enredo moderno sobre duas gêmeas: Cath e Wren. abandonadas pela mãe, as irmãs criadas pelo pai são idênticas em aparência e completamente diferentes em comportamento. Wren é uma garota popular; Cath também é popular, porém poucas pessoas sabem – Ela é autora de uma fanfic de sucesso baseada em uma série popular entre adolescentes o que faz com que mantenha várias amizades virtuais, mas poucas amizades na vida real.  E é no primeiro dia de faculdade que o livro se inicia – uma Wren ansiosa por novas experiências e uma Cath assustada por dividir pela primeira vez o dormitório com uma completa estranha.  Entre confusões, emoções e um romance delicado, o livro narra não apenas a jornada de auto-descobrimento de Cath (e porque não dizer, de Wren também) como também o encontro da jovem com sua verdadeira vocação: A escrita.

Opinião: Um livro muito bom, com enredo e vocabulário fáceis. Me identifiquei muito com a personagem Cath – me reconheci na timidez e no gosto pela escrita, embora nunca tenha me arriscado a criar uma fanfic.

Título: A Bela e a Adormecida

Autor: Neil Gaiman

Editora: Rocco

 

A Bela e a Adormecida é um conto de fadas, uma releitura bem interessante dos contos de fadas na verdade. Um livro curtinho, de leitura fácil, capaz de absorver a atenção do início ao fim e, principalmente, capaz de surpreender no final.

Opinião: Não gosto muito de livros curtinhos, sinto como se não conseguisse ter tempo de me apegar aos personagens – e no caso de A Bela e a Adormecida, o livro torna-se muito curto por ter ilustrações nas páginas. E por falar em imagens, a capa do livro é linda!

 

 

 

 

 

 

 

Humor da vida real: Dia do Operador de Caixa

16 de Outubro é dia do operador de caixa – profissão que já exerci por um ano e meio. Há quem fique mal-humorado e cansado somente com a obrigação de ir até o mercado fazer suas compras – Se é cansativo para quem é cliente, para quem está mais de seis horas em pé repetindo um texto padrão e oferecendo recarga de celular, chega a ser exaustivo. Lembro várias vezes em que tive vontade de sair andando e deixar todos e todas falando sozinhos! Quando se exerce profissões onde a lida com o público é diária e intensa, é possível perceber o quanto nosso sistema coloca um trabalhador contra o outro: Operadores de caixa são trabalhadores com uma rotina cansativa, mal-remunerada e sem o mínimo de reconhecimento por parte da empresa – e esses profissionais atendem pessoas cansadas, mal remuneradas e sem reconhecimento em suas empresas, pessoas que chegam ao mercado com seus salários mínimos, suas necessidades e desejos, seu cansaço e se deparam com preços altos, filas – irremediavelmente acabam transferindo seu mau-humor para quem? Para o operador que os está atendendo! Ainda assim, e talvez até por isso, confesso que sinto falta do trabalho – de atender, empacotar compras tentando economizar sacolas numa tentativa de fazer a minha parte e conscientizar as pessoas sobre o meio-ambiente e a necessidade urgente de se utilizar sacolas retornáveis e não plásticas. Sinto falta de oferecer recargas tentando bater metas e até mesmo de observar a fisionomia chocada de alguns ex-professores e ex-colegas de faculdade inconformados por me ver ali, naquele PDV (ponto de venda ou caixa) mesmo tendo a carteirinha da OAB em mãos. Sinto falta das risadas com os colegas na hora do almoço e por isso mesmo, resolvi escrever este texto: Para parabenizar a todos os operadores e operadoras de caixa e, porque não, para contar algumas histórias engraçadas que já me ocorreram na lida com a clientela. Querem ler? É só acompanhar os parágrafos abaixo! (Cuidado: Inapropriado para crianças)

  • “Tomara que sua praga pegue”:

Véspera do feriado de Sexta-Feira Santa. Aquele calor infernal, colegas faltando por doença, computadores travando a todo o momento e filas alcançando o fundo da loja. Imaginou o caos? Novata, logo fico sem troco. Em dado momento não tenho cinco centavos para uma cliente e peço educadamente que espere alguns instantes que logo a fiscal me traria troco – a cliente, em seus saltos altos e olhar de emproada solta aquela expressão “vai tomar no C*”. Eu poderia repetir a expressão e acabar suspensa, fazer cara de coitada e ignorar, mas não, respirei fundo e, com um olhar de superioridade respondi “Deus te ouça! Tomara que sua praga pegue! Eu adoro, mas ultimamente ta difícil conseguir um bofe… faz uns 6 meses que não consigo um! Quem me conhece sabe que sou quase assexuada e tenho aversão a relações íntimas, portanto só poderia estar tirando onda com a cara da cliente). A criatura ficou pálida, roxa, rosa, azul – E as pessoas atrás dela na fila riram muito! Detalhe: O cliente de trás deu uma moeda de dez centavos para ela ir embora,

  • “Bebedeira por tabela”

Outro dia engraçado, não pelos clientes, mas por um acidente de trabalho: Derrubei uma garrafa de 51 no chão – Pensa em alguém que trabalhou sentindo cheiro de pinga por quatro horas seguidas? Sério, como alguém bebe aquilo? Naquele dia tive uma quebra de caixa de pelo menos dez reais, senti dor de cabeça, sono e não conseguia falar nada com nada. Então, fica a dica: Nunca, jamais, fique em um ambiente com cheiro de pinga.

  • “Comemorando os anos de casado”

Essa eu compartilhei no Facebook na época que aconteceu. Estava eu no caixa preferencial e um senhor, levando vinho, queijo e um  pequeno vaso de violetas comenta que estava preparando a comemoração da “bunda de ouro” com a esposa. Achei estranho o termo, pois sempre ouvi falar em Bodas de Ouro. Outro cliente, aparentemente estranhando a situação, pergunta “mas não seria Bodas de Ouro”. Ao que o primeiro idoso responde – “Não, não, é bunda de ouro mesmo. Afinal, são muitos anos sentando na mesma (acho que não preciso escrever o palavrão né?), Confesso que apesar de rir, fiquei triste – a mulher é tratada como um objeto até mesmo após uma longa vida conjugal? Desrespeito total com a esposa e com todas as mulheres da fila – e, com certeza esse mesmo senhor deve resmungar pelos lugares sobre a “falta de respeito dos jovens”.

  • Quem é mais preferencial”

     Outra situação engraçada que sempre acontecia na fila: Briga para passar no caixa preferencial. Certa vez havia uma gestante e, logo atrás dela, uma moça com bebê no carrinho. A moça com bebê encrencou muito com a gestante dizendo que deveria ser atendida antes, pois o bebê dela já tinha suas necessidades e o da outra ainda estava “na barriga”. Dias depois um idoso reclamou sobre a presença de uma cadeirante na fila preferencial, pois a cadeirante “já está sentada e não irá se cansar”. Era uma das minhas filas favoritas, e também uma das que mais rendia histórias engraçadas.

  • “A parte automotiva é logo ali”

Carnaval. Uma cliente pergunta “- moça tem K.Y para vender?”. Eu pergunto o que seria o tal produto e ela responde que é lubrificante. “-Ah, isso é fácil! O setor automotivo é aquele primeiro no corredor aqui em frente”. Ela riu muito e depois explicou qual o tipo de lubrificante que estava procurando.

  • “Clube Extra? Nota Paulista?”

Essa história aconteceu fora do expediente – Na verdade, eu estava entrando no ônibus quando o motorista me disse uma “-Boa noite”.  Mais que acostumada ao padrão de atendimento eu respondi “-Boa noite. O senhor deseja colocar o Clube Extra e a Nota Fiscal Paulista?”. É… Acho que o cansaço estava grande…

E você? Tem alguma história engraçada para contar? Algo que aconteceu na hora de passar suas compras no caixa ou no seu horário de trabalho como operadora de caixa? Conta nos comentários e não esquece de marcar nessa postagem todos os amigos e amigas operadores para eles rirem bastante!

POSTAGE

Professores

Na vida encontramos seres especiais enviados pelo universo para nos guiar pelos caminhos e nos ensinar, nos fazer evoluir – As pessoas que nos trazem ao mundo e nos cercam de cuidados em nossos primeiros dias e a quem chamamos família são sem dúvida os primeiros seres especiais que surgem para nos guiar. Mas nós crescemos rápido e pouco tempo após a nossa chegada, somente a família já não é suficiente. Então, neste momento, surgem outras pessoas muito especiais: Nossos professores. São eles que irão nos ajudar a estabelecer relações sociais com nossos colegas de sala, eles irão nos ensinar a dividir espaço, objetos e brinquedos. São nossos professores que nos ensinam a entender o mundo através dos olhos de outros quando nos ensinam a ler e interpretar textos – e ao entendermos o mundo através de tantos pontos de vista diferentes começamos a sonhar e traçar tantas metas e objetivos – ainda que sejamos demasiadamente pequeninos para saber o que são metas e objetivos e entender que em algum momento teremos que escolher entre um e outro caminho. E conforme vamos crescendo, vamos também deixando estes anjos do universo para trás, para que possam ensinar outras crianças que precisam deles, e para que possamos encontrar nosso próximo mestre. E essa seqüência não tem fim! Vamos terminar o ensino infantil, o ensino médio, a faculdade, a pós graduação e, enquanto tivermos viva na alma a vontade de aprender, o universo irá nos enviar seus seres especiais para enriquecer nossas vidas com conhecimento e descortinar diante de nossos olhos caminhos que podemos escolher percorrer ou não. Neste dia 15 de Outubro desejo a todos os professores e também àqueles que ainda estão em formação para tornarem-se professores, que consigam apesar de todos os percalços, encontrarem em seu coração a luz e a esperança que trazem para dividir com seus pupilos. Desejo também que consigam encontrar força e construir união para lutar por condições dignas de trabalho, valorização profissional e estrutura adequada – que sejam duros em busca de seus direitos e amorosos na lida com os estudantes deixando a eles não apenas o conhecimento das disciplinas que vieram ensinar, mas também a mente aberta ao questionamento, o senso crítico e a vontade de construir um mundo justo para todas e todos. Feliz dia dos professores e obrigada por existirem!

 

Um feitiço de Hera

 O relógio do celular marcava cinco horas. Poderia dormir pelo menos mais quarenta minutos, mas o sono não vinha. Torrou duas fatias de pão com azeite e colocou a água para ferver. Havia um caderno em cima da mesa, ao lado do pequeno vaso de Hera que ganhara na noite anterior – Olhar para o vaso fez seu coração se acelerar – era o mais próximo de uma flor que já ganhara na vida. Procurou não pensar nisso – amigos também trocam prendas eventualmente. Ainda assim sorriu e pegou o caderno, relendo o que havia escrito antes de ir dormir e, em seguida,rabiscando acima da primeira linha o título “Um conto de lagoas profundas e mergulhos”.  A água já fervia, colocou o pó de café no coador – não costumava tomar café pela manhã, mas essa manhã sentia vontade.  O líquido quente passava pelo pó no coador e derramava-se preto e odoroso pela jarra. Serviu uma xícara, sem açúcar, e se sentou novamente – já não olhava o caderno com suas páginas em branco ou a plantinha sorridente sobre a mesa – o calor e o aroma da bebida a sugavam por um túnel do tempo até a noite anterior – até aquele beijo com sabor de café e surpresa e aquela sensação estranha de ter borboletas voando pelo estômago. Em mais de três anos, era o primeiro beijo que realmente quisera dar – e isso a estava deixando confusa – qual o motivo de ter tomado tal iniciativa? Fora definitivamente bom, tão bom que a lembrança ainda se fazia presente. Respirou fundo e fechou os olhos como se pudesse realmente voltar fisicamente no tempo por alguns instantes. Ouviu um barulho – Sua cachorra latia, quebrando aquela pequena viagem matinal. Afagou a cabeça da pequenina e tomou nas mãos um copo de água para molhar o vasinho sobre a mesa – sorriu ao se lembrar o significado que o amigo dissera: União. Hera é uma planta que simboliza união. Talvez tenha sido este o motivo do beijo na noite anterior, afinal: Um feitiço da pequena plantinha para unir ainda mais duas almas que já eram amigas há anos. Afagou as folhinhas, sorriu e falou para a planta: “- Você me lançou um feitiço, pequenina, mas exagerou na dose, não acha?”. O despertador tocou, quebrando de vez a magia de seus próprios pensamentos e lembranças. Hora de começar mais um longo dia. Guardou o caderno dentro da bolsa – mais tarde escreveria sobre o amanhecer, sobre café, beijos e feitiços de Hera. Sentiu um aperto no coração, pois sabia que seus escritos seriam a única coisa que a impediria de pensar que tudo fora um sonho confuso e bom – ou quem sabe não fosse melhor pensar que tudo era apenas um sonho, já que não havia esperança de um futuro diferente do que havia sido até o início da noite anterior?

05-10-17

10 músicas nem tão infantis que foram sucesso entre as crianças dos anos 90

Se você tem entre 25 e 30 anos há uma grande possibilidade de ter passado boas tardes ouvindo rádio FM e curtindo músicas que arrepiavam os cabelos dos adultos mais conservadores. Provavelmente hoje você lembra pouco ou quase nada desta fase, não é verdade? Em homenagem ao dia das crianças, vamos relembrar algumas dessas músicas e rir um pouco das baboseiras que a gente cantava e dançava?

  • Mamonas Assassinas: 

    A banda teve uma carreira meteórica e curta, interrompida por um trágico acidente aeronáutico. Embora o conteúdo das canções fosse claramente voltado aos adultos, o sucesso foi estrondoso entre os menores. Vamos falar a verdade, eles eram realmente engraçados e às vezes eu me pergunto se eles escondiam preconceito dentro do humor musical ou se era uma forma de ironizar o sistema social.

  • É o Tchan:

    Coreografias sensuais, mulheres objetificadas, pouca roupa, muito rebolado: Safadeza infinita. Quem foi criança em meados dos anos 90 ou início dos anos 2000 com certeza conhece refrões como “Ela fez a cobra subir, a cobra subir, a cobra subir”. Acredito que muitas meninas sonhavam em ser a próxima loira ou morena do Tchan e sabiam todas as coreografias.

    https://youtu.be/zQ_1Ozg7NsU

  • Bonde do Tigrão:

    Sim, nós que hoje temos 30 anos, fomos uma das primeiras gerações a ser direta e massivamente influenciada pelo funk, que foi moda e invadiu casas, escolas e festinhas. Se na época frases como “Vou passar cerol na mão” chocavam nossos pais, avós e professores, hoje percebemos que era só o começo de uma moda que polêmica ou não, vem se mantendo com o passar dos anos.

  • Tihuana

    Tenho saudades da época que tocava essa música no intervalo da escola!

     

  • Banda Eva/Ivete Sangalo:

Atire a primeira pedra quem nunca 5- cantou “Carro Velho” no carnaval…

  • Claudinho e Buchecha:

Outra dupla que teve a carreira interrompida por um acidente automobilístico. Foram com certeza parte da trilha sonora da criançada.

  • Netinho:

“Oh Milaaaaa”… Confesse: Quantas vezes sua família teve que ouvir esse refrão grudento mesmo fora da época de carnaval?

    •  Raimundos:

Essa música tocava no intervalo do colégio… Adequada #sóquenão

    Charlie Brown Júnior:

O eterno poeta do skate, das ruas e dos corações livres conquistou uma geração de fãs que até hoje, após a sua morte, ainda escutam e curtem aquele som único…

  • Gabriel O Pensador: Cachimbo da paz não é bem uma música infantil, mas, quem nunca cantarolou “maresia, sinta a maresia” pensando tratar-se do mar?(Infelizmente não consegui incorporar no blog o vídeo oficial, então o jeito foi usar essa montagem que encontrei no youtube)

Um conto de lagoas profundas e mergulhos

É noite. Foram horas alegres e, como em outras ocasiões, os braços se enlaçam num abraço longo, criam um pequeno refúgio, um abrigo para duas pessoas ficarem longe do mundo por alguns instantes – E de repente, no desenlaçar do abraço, a magia se faz mais forte. Olhos nos olhos – tão intenso. E teu olhar parece uma lagoa profunda – mistura de céu, mar, rio, floresta e tempestade. E naquele lapso de segundo o ar faltou – mergulhar tornou-se uma necessidade intensa. Uma urgência de afogar-me em teu olhar, de unir nossos lábios em um beijo sem pensar que meninas não deveriam ter essas iniciativas, sem pensar se haveria amanhã ou não, se seria uma página no livro da vida, um capítulo ou uma história inteira. Foi um mergulho intenso, suave, doce, breve – E agora se faz tarde, aproxima-se a meia noite, o sono e seus mundos oníricos. Inevitável pensar antes de cerrar os olhos. Impossível não escrever, não devanear… Será que você já está dormindo ou está pensando, rememorando, escrevendo também?

04/10/17

A menina submersa

Ler sempre foi uma atividade extremamente pessoal na minha vida – quase sempre escolhia o livro pela capa, pelo título ou por alguma indicação aleatória. Entretanto, no início deste mês de Setembro surgiu,em um dos grupos que participo no Facebook, o convite para participar de um Clube do Livro, o Clube do Unicórnio – um espaço de interação muito legal criado pela Carol do Blog Ei Carol em que o objetivo é ler um livro por mês e discutir sobre a leitura com as outras participantes.

O escolhido para o mês de Setembro foi “A menina submersa” e eu não poderia deixar de falar um pouco sobre ele, não é verdade?

“A menina submersa” – Um título intrigante. Confesso que não gosto muito de ler sinopses, mas acabei lendo o que trouxe ainda mais expectativas – que foram superadas a cada página!

A trama, embora narrada pela personagem principal, não segue uma linearidade e alterna entre primeira e terceira pessoa numa construção primorosa, permeada por pequenas histórias escritas pela personagem, memórias da infância, reportagens e descrições de obras de arte além de uma intrincada relação entre a vida e os contos de fada. Pode parecer confuso e talvez por isso a sinopse oficial do livro não adentre em tais meandros sobre a narrativa.  A autora retrata o delicado tema dos transtornos mentais por meio da personagem principal- narradora Imp e de sua “história de fantasmas” – A arte é, portanto, a catarse pela qual a personagem tenta manter sua frágil sanidade mental. Outro ponto interessante: Imp leva uma vida relativamente normal, apesar da doença: Trabalha, pinta, namora, escreve – e retrata tudo isso em detalhes, que, entretanto, podem ou não ser factuais. Se ela consegue lidar com isso? Na maioria do tempo, sim. Se o leitor consegue? Sim, embora com certa inquietação.  E talvez seja essa inquietação um dos fatores que fazem a leitura tão irresistível, como uma sede que só aumenta a cada página e sacia-se no desfecho.

 

A Menina Submersa – Caitlín R. Kiernan
Número de Páginas: 320 páginas
Editora: DarkSide® Books

Conheçam também o Clube do Unicórnio:

Exibindo Banner projetos Clube do Unicórnio.png