Brasil: Entre o gado, a COVID e a ignorância. Sobrará pedra sobre pedra por aqui?

Entre os fatos da semana, assisto sem muito espanto o presidente da república discursando contra o uso de máscaras – Não tenho palavras educadas para descrever o que sinto. Nos ônibus, algumas pessoas insistem em tirar a máscara – Além de enviar reclamações freqüentes e detalhadas – Que em nada tem adiantado – aos responsáveis pela viação, agora apelo para outro “truque”: Forço uma tosse contínua, algumas vezes “atendo” o celular e comento sobre a preocupação acerca do meu ambiente de trabalho que já conta com alguns casos confirmados (nenhuma inverdade nesta parte). Está cada vez mais difícil sobreviver no Brasil e, em alguns momentos eu me pergunto: O que é que ainda estou fazendo aqui? Aí me lembro que fiz direito e não informática ou ciências, carreiras que me tirariam daqui com maior facilidade. Arrependo-me da faculdade feita pela milionésima vez. Será que brasileiros são bem vindos como inspetores de alunos em outras partes do mundo? (Pesquisa Google) E nesse ritmo a semana segue entre más notícias, trancos e barrancos. O fato engraçado é que até mesmo Israel, país que o atual presidente tanto busca como parceiro, está vacinando em grande escala, fazendo inclusive propagandas bem incisivas contra os “palhaços” que negam a ciência. Palhaços, Bozo, Bozonaro… Seria mera coincidência?

            O fato, amigas e amigos, é que um ano após o primeiro caso de COVID no Brasil, temos um país em colapso, sem leitos de UTI, com a vacinação caminhando a passos de formiga, escolas reabertas, leis de isolamento em horários sem sentido e um presidente ameaçando não ajudar os Estados que decretarem lockdown. Ao mesmo tempo, observo ainda agora a reportagem sobre Whuan, cidade chinesa onde surgiu o surto de COVID – Impressionante o respeito humano, o uso de máscaras – Inclusive em crianças que ainda usam carrinho de bebê – mesmo já não sendo obrigatório, permanece. A medição de temperatura exposta em telas em cada lugar, os aplicativos que rastreiam as pessoas para avisá-las de que estiveram em lugares com suspeita de casos para que permaneçam em casa, de quarentena, caso haja a mínima chance de contaminação. A China provou que a tese brasileira de “Ou salva a economia ou salva vidas” não funciona – Por lá, com respeito, educação, união e um governo rigoroso e pautado na ciência, foi possível salvar vidas e economia, tendo em vista o crescimento econômico do país durante a pandemia. Invejável – Deve ser bom ter um presidente, não é mesmo?

            Nas últimas semanas, tirei férias desses meus textos de domingo – mas como um breve resumo do que aconteceu posso dizer que: O presidente deve pensar que militares que comem leite condensado se tornam Brigadeiros – Só isso para justificar os milhões gastos em leite condensado no ano anterior. Ou será que estamos desenvolvendo uma vacina à base de leite condensado? Seria a brigadeirovac? Tudo bem que o escândalo presidencial acabou abafado pelo início do “Big Brother Brasil” e suas polêmicas (nada contra quem assiste inclusive qualquer falarei sobre isso aqui) e em seguida pela prisão de Daniel Silveira – Deputado do PSL que fez um vídeo contra o STF. Se a prisão foi uma notícia boa, a reação dos congressistas foi bizarra: Tentaram votar, a toque de caixa, uma lei que blindaria ainda mais os parlamentares, tornando praticamente impossível prendê-los em flagrante – Essa foi por pouco! Vitória temporária do bom senso, a lei foi retirada de pauta. Outra notícia interessante: Brasileiros criaram geladeira e fogão solares – Acho que vai ser necessário, com o preço que vai o gás só temos duas opções: Cozinhar com o calor do Sol ou comer tudo cru. Por fim, o nada excelentíssimo finalmente dá sinais de retomar o auxílio emergencial – Em valor insuficiente e com a condição de retirar a obrigatoriedade dos investimentos mínimos em saúde e educação (soube que já houve alteração do texto e a saúde foi “salva” ou ao menos remediada) – Tudo bem que, no caminhar que as coisas vão, em alguns meses talvez já não haja mais necessidade de saúde, educação, previdência ou segurança – Afinal, mortos não precisam de nada disso. O importante é que voltamos a ter futebol e que a Karol Conka saiu do Big Brother Brasil com a mais alta rejeição – Só espero que este número se repita em 2022 na eleição que realmente importa – Então por favor, até lá, tentem vacinar o gado bolsonarista contra febre aftosa e deixem para nós, seres sensatos, a vacina da COVID. Enquanto isso, as músicas da Karol Conka seguem fazendo parte da minha trilha sonora  enquanto leio e observo os caminhos bizarros que o país vai tomando, com o desgoverno e seus militares – neste ponto, fico corroendo o desgosto de pensar que já cogitei seguir carreira militar – Ainda bem que em um lampejo de bom senso desisti da prova. Eu certamente não gostaria de estar neste lugar vergonhoso da nossa história. Apesar da vontade de jogar a toalha, sigo tentando sobreviver as duas epidemias que nos assolam: A de COVID e a de ignorância, sabendo inclusive que a segunda está colaborando ativamente para o sucesso da primeira.

Negacionismo mata! Vacina para todas, todos e todes. Auxílio emergencial já e #ForaBolsonaro

3 comentários sobre “Brasil: Entre o gado, a COVID e a ignorância. Sobrará pedra sobre pedra por aqui?

  1. Fê Akemi disse:

    Que texto!
    Realmente e infelizmente estamos passando por duas epidemias e eu sinceramente não sei qual delas é a pior. Ou vai ver que sei e não quero admitir. Pois o desespero do nosso cenário e a vergonha são enormes demais.
    Parabéns pelo texto! Disse tudo.

    bjs

    Curtido por 1 pessoa

  2. Leitura Enigmática disse:

    Já imaginava que a situação fosse piorar, por causa do descaso dos governantes e principalmente pela falta de consciência da população (a maioria), mas estou pasmo de saber que chegaria a essa proporção. Espero que isso acabe logo, pois todos estão sendo prejudicados sócio-economicamente.

    Curtido por 1 pessoa

  3. Alexsandra Helga de Souza dos Santos disse:

    Sendo sincera, resolvi não assistir noticiários nas próximas semanas, pelo meu bem mental, emocional, enfim…Vivendo em uma cidade sem prefeito, bem também não temos presidente…Ondem o outro não importa…Tenho buscado refugio nos livros, pelo menos lá posso viajar…
    E aproveitado todos os momentos com a minha filha, descobri que gosto de assistir séries…

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s