O conto do Pôr do Sol.

A menina sentiu o coração saltar quando ele se aproximou – Tantos meses de distanciamento, tanta saudade represada, tanto medo. Parecia irreal vê-lo, ouvir sua voz, sentir seu olhar. Caminharam pela calçada até atingir a areia da praia. Em nenhum outro momento o mar lhe parecera tão belo. Embevecida, ela buscava guardar cada mínimo instante, o som de cada risada, a sensação de um calor gostoso que lhe invadia o coração. Tocaram-se. Mãos, dedos entrelaçados, corpos que se aproximaram num abraço a tanto tempo aguardado. Ela fechou os olhos enquanto ele lhe beijava a testa. Tinha vontade de pedir para que ele nunca mais a soltasse, mas apenas conseguia retribuir os carinhos, respirando fundo aquele cheiro da pele dele – O coração apertado de saudade começava a relaxar. Abraçá-lo era como abraçar a felicidade, como segurar nas mãos a maior preciosidade que o Universo pudesse lhe presentear. Os lábios se tocaram num beijo longo, as mãos continuavam unidas, o abraço apertado. Ela sentia que o mundo havia parado abrindo uma brecha de paz e segurança em meio ao caos. Quando o beijo terminou, ainda abraçada a ele, a menina abriu os olhos por um breve instante e percebeu que o Sol já estava quase mergulhando na linha do oceano, deixando no céu um rastro alaranjado, brilhante como brasa, brilhante como o sentimento que ele lhe despertava no mais profundo de sua alma. Naquele momento, observando o céu, o mar e as mãos entrelaçadas, em um instante de silêncio, ela pôde ter certeza de que, se alguém perguntasse a ela qual é a definição de felicidade, ela teria a resposta mais verdadeira, simples e pura: Felicidade é poder segurar as mãos de quem se ama, sem pensar em mais nada, sem planos, sem pressa, apenas aproveitando cada instante precioso deste presente chamado vida. E ela, de olhos bem abertos para não perder nenhum detalhe, agradecia ao Universo por ser uma menina – mulher plenamente feliz.

Publicidade