Escrita silenciosa

Escrever sempre foi, para mim, algo bastante íntimo, silencioso. Criei a página Devaneios e Poesias no Facebook no final de 2013, em 2014 criei o blog, mas não me atrevia a participar de concursos literários ou seleções para antologias. Até que escrevi um poema-homenagem à Marielle Franco e precisei recitar em um evento do coletivo feminista. E depois incentivada companheiras de luta, li outro, sobre violência policial, no “Open Mic” (microfone aberto) ao final da Marcha da Maconha, depois participei de um festival de poesia falada, em seguida de um slam no final de um curso sobre poesia marginal, e de outro slam e um Sarau online. E eis que surge uma antologia de contos sobre os perigos dos relacionamentos virtuais – Escrevi e enviei o meu trabalho, sem muita expectativa de ser selecionada – E não é que consegui? (Conto mais detalhes sobre o lançamento do livro em breve). Tudo isso me trouxe vontade de participar de outros concursos literários: Quero testar limites e ampliar horizontes. E então, buscando aqui e ali, encontrei o Prêmio Machado promovido pela Darkside Books (clique aqui pra saber mais) – E misteriosamente, cadê a inspiração? Tela em branco. Respiro fundo, passeio pela casa, brinco com a cachorra e, tela em branco. Cozinho, lavo louça, descanso, leio e… A tela permanece em branco. Semana passada, fico sabendo de outro concurso, não tão amplo (se você tem menos de 18 anos pule as próximas linhas e vá direto para o final), com temática direcionada: Contos eróticos sobre BDSM (Para saber mais, clique aqui). Eu gosto de literatura “hot” como as pessoas insistem em chamar, porém, muito antes dos 50 tons ou dos 365 dias serem sucesso, houve outros autores e autoras que trataram o sexo com estilo mais rebuscado – O erotismo não precisa ser uma sucessão de palavras rasas, o erótico é uma parte importante do ser humano e merece requinte, quando tema de literatura! Temos Anais Nin e seu “Delta de Vênus” para comprovar. Temos D.H Lawrence, Règine Deforges, Anne Rice. Todos e todas escreveram o erótico de forma espetacular, antes mesmo do estilo se tornar badalado e vendido como Best-seller. E é essa a literatura erótica que eu desejo produzir! Porém, me deparo com uma dúvida – É essa a literatura erótica que as pessoas desejam consumir? E essa dúvida faz com que, novamente, a tela do meu computador permaneça em branco enquanto os prazos se aproximam do final. Agora, pergunto: O que fazer para sanar estes bloqueios criativos?

Este post faz parte do BEDA – Blog Every Day August. Participam também:

Ale HelgaAdriana AneliClaudiaLunna GuedesVivianeDricaMariana GouveiaChrisObduliono