O Vampiro

Sou andarilho solitário

Domino cada madrugada

Em cada obscuro atalho

Deixo minha marca registrada

Em cada corpo sem vida

Uma única ferida

Duas presas perfuraram

Todo o teu sangue drenaram

Não temo o chumbo ou a espada

Não é tão fácil minha vida ceifar

Sou criatura desalmada

Da tua alma posso me alimentar

Não apareço no espelho

Encho-me de desejo

Pelo teu sangue vermelho

Teu futuro prevejo

Desejo animal

Instinto

Um copo de sangue tinto

Refeição frugal

(04-04-12)

Este post faz parte do BEDA – Blog Every Day August. Também participam:

Claudia VivianeLunnaAle HelgaDricaMariana GouveiaChris ObdulionoAdriana