O conto das trinta auroras

Ela abriu o caderno com a sensação de quem reencontra um velho amigo. Releu os últimos textos – A maioria sobre filmes, livros, ideias para textos futuros, projetos de escrita. Há tempos não escrevia sobre ele – o que não significava que não pensasse todos os dias naqueles olhos que lhe tiravam o ar e a lançavam num espaço infinito de incertezas e desejos intensos. Ela ainda não ousara escrever-lhe poesias ou cartas, como se o fato de usar a primeira pessoa fosse tornar ainda mais real os sentimentos e lembranças que ela lutava para manter na seara dos sonhos bons, dos devaneios impossíveis – era uma falsa segurança – Aos poucos percebia que manter um afastamento de sua própria história, escrever como uma terceira pessoa observadora dos fatos, nada disso deixava seus sentimentos e desejos menos reais. Trinta auroras o mundo havia  presenciado desde a noite do beijo-mergulho, e ainda assim, parecia que havia acabado de acontecer, como se passando os dedos sobre os lábios ainda conseguisse sentir a umidade suave que a boca dele deixara ao corresponder àquele tímido beijo roubado – as lembranças tornavam-se sensações quase reais. Em algumas noites acordou sentindo o coração acelerado e um revoar de borboletas no estômago. Em alguns finais de tarde, desejara poder simplesmente deitar em seus braços na areia da praia olhando o Sol se recolher. Sabia que quase não havia possibilidade de formarem este tipo de casal – O coração já apertava ao pensar nisso, mas não chegava a doer, já estava mesmo acostumada a não despertar o tipo de interesse  romântico no sexo oposto – Talvez não fosse bela ou interessante suficiente, muito embora, no fundo sentisse que na verdade, entregava-se tão profundamente que, oferecendo plena confiança e compreensão, sua beleza (se é que a tinha), acabava tornando-se um item menos importante, meio apagado diante de alguém que oferecia uma amizade leal e intensa – tão rara entre homens e mulheres nos dias de hoje. Ela acreditava que relacionamentos deveriam pautar-se primeiramente em uma amizade verdadeira – mas sabia que era uma visão pouco comum. Sabia também que ele lhe devotava a mesma amizade leal, pura e verdadeira – e isso já a fazia feliz. Sentia também que havia uma atração forte entre eles, talvez a chance de uma amizade colorida – E, olhando no espelho, ela se perguntava se conseguiria seguir este caminho ou se continuaria lutando contra o mar, tentando erguer muros e limitando seus sentimentos por ele aos de um amigo, reprimindo os desejos que lhe afloravam a mente, relegando-os as linhas de seu caderno e aos sonhos incontroláveis que lhe invadiam a noite. E com essa grande interrogação, terminou de escrever e guardou o caderno – Era hora de dormir. Que a noite lhe trouxesse mais sonhos bons e a aurora lhe inspirasse a viver nova experiências.

(04-11-17)

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s