Confissões

Eu olho em teus olhos e vejo todo um universo onde me perco sem vontade de voltar – O universo dos teus olhos tem canções suaves e um clima ameno. O universo dos teus olhos tem o brilho das estrelas e um aroma suave de baunilha. Ah, Bambino… Pudera eu viver sempre neste universo. Pudera eu encontrar abrigo neste teu coração. Mas eu sei que o paraíso não é lugar para uma simples humana. Eu me contento, Bambino… Contento-me em passear no paraíso do teu olhar durante alguns segundos antes de voltar ao meu mundo vazio e cinzento, me contento em aquecer meu coração durante alguns breves momentos e depois me abrigar sozinha na noite, escrevendo estas cartas que você não vai ler, mas que são a maneira mais real de poder confessar que eu te amo.

(Da série “Devaneios tirados do fundo de uma gaveta” – 2013)

Publicidade