Capítulo 12

Já era madrugada e Marjorie ainda não havia pregado os olhos. Desde que havia abandonado Valeska, não conseguia dormir bem, mas aquela noite em especial estava sendo terrível. Apesar do horário, resolve dar uma volta na praia, para relaxar. A praia é a algumas quadras da casa onde mora. Ela pensa em desistir, mas não conseguiria mesmo ficar sozinha em casa.
É Sexta Feira, por isso há muito movimento. Jovens se divertem em grupos alegres. Marjorie fica imaginando o que os amigos estão fazendo. Pensa em Valeska, não consegue conter-se: Chora. Vai caminhando pela água, buscando a escuridão. Suas únicas testemunhas são as estrelas, frias e distantes.
Ela caminha até a ponta da praia, onde há alguns rochedos que ficam visíveis apenas quando a maré está baixa. Chegando lá, vê que está com sorte, a maré está muito baixa, e o local está vazio. Marjorie senta-se nas pedras mal iluminadas. Continua chorando incontrolavelmente.
Um homem se aproxima. Marjorie se assusta, pois só se dá conta da presença dele quando já está muito próximo.
Ele, porém, senta-se ao seu lado, e pergunta:
-Então, Marjorie, o que faz aqui, chorando, sozinha nesse lugar escuro?
-Christopher?
Ele a abraça carinhosamente. Ficam alguns instantes calados. Ela chora ainda mais..Aos poucos, vai sentindo-se protegida por aquele amigo querido.
Desde a separação, Marjorie ainda não havia aberto seu coração para ninguém. Sua dor a estava sufocando cada vez mais. Aos poucos, ela começa a se abrir.
Eles conversam durante toda a noite. Quando se dão conta, já está amanhecendo.
Christopher leva Marjorie para a casa dele, ela está com febre e ele se recusa a deixá-la sozinha em casa. Marjorie estava de folga, mas ele tinha que ir trabalhar. Ele a deixa dormindo no quarto que a filha usa quando vai visitá-lo, porém preocupado volta mais cedo para casa. Ao chegar, encontra-a ainda dormindo, a febre já está um pouco mais baixa,.
Marjorie acorda às 16h00min horas… Assusta-se ao ver que está numa casa estranha, só quando vê Christopher, se lembra do que aconteceu na véspera. Ele cuida dela, prepara uma refeição bem forte, leva-a até sua casa, para que pegue alguma roupa e passe a noite com ele.
Marjorie não sabe como retribuir tanto carinho. Não entende por que ele está fazendo isso, afinal, conhecem-se há tão pouco tempo.
Christopher não consegue parar de pensar em Marjorie. Ele gostaria de poder penetrar em seu coração e arrancar Valeska de lá mas percebe que nada do que ele fizer fará com que Marjorie a esqueça.
Na segunda feira, após a aula, Marjorie voltou para casa. Era estranho estar de novo naquele quarto vazio depois de um fim de semana com Christopher. De repente, ela sentiu uma grande saudade dele.
Decidiu ligar para conversarem um pouco, pois sabia que ele dormia muito tarde.
Christopher ficou muito feliz com o telefonema. Também estava achando estranho estar sozinho em casa. Perguntou se Marjorie queria ir para lá, passar a noite com ele. Ela recusou. Mas combinaram de sair juntos no fim de semana, ir à praia ou algo assim.

Em São Paulo, as coisas estão cada vez piores para Valeska. Ela não consegue se concentrar muito nas aulas, não consegue mais manter aquela aparência tranqüila de jovem aplicada e feliz.
Melissa, novamente termina o namoro. Ela busca alguém que a satisfaça como fêmea, não apenas como mulher. Ela não quer um bom rapaz que a ame com ternura, busca um Macho que a cubra de prazer.Não busca uma menina que a ame acima de tudo, não quer ninguém que seja capaz de morrer por ela, de chorar por ela, tudo o que quer é alguém que seja simplesmente capaz de saciar-se de prazer em seu corpo e permita-lhe fazer o mesmo. E como é difícil encontrar isso. Ela sabe que nunca foi amada pelas pessoas que passaram em sua vida, sabe também que nunca amou essas pessoas, mas por que então elas insistiram tanto em tornar sério o que ela queria que fosse apenas uma brincadeira, um passatempo? Apenas pelo prazer de chegar ao grupinho de amigos e dizer: Ela é minha namorada? Apenas pelo prazer da posse? Não, não com ela. Ela não queria possuir ninguém, e não queria ser de ninguém. Queria apenas se entregar a quem saciasse seus desejos mais íntimos, sem ter que prestar contas depois.

Chega o fim de semana…
As folgas de Marjorie são corridas, se na semana anterior ela estava de folga no sábado, nessa semana sua folga é no domingo. Christopher, como supervisor têm folga todos os domingos.
Na sexta-feira Christopher vai buscar Marjorie na saída do curso. Eles vão comer uma pizza juntos, depois vão para a casa dele.
No sábado, ambos chegam juntos no trabalho. Na saída, Marjorie se despede dos amigos primeiro, eles não querem ser vistos assim, tão juntos o tempo todo, pois as pessoas podem interpretar a amizade de maneira errada.
Christopher alcança Marjorie no caminho, ela entra no carro e eles seguem para a casa dele. Assistem a um filme juntos. Depois vão dormir. Novamente, Marjorie ocupa o quarto de Diana, que nesse fim de semana não havia ido para a casa do pai, pois estava em São Paulo, na casa de uma prima.
Passam um domingo maravilhoso juntos.

Todos os dias se falavam por telefone antes de dormir. Muitas vezes Marjorie falava com ele sobre Valeska, chorando. Esses momentos partiam o coração de Christopher, que não suportava vê-la sofrer daquela forma.
Seus fins de semana sempre são passados juntos, Marjorie e Diana tornam-se muito amigas.
Já estavam no final de Outubro, Christopher toma então uma decisão: Pede Marjorie em casamento.
Ela fica muito confusa, sabe que jamais será uma boa esposa para Christopher, jamais conseguiria entregar-se a ele, como mulher.  E, além do mais, o que a filha dele pensaria disso, afinal, ela e Diana têm praticamente a mesma idade. E Diana sabe que ela e Christopher são apenas amigos
Christopher se conforma com a recusa, mas promete a si mesmo que não desistirá de ter o amor de Marjorie, ou de vê-la feliz nos braços de Valeska, de convencê-la a perdoar o amor de sua vida.

Caderno de Notas de Valeska.
“Não se arrependa…
De sofrer por Amor…
De lutar por Amor…
Ou de não ter esperança com quem você ama.
Pois o verdadeiro Amor,
Deve ter em pequenas doses,
O sofrimento,
Deve ter luta.
O verdadeiro Amor é o que tem poucas esperanças de se concretizar…
Mas quando acontece, traz para a nossa vida o sabor inigualável da
Felicidade!”

Anúncios

4 comentários sobre “Capítulo 12

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s