Tardes de segunda-feira

O mundo parece desfazer-se em preguiça. Segunda-feira. O dia em que todos queriam mais algumas horinhas de domingo. Só eu pareço funcionar ao contrário. Nas últimas horas de domingo, já estou contando os momentos para que cheguem as primeiras horas de segunda feira.  Eu continuo sem saber quem você é. E continuo tendo um medo terrível de tentar saber. Só sei que quando você me cumprimenta algo aqui dentro se aquece.  E é por isso que minhas segundas feiras são tão belas, porque eu sei que irei encontrar você e sentir esse furacão de sentimentos confusos que o teu olhar desperta em mim. São finais de tarde que rapidamente se transformam em inícios de noites estreladas onde os astros celestes disputam minha atenção com a lembrança luminosa da tua presença.

 (Devaneios tirados do fundo de uma gaveta – escrito em algum mês de 2013)