Capítulo 8

Os dias vão passando. Lentamente tornam-se semanas, meses…
Julho chega… Férias… Marjorie vai visitar os pais em São Paulo… Encontra seu quarto exatamente como deixou… Cada cantinho apresenta uma recordação… Bem em frente à cama, um grande painel mostra fotos dela e de Valeska desde a infância até as últimas férias que passaram juntas com os avós de Marjorie… Atrás de um quadro, a chave que abre a gaveta do criado mudo… Ela não consegue abrir, pois sabe que lá dentro estão guardadas cartas, bilhetes, fotos, um lenço com o perfume de Valeska, a calcinha que usou na primeira noite de amor… Pedacinhos de sua vida…
A alegria de rever os pais era nublada por essas lembranças.
A maioria dos amigos estava viajando… Os poucos que Marjorie encontrou invariavelmente citaram Valeska, todos sabiam que elas eram muito unidas e perceberam o estado quase depressivo em que Valeska se encontrava desde a partida de Marjorie. Que vontade de voltar… Seria a mesma coisa viver ali, como antes? Não… Não seria… A vida é um cristal,quando se parte,não adianta remendar, jamais será igual…
No sítio, Valeska está mais isolada que o habitual… Melissa não a deixa sossegada um segundo, mas recebe em troca a frieza do gelo. Seu único prazer é caminhar solitária em meio às trilhas, passa horas contemplando os pássaros… A água caindo na cachoeira… Sempre gostou desse contato íntimo com a natureza, mas após terminar seu namoro com Marjorie essa característica sobressaiu-se em seu comportamento. Unir sua alma a alma da Terra, das Árvores, dos Rios, ao Vento ajudava-a a preencher um pouco o espaço vazio que Marjorie deixara ao partir. Fim de férias.
De volta a São Paulo, Valeska fica sabendo que a amada esteve na cidade. Sofrimento. Nem avisou a ela que viria.
Em Santos, Marjorie retorna à rotina… No fim do ano prestará vestibular, não mais a USP, não quer voltar a São Paulo. Prefere ficar em Santos e fazer um curso particular…
A vida de Valeska também não sofre grandes mudanças. Ela mergulha cada vez mais em seu mundo isolado.
Em Setembro, Melissa faz dezesseis anos… Fazem uma enorme festa no sítio, Valeska é convidada, mas recusa-se a ir.
Nessa festa, Melissa conhece Ana Gabriela, prima de uma amiga do colégio.
Ela e Ana Gabriela têm a mesma idade, mas Gabi ainda é completamente pura. É uma linda garota, olhos castanhos, pele cor de doce de leite e cabelos negros e cacheados que caem abundantemente até as costas. Mora na cidade vizinha e sempre passa as férias e muitos finais de semana com a prima. Melissa a convida para passar uma semana no sítio, nas férias de verão. Os olhos de Melissa não conseguem esconder a maldade, ela torce para que em Dezembro Gabi ainda continue sendo a garotinha pura que ela conheceu.

Anúncios

2 comentários sobre “Capítulo 8

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s