Eu vejo um mundo novo

Eu vejo um mundo novo, vejo a vida que passa, vejo pessoas, vejo sentimentos. Vejo a cada dia a aurora de uma nova vida, que morre na rotina. Vejo paixões nascendo; pássaros cantando; vejo o Amor brincando.
O amor se esconde nunca se sabe onde, ali na esquina ou bem ao teu lado. Todos buscam o amor, o procuram em cartas, poemas, oráculos; todos sonham com ele, que se esconde, foge e aparece de repente.
A vida se repete a cada dia, se copia e se inova; ela transpira esperança, nos mostra caminhos – os melhores e os piores, os alegres e os infelizes… E nós, seres inquietos, tentamos percorrer todos, sem prestar-lhes atenção, apenas passamos… E, em algum desses caminhos, o Amor nos aparece e nós simplesmente não notamos. Cada caminho é um novo mundo e eu sigo o Amor que em um desses mundos encontrei e que hoje é meu guia em todos os meus caminhos…

(Da série: devaneios tirados do fundo da gaveta)