Teu olhar

Teu olhar
Flor que desabrocha
Pétala ao vento
Brisa que me toca
Desalento…
…amar-te

Vida que se inicia
E encerra
Guerra
De paixões
Profecia
De alguém
Que já não sei

Os amores
Apenas vilões
Deságüem
Lágrimas
Em meu peito presas

Seca meu pranto
Como o Sol
Seca a Terra
Seja o Sol que castiga
Seca meu pranto
Seca minha alma
Para que nela não reste
Vestígios de amor
Ou compaixão

Faz-me
Marmórea escultura apenas
Sem amor, sem sentimentos
Sem vida, sem sofrer…
Talvez assim
Haja alento em meu viver

Crepúsculo de um domingo

23122010359
Ubatuba-SP (2010)

O crepúsculo de um domingo não é um crepúsculo qualquer. Tem um quê de esperança, um tantinho de preguiça. A noite de domingo então… Ah… A noite de domingo… É aquela mistura de “amanhã começa tudo de novo” com “o que será que me aguarda nessa nova semana que se inicia?”. Alguns aproveitam o dia com a família, alguns passam a tarde vendo TV, alguns curtem a última baladinha da semana… E pensam nas promessas de sempre: Amanhã eu começo a dieta, amanhã vou procurar emprego, amanhã começo a ler aquele livro, amanhã começo a fazer aquela pesquisa… Amanhã… Amanhã… Amanhã… Tantas promessas, esperanças e compromissos se encerram na segunda-feira! Não é à toa que ela é considerada o “Dia da Preguiça”…  

Então, vamos tratar de aproveitar muito bem estas últimas horinhas de descanso que nos restam, antes que o impiedoso despertador nos acorde, antes que o turbilhão de mais uma semana nos arraste… E, principalmente, vamos pensar, pensar muito no que queremos e no que estamos fazendo a cada dia para realizar, pois somente os sonhos nos fazem ter força para continuar sempre em frente!

Um ótimo domingo e um amanhecer melhor ainda para todos os meus leitores queridos!

Pensamentos no final da tarde e canções…

Há momentos em nosso dia-a-dia que simplesmente nos lembram músicas… Hoje, caminhando pela praia e observando o crepúsculo alaranjado que cobria o céu da cidade lembrei-me de dois trechos de canções da banda santista Charlie Brown Jr:

CAM00799
Santos-SP. Praia Gonzaga

“Meu escritório é na praia, eu to sempre na área” (Zóio de Lula – CBJR) e “Eu só quero um fim de tarde, um lugar só meu e ela pra curtir” (Uma só vida pra viver, tenho sede nela eu vou – CBJR). Engraçado, não conseguia me lembrar o restante da canção, e por um tempo fiquei com o segundo trecho na cabeça… Sentei e fiquei olhando o mar… Ah… Um fim de tarde, um lugar, um alguém… E me dei conta de que sabe-se lá quantas pessoas querem exatamente o isso. E eu? Eu quero exatamente isso? Um fim de tarde? Ok. Um lugar só meu? Não sei… Um lugar só meu seria tão solitário… Alguém pra curtir? Certamente… Mas, alguém quem? Um amor? Um amigo? Porque não vários “alguém”? Porque as músicas que fazem sucesso falam sobre romance, sobre amor, sobre casais e finais de tarde se tudo isso é tão distante e difícil de encontrar?  Os compositores deveriam escrever sobre o mar, sobre a noite, sobre o amanhecer… sobre finais de tarde e amigos… Risos e sorrisos… Alegria simples e pura… Afinal, conforme diz outro trecho do saudoso Chorão “Então vamos viver, um dia a gente se encontra” (Um dia a gente se encontra – CBJR).  Sim, sim…Não sei pra quem o Chorão escreveu isso, mas por minha parte esse trecho é um recado pra ele, pro querido Cupido: vamos viver e um dia a gente se encontra… Mantenha distância que você só faz burrada, uma atrás da outra… E, aliás, deve ser por causa dessas burradas do Cupido que tantos falam de amor e tão poucos se dão conta de que o amor não precisa ser romance… Mas essa é outra história, outra conversa, outro tema…