O Diário de Mary (VIII)

BIANCA

São Paulo, 10 de Junho de 1996, Segunda-Feira.

“Bianca acorda numa cama enorme. Sente que dormiu durante muito, muito tempo. Põe a mão no peito e nota que o corte deixado pelo punhal já cicatrizou. O quarto está totalmente escuro e muito frio, mas estranhamente, ela consegue enxergar com nitidez, inclusive as cores. Seus lençóis são de seda pura, carmim. Uma porta se abre e Bianca reconhece a figura que, naquela noite escura havia acariciado seu corpo… em suas mãos, ela traz uma taça com um liquido vermelho… aquele cheiro de sangue fresco a faz sentir fome, muita fome… Cristhine aparenta ter uns trinta anos… ela se aproxima de Bianca e entrega-lhe o cálice que ela sorve rapidamente para só então perguntar o nome da outra:
-Quem é você?
-Sou Cristhine. Eu evitei que partisse para sempre, quando naquela noite, você cravou este (pega um punhal que está ao lado da cama de Bianca) punhal em seu peito.
-Então, eu não morri? Onde estou?
-Para os seres humanos vivos, você está morta, ou melhor, desaparecida, já que seu corpo jamais foi encontrado… Mas você não pertence ao Reino dos Mortos, nem ao Reino dos Vivos…
-Então, quem sou eu?
-Naquela noite, antes de dar fim à sua própria vida, fizeste um pacto de Amor e Sangue com Emanuelle, lembra-se?
-Lembro… Cortamos nossos braços, com esta lâmina, e juramos Amor Eterno…
-Mas a Eternidade dos Deuses, só é dada aos mortais quando eles esperam ser chamados, quando esperam sua hora de partir deste mundo… E você não esperou… Adiantou-se ao seu próprio destino… Você teria duas opções, vagaria perdida pelo mundo até a o dia em que deveria retornar, como uma nova vida, e teria que buscar novamente por Emanuelle, sofrendo todos os desencontros das paixões falsas e mundanas, as traições e os impedimentos…ou então, tornar-se-ia uma de nós…
-Uma de vocês?
-Sim… Uma vampira…
-E, o que isso significa?
-Você agora é praticamente eterna, poucas coisas podem tirá-la para sempre deste mundo… Deverá manter-se longe de qualquer tipo de templo, sob pena de ser condenada a uma tortura eterna… E também não poderá jamais se expor à luz solar… Apenas a luz da lua e as trevas da noite serão teu abrigo daqui em diante. Jamais ficará velha, atravessará milênios assim, com essa mesma aparência.
-Mas, e Emanuelle? Poderemos ficar juntas pela Eternidade? Pode uma Mortal e uma Vampira amar-se? E o que será de mim, quando ela se for para sempre?
-Se vocês ficaram juntas ou não, isso dependerá apenas dela…
-Como?
-Para vocês ficarem juntas, ela terá que tornar-se também uma Vampira, uma criatura das trevas… Mas ela terá que querer tornar-se uma de nós…
-Não dependeu de mim… Eu não quis ser, como me tornei?
-Eu provei do teu sangue naquele punhal. Pelo seu sabor, percebi toda a razão que a levara a cometer o ato fatal… Então, alimentei-me de teu sangue, e a beijei, dei-lhe o Beijo da vida eterna…
-Então… Não basta que eu prove um pouco do sangue dela, e a beije?
-Sim e não… Vocês fizeram aquele pacto de Amor e Sangue… Ela tem que querer seguir-te para onde você for… Se ela não quiser, de verdade, e você a morder, para sugar seu sangue, você a matará…
-Quando poderei ir falar com ela? Quando poderei trazê-la para mim?
-Você ainda tem que se fortalecer aprender a entrar e sair dos lugares… A manipular a mente das pessoas… Poderá penetrar-lhes os sonhos e os piores pesadelos… Mas ainda falta algum tempo…
-Há quanto tempo estou aqui, adormecida?
-Exatamente hoje, faz cinco anos…
-E como está Emanuelle?
-Está bem… Agora têm dois filhos… Ela ainda chora a tua ausência, mas terá que decidir entre você e as crianças. Vocês não poderão trazê-las para este mundo semi-amaldiçoado… São seres de Luz…
-Por que eu demorei assim, tanto tempo para despertar? Todos demoram assim?
-Não… Você foi trazida de um estado de quase morte… Geralmente, o sono profundo dura alguns meses, apenas para poder-se acostumar às energias das trevas…
Bianca começa a sentir-se novamente fraca, e adormece…”

Ao mesmo tempo em que esta estória me amedronta, ela me faz ter a vontade de viver uma paixão assim intensa, banhada em sangue e sentimentos verdadeiros… Queria ter alguém que fosse capaz de morrer por mim… E queria que meu coração fosse capaz de morrer por alguém…

 “Os minutos parecem me perseguir… As estrelas já não trazem mais brilho aos céus… Tudo é terrivelmente vazio e escuro, e triste… Não consigo sequer imaginar como fui capaz de sorrir, antes de te conhecer… E, depois de te amar, de onde poderei tirar forças para sorrir, enquanto estivermos distantes…Enquanto eu não puder sentir teu perfume novamente, como vou respirar? Enquanto não puder olhar em teus olhos, o que mais poderá iluminar minha vida? Qual será a última imagem em minha mente, antes que eu durma se não está aqui ao meu lado, para que eu possa adormecer imersa em ti? Saudades de sentir tuas mãos passearem pela minha pele, pelo meu corpo, me arrepiando de desejo e de paixão… E ao mesmo tempo, fazendo meu coração bater mais forte, por sentir-se amado, por sentir que tuas carícias são reflexos dos sentimentos guardados em teu coração… Ai, que saudades dos teus sussurros, do teu toque, teu olhar, teu Cheiro… Que saudade de me entregar a você, como se cada noite fosse novamente a primeira, tão pura e doce quanto um sonho de amor, como o desabrochar de uma rosa branca… Que saudades de tudo, de estar ao teu lado, de dizer eu te amo…de vê-la tremer de emoção a cada noite e acordar ao teu lado pela manhã…
Não importa o que eu disser, sei que três palavras podem resumir a minha vida:
Eu Te Amo!”

Anúncios

Um comentário sobre “O Diário de Mary (VIII)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s