Panquecas Verdes (Vegana)

E quem disse que não há arte na cozinha?

09-07-2014 Panquecas verdes de couve recheadas com milho  (1)

 INGREDIENTES:

  •  1 xícara de farinha de trigo (com fermento)
  • ½ xícara de aveia em flocos
  • 1 colher de sal
  • 3 colheres de azeite
  • 1 e ½ xícaras de água
  • 1 folha de couve sem talo

RECHEIO

  •  1 lata de milho verde
  • Sal e azeite a gosto
  • ½ tomate pequeno picadinho
  • ½ cebola picadinha
  • Salsinha
  • 1 dente pequeno de alho

PARA COBRIR:

  •  2 e ½ tomates bem picados
  • ½ cebola picadinha ou ralada
  • 1 dente pequeno de alho
  • 3 colheres de azeite
  • Sal e orégano à gosto
  • 1 pitada de açúcar

PREPARO

Prepare o recheio: Refogue no azeite o sal, o alho, a cebola e o tomate, colocando por último o milho e a salsinha e mexendo bem até ficar sequinho. Reserve.

Em uma panela, refogue os ingredientes do molho, tendo o cuidado de deixar para colocar o tomate por último. Coloque um pouco de água e vá mexendo de quando em quando. Deixe ferver e engrossar.

Prepare a massa: Bater tudo no liquidificador. Aquecer uma frigideira antiaderente untada com azeite ou óleo. Colocar uma quantidade (geralmente uma concha) da massa. Fritar. Virar com auxílio de uma espátula ou se tiver experiência jogando para cima. Deixar pegar cor dos dois lados. Retirar do fogo. Untar novamente a frigideira e repetir a operação até terminar toda a massa.

Enrole as panquecas, recheando-as e ajeitando em um refratário. Coloque o molho por cima e leve ao forno apenas para aquecer. Sirva em seguida.

Dica: Se quiser que as panquecas fiquem vermelhas, é só substituir a couve por um beterraba bem pequena, crua, lavada e descascada.

Dica 2: Utilize uma boa frigideira anti-aderente e coloque pouquíssimo óleo, pois essa massa “suga” gordura

Receita original: Blog Menu Vegano (http://www.menuvegano.com.br/article/show/857/panquecas-verdes

Deixe a cidade te surpreender

blog

Muitas vezes a preocupação de chegar é tão grande que nos esquecemos de prestar atenção ao caminho. Quantas vezes nos últimos tempos você parou, respirou e reparou em tudo que está ao seu redor? Já parou para pensar que dentro dos ônibus que cortam a cidade há pessoas cheias de sonhos, motivações, problemas e emoções? Já observou os pombos pousados nos fios? Quando foi a última vez que você reparou na planta que cresce no meio da praça? Que sorriu e cumprimentou um desconhecido?  Qual a última vez que sorriu ao ver um casal de mãos dadas? Quando foi a última vez que saiu para caminhar sem rumo certo? Ou que compareceu a um evento cultural de rua e percebeu que há muito mais coisas bacanas para ver além do evento em si? Se a sua resposta a estas perguntas foi “ah… já nem lembro mais” ou “você acha que eu tenho tempo para perder com essas coisas”, cuidado: Você pode estar correndo demais e esquecendo-se de viver.  Pode ter traçado um caminho em linha reta, sem final e sem paisagem, e, sejamos sinceros: Você acha mesmo que a vida é só isso?

Que tal fazer uma experiência: A partir de amanhã tente prestar atenção às pequenas coisas. Vale tudo: Um artista de rua, um animal, o vai e vem dos carros. Tente não olhar para o relógio como um carrasco que se interpõe entre você e suas metas, mas como um amigo que lhe presenteia com mais 24 horas para sentir-se vivo. Surpreenda alguém com um telefonema. Leia uma poesia. Escreva alguma coisa… Experimente novos sabores… Arrisque-se um pouco. Depois, no final do dia, reflita. Como se sentiu? E, ao menos uma vez na semana, saia para dar uma caminhada e deixe a cidade lhe surpreender com coisas inusitadas e belas. Faça essas coisas durante uma semana, ou duas… Isso se tornará um hábito interessante e certamente o fará sentir-se mais vivo e motivado.